quarta-feira, 30 de novembro de 2011

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Cris Doula no Facebook!

Oi Gente, esse post é bem simples, é só para dizer que eu tenho facebook e quem quiser me adicionar eu vou aceitar. Toda semana várias mulheres me adicionam porque acompanham o blog, e não sabiam que eu estava na rede. Então o meu perfil é: https://www.facebook.com/profile.php?id=1207261231 e quem quiser acompanhar de perto algumas atualizações e fotos, é só me seguir.


beijos!
Cris Doula!

domingo, 27 de novembro de 2011

Brasileira orienta e acalma grávidas famosas na hora no parto!

A primeira vez que ouvi falar na Ana Paula foi através de uma parteira de São Paulo, que me mostrou sobre o Binibirth. Entrei no site e achei muito legal, depois no documentário americano ''More Business of being born'', Ana Paula aparece e muito orientando as gestantes famosas, e é lindo de ver o carinho com que elas falam da Ana após o parto. Não tenho o prazer de conhecer a Ana pessoalmente, mas virtualmente ela é muito querida, entendo a admiração dessas mulheres, e também, admiro muito! Parabéns Ana Paula, continue sendo esse exemplo maravilhoso de mulher Brasileira e de Doula! SUCESSO!Cris Doula!

FERNANDA EZABELLA
DE LOS ANGELES

A brasileira Ana Paula Markel já viu celebridades de Hollywood por ângulos bastante distintos: correndo de carro blindado pelas ruas de Los Angeles, escondendo-se em hospitais com codinomes secretos e, finalmente, dando à luz na sala de parto, descabeladas.
Ela não é médica nem parteira. É doula, uma atividade que vem crescendo nos EUA na última década, levada pelo desejo de mães e pais de ter um apoio maior durante a gravidez e uma experiência mais agradável na hora do parto.
Com as clientes que já ajudou, como Penélope Cruz e Alanis Morissette, Ana Paula acabou conhecida como a "doula das estrelas". "A ideia é cuidar das grávidas como se eu fosse aquela amiga mais experiente", explica a paulistana de 40 anos, mãe de quatro filhos e radicada nos EUA desde 1999.
"Nosso trabalho é emocional, físico e informativo. Tiramos dúvidas e conversamos sobre as emoções e os medos de virar mãe. Na hora do parto, ajudamos nas posições, massagens e explicamos ao parceiro que aquele barulho que ela está fazendo é normal."
Jeremy Samuelson
Modelo Michelle Alves e os filhos Oliver e Mia, cujos os partos foram auxiliados por Ana Paula Markel
Modelo Michelle Alves e os filhos Oliver e Mia, cujos os
 partos foram auxiliados por Ana Paula Markel.
A origem do nome doula vem do grego antigo para "ajudante ou escravo da mulher". Não foi traduzido nem para o inglês nem para o português. Hoje, doulas são voluntárias em hospitais do mundo todo, incluindo o Brasil, ou trabalham de forma particular.
Em geral, o serviço de uma doula começa no segundo trimestre da gravidez e, nos EUA, varia de US$ 700 a US$ 3.000 (entre R$ 1.000 e R$ 5.000). A profissional encontra o casal duas ou três vezes para conversar e fica presente durante o parto, seja cesárea ou natural, no hospital ou em casa.

CELEBRIDADES
Ana Paula tem oito anos de experiência e hoje também treina colegas em seu estúdio, o Bini Birth. Em uma rua tranquila no bairro de North Hollywood, o Bini Birth fica em uma sala espaçosa cheia de almofadas, sofás aconchegantes e esculturas de barro de grávidas que trouxe do Brasil.
Foi ali que a cantora Alanis Morissette se sentou com outras futuras mamães para participar de um workshop regado a sopinhas, quiches e sobremesas orgânicas. "Ficou todo mundo meio chocado quando ela chegou. Tem famosa que jamais viria a uma aula com outros casais, tem paranoia de câmera porque está gorda, acha que está feia", conta Ana Paula, lembrando a tranquilidade de Morissette, de moletom. Seu filho nasceu em dezembro de 2010.
Já Penélope Cruz "é talentosa até parindo, é incrivelmente forte", diz Ana Paula.
A lista de celebridades também inclui a atriz americana Christina Applegate, a boxeadora Laila Ali, filha de Muhammad Ali, e as modelos brasileiras Michelle Alves e Camila Alves (sem parentesco), ambas residentes de Los Angeles.
Michelle Alves narra sua experiência: "Ana Paula me guiou, ajudou a me concentrar, fez massagem nas minhas costas. Ela também me ensinou a 'empurrar' lá embaixo. É muito esquisito ter essa consciência do corpo, de qual músculo usar".
"Uma hora, depois de eu já ter empurrado muito, vi que a doula falou alguma coisa com o médico e eles resolveram me virar de lado e depois de volta. Aí dei a última empurrada e o Oliver nasceu. Foi tudo muito rápido, graças ao trabalho dela", conta Michelle, que está grávida do terceiro e vai ter a ajuda de Ana Paula novamente
.
PARTO NATURAL
A profissão de doula vai, aos poucos, quebrando a barreira da desconfiança. Há alguns anos, havia muita resistência dos médicos em aceitá-las nos hospitais, por medo de que fossem convencer as grávidas a fazer parto natural e não cesariana, um método cirúrgico mais rápido e lucrativo para o hospital.
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um índice saudável de cesáreas num país é de apenas 15%. Nos EUA, o número orbita os 30% e, no Brasil, superou os 50% no ano passado, atingindo um dos índices mais altos do mundo.
Apesar de não ser profissão regulamentada, doulas podem ser certificadas por instituições, como a Dona International, hoje com 7.000 membros, contra 754 em 1994.
"A procura aumenta na medida em que as mulheres aprendem mais sobre as intervenções médicas e seus efeitos colaterais", diz Lori Hill, diretora de comunicação da Dona. "É provado que a presença de uma doula treinada diminui o número de intervenções não desejadas."
A americana Erica Saltiel Levin, 42, corretora de imóveis que vive em San Francisco, lembra que procurou uma profissional porque queria evitar a cesariana e ter uma pessoa para ajudá-la a lidar com enfermeiras e médicos no hospital.
"A gente sempre escuta histórias de médicos que tomam decisões baseados em seus interesses e agendas", disse Erica, que deu à luz um menino em 2009. "As mulheres querem um apoio para ter certeza de que seus desejos serão respeitados."
A brasileira Mayra Calvette, 24, uma das enfermeiras obstetras que auxiliou no parto de Gisele Bündchen, na banheira da casa da modelo em Boston, diz que é possível usar métodos naturais para aliviar a dor do parto, como se movimentar ou usar água quente.
"É também o trabalho da doula e que está integrado ao meu", conta Mayra, que hoje mora nos EUA e se prepara para viajar pelo mundo para fazer um documentário. "Vou mostrar como é o parto em diversos países. Muito do medo do parto natural vem da desinformação."

sábado, 26 de novembro de 2011

Você quer? Você consegue!


Lembre-se: VOCÊ PODE FAZER ISSO!


Antes e durante o trabalho de parto, visualize seu corpo funcionando, seu bebê girando e nascendo. Não pense na dor como uma coisa ruim, aprenda a lidar com as contrações, não fuja dela, se concentre no que o seu corpo pede, o que ele quer, e lembre-se isso tudo não é em vão.São essas contrações que vão trazer seu bebê.
Converse com o seu bebê, deixe que ele saiba que tudo isso também é normal pra ele, e que logo vocês vão se conhecer de uma maneira diferente, e que você mal pode esperar.


Ouça os conselhos da sua equipe humanizada, a sua parteira, a sua doula, o seu acompanhante.
Olhe nos olhos deles e sinta, ouça, VOCÊ CONSEGUE! Mas faça o que o seu corpo quer, ele sabe o que fazer, RESPIRE profundamente e devagar, inspire pelo nariz e expire pela boca.
CONFIE EM VOCÊ E NO SEU CORPO!

Deixe seu macaco agir, parece engraçado mas na verdade isso é retirado de um livro de uma parteira super reconhecida chamada Ina May,e ela fala justamente sobre deixar o seu lado primitivo e instintivo agir. Isso inclui tirar a roupa e ficar a vontade, fazer sons, posições, não tenha vergonha nem medo do que vão pensar.
Não fique pensando em remédios, em procedimentos, não fique pensando o quanto falta para dilatar totalmente, não tenha medo de evacuar durante o parto. TODAS as pessoas fazem isso diariamente, pessoas normais, celebridades, princesas. É NATURAL do corpo e a equipe está totalmente acostumada com isso. Não se prenda.

 Seu corpo instintivamente sabe o que fazer para trazer seu bebê ao mundo. Afinal, ele tem feito isso perfeitamente pelos últimos 9 meses, cuidando desse ser e ajudando a crescer com saúde, sem que ninguém tenha que intervir. Seu corpo não precisa de cursos ou um médico para ensinar como gerar um bebê. Milhões de anos de evolução mostra que o trabalho de parto é controlado pelas partes mais primitivas do cérebro.

Lembre-se que essa ''dor'' é simplesmenteuma mensagem para o seu cérebro. Você não esta em perigo. E você sabe como controlar essa mensagem, diminuindo e até eliminando.Ensinar seu corpo como fazer isso é a melhor maneira de ter um maravilhoso trabalho de parto onde medicamentos para alívio da dor nem passam pela sua mente. Nossos corpos são especialmente feitos para fazer essa coisa maravilhosa chamado PARTO. Prepare-se também para possíveis intercorrências que a medicina moderna está pronta para atender, uma cesárea necessária é sempre bem vinda.


Mas no final de tudo, sorria, ame e divirta-se com o seu parto. VOCÊ está no controle da sua experiência, dê permissão ao seu corpo para ir além de qualquer inibição e siga o seu corpo.



Retirado do site http://www.mybirthmyway.com.au/My-Choices e traduzido por mim!

Cris Doula!

O que está faltando no blog?

Olá a todas!!!

Estou sempre tentando melhorar o blog, não só a aparência dele mas também o conteúdo, e quero saber o que vocês acham dele, o que acham que está faltando, o que tem muito, o que tem menos, enfim tudo que vocês quiserem falar sobre o blog!!!! Todos os comentários serão úteis!!!

O blog é meu xodó e cuido dele sozinha, tudo aqui sou eu quem faz, todas as idéias de abrir páginas detalhando mais sobre os meus serviços, as fotos com relatos, vídeos, enfim tudo que eu coloco no blog vem do meu coração, sem cópia de nenhum outro blog.


Sempre que posto materiais de outras pessoas, sempre posto a fonte, mas se alguém tiver alguma reclamação pode postar também ok?

Obrigada a todas pelo carinho nos comentários, os e-mails que recebo diariamente, eu não me importo de ajudar vocês que não podem ter uma Doula acompanhando a gestação, parto e pós-parto mas as vezes demoro um pouco pra responder, quando estou na correria.



Quer saber mais sobre um assunto que não tem no blog? Deixe um comentário com o tema!

Vocês são as responsáveis pelo blog ter mais de 40 mil visualizações por mês e quero continuar melhorando para que esse número cresça, e com ele, o número de mulheres confiantes para parir seus bebês, naturalmente!
Obrigada!!!


Cristina De Melo
Téc. Enfermagem,
Mãe da Sofia e Doula!

Lindo video de um parto natural humanizado!




Postaram no facebook, assissti, amei e resolvi compartilhar aqui! Um exemplo de um lindo parto em Casa de parto, coisa que infelizmente não temos em Florianópolis, ainda. Eu sempre digo que se eu ganhasse na mega-sena com certeza iria abrir um local parecido. Mas seria mais como uma maternidade, com um centro cirúrgico para cesáreas realmente necessárias, com enfermeiras obstetras e obstetrizes para atender os partos de baixo risco, e com médicos realmente a favor do parto natural de plantão para partos mais complicados.
Esse é o meu sonho de consumo, pois assim até mesmo as mulheres com gestações de alto risco teriam a chance de parir com respeito em um ambiente parecido com o domiciliar.
As mulheres não deveriam ter que se preocupar com quem será o médico, se o médico vai atender seus desejos, se ela será respeitada, se vão deixar o acompanhante, a doula e os familiares no parto. Ela não deveria se preocupar com nada, especialmente com nada disso.
Quem sabe um dia....


Cris Doula!

Entrevista com Dra.Melania Amorim, assista!!!!




Cris Doula!

Palestra na loja Eco moda para crianças! 6 de Dezembro!


Confirmações pelo e-mail: ecomodaparacriancas@gmail.com
Última palestra do ano, não perca!!!!!

Cris Doula!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Como escolher um obstetra ou uma parteira?

Achei este post por acaso, e adorei. As dicas servem também para quem procura por Doulas. Inclusive a busca na internet, referências, experiências, se tem cadastro www.doulas.com.br/associadas.html e indicações dos médicos a favor do parto natural. 
A escolha do obstetra ou de uma parteira deve ser feita cuidadosamente. Infelizmente, para a maioria das mulheres essa escolha não se dá livremente, devido a fatores como imposições de planos de saúde, profissionais reduzidos no SUS ou baixo conhecimento do tema.
Entretanto, a mulher pode e deve se preocupar com a qualidade do profissional que irá realizar seu parto. É muito comum ouvir as lamentações de mulheres que desejavam um parto normal, mas que (pelos motivos mais absurdos) foram submetidas às operações cesarianas. Sim, operações. Outra história comum é o abandono das mulheres no momento do parto, pois o médico alega ganhar pouco pelo procedimento. Nesses casos, quem faz o parto é o plantonista ou a mulher precisa ser removida para outra unidade de saúde.
Deixo algumas dicas que podem ajudar na análise do profissional:
1)      Peça indicações de pessoas conhecidas que gostam e recomendam o profissional.
2)      Muitos médicos dizem que fazem parto normal, mas na hora não fazem. Se você prioriza um parto normal, procure indicações de pessoas que você conheça que tenham conseguido parir por essa via.
3)      Perceba como é o atendimento no pré-natal. Observe se o profissional é atencioso, interessado e cuidadoso. Um ponto importante: veja se ele te escuta e respeita suas preferências sobre o andamento da gravidez e parto.
4)      Você pode fazer uma pesquisa na internet para saber o que dizem sobre o profissional. Trabalhos, congressos e o próprio currículo podem estar online. Uma dica é usar a plataforma Lattes (um site que reúne o currículo de profissionais que são pesquisadores, formadores ou atuam em programas do Governo). É só digitar o nome do profissional e ver o que aparece. O link é: http://lattes.cnpq.br/

Maria Clara com o Papai Noel!

Eu amo acompanhar o crescimento dessas figurinhas, a Maria Clara agora pra variar, bateu mais uma foto linda que eu preciso postar aqui. Ela esta com 7 meses !!!
Quer lembrar de como essa boneca veio ao mundo? http://crisdoula.blogspot.com/2011/04/nasceu-maria-clara-em-um-lindo-parto-na.html
Parabéns Mamãe Mônica e Rafael pela linda menina!


Cris Doula!

Dia Internacional da Não Violência Contra as Mulheres - 25 de novembro

Recomendo a TODAS que leiam e participem desta pesquisa!!!! Parabéns Ligia pela iniciativa!!!


Dia 25 de novembro será o Dia Internacional da Não Violência Contra Mulheres. 
Aproveitarei essa data para lançar o convite à participação na pesquisa que estou desenvolvendo como parte do meu doutorado em Saúde Coletiva. 

Aí embaixo vai um texto explicando o que é essa pesquisa, o que ela visa estudar e como pretendemos que ela seja feita. Se você conhece uma mulher que tenha se sentido desrespeitada de alguma forma, no tratamento recebido em seu parto, por favor divulgue. Se você for essa mulher, conheça mais a pesquisa. 
Muito obrigada.

Existem formas de violência que vão além da força física e que, ainda assim, podem ser ainda mais agressivas, mais dominadoras, mais opressoras, pela sutileza com que se escondem no contexto institucional, nas relações sociais e nos significados simbólicos. É a ocorrência e a natureza de um desses tipos de violência, ou de práticas desrespeitosas, que ocorrem em instituições de saúde que queremos alcançar com esta pesquisa: a violência e o desrespeito vivido por mulheres em trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. Uma forma de violência que não é conscientizada como tal e que representa, de certa forma, um processo de dominação. Muitas vezes, atitudes de violência, desrespeito e maus tratos são observadas contra mulheres em trabalho de parto e parto sem ao menos que os profissionais de saúde percebam que estão agindo assim. São ações e condutas encaradas como “normais” e rotineiras. Essa violência pode ser expressa, de acordo com alguns pesquisadores, desde a negligência na assistência, discriminação social, violência verbal – tratamento grosseiro, ameaças, reprimendas, gritos, humilhação intencional – e violência física, até o abuso sexual. Outras pesquisas também incluem como um tipo de violência o uso inadequado de tecnologia, com intervenções e procedimentos muitas vezes sem a real indicação, resultando numa cascata de intervenções com potenciais riscos e sequelas, físicos ou emocionais.
Consideramos como formas de violência ou tratamento desrespeitoso, nesta pesquisa, todo e qualquer processo, de ordem física ou psicológica, que tenha ocorrido sem consentimento da mulher em trabalho de parto, parto e pós-parto imediato; que tenha ocorrido de maneira abusiva; que tenha causado situação de embaraço ou constrangimento para a mulher; que represente intrusão de privacidade; que tenha representado ameaças de qualquer espécie proveniente do profissional da saúde e dirigido à parturiente e/ou seus acompanhantes; uso de relações de poder para impor práticas injustificadas; uso de palavras ofensivas e desrespeitosas ou de ironia e escárnio dirigidas à parturiente e/ou seus acompanhantes; e outras práticas que tenham sido problematizadas pelas mulheres que viveram situações de violência, desrespeito ou maus tratos e interpretadas como tais pelas mesmas.
Uma pesquisa realizada em 2010 revelou que uma em cada quatro brasileiras relata ter vivido situações de violência e desrespeito em seus partos. Nós queremos ouvir essas mulheres, conhecer os contextos desrespeitosos de parto que viveram, saber como isso foi interpretado por elas, sua percepção desta vivência.  E vamos usar as ferramentas da internet para isso. As entrevistas serão feitas via comunicadores instantâneos da internet que permitam uma videochamada e se iniciarão no primeiro semestre de 2012. Acreditamos que a amplitude que a internet traz facilitará a participação de muitas mulheres, de diferentes locais, inclusive as que estão comprometidas com seus trabalhos ou filhos, ou os dois, que terão a liberdade de agendar as entrevistas de acordo com sua disponibilidade, sem ter que se deslocar a nenhum outro lugar.
O convite à participação na pesquisa será lançado a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência Contra as Mulheres, estendendo-se durante todo o desenvolvimento desta pesquisa, que pretende se encerrar em 2015. Nesse convite, mulheres que tenham se sentido desrespeitadas em seus partos poderão inserir seus e-mails de contato e serão contatadas para que maiores informações sobre a pesquisa sejam fornecidas. A pesquisa faz parte do desenvolvimento do doutorado em Saúde Coletiva de Ligia Moreiras Sena, que está sendo realizado na Universidade Federal de Santa Catarina, no Departamento de Saúde Pública.
http://www.cientistaqueviroumae.com.br/2011/11/dia-internacional-da-nao-violencia.html 

Cris Doula!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O que é aborto espontâneo?

Sempre recebo e-mail de gestantes ou tentantes que sofrem com os abortos, e muitas das gestantes que pariram comigo já passaram por essa experiência terrível. Saiba como ele acontece, seus sinais e sintomas.

Aborto espontâneo é o termo usado para a gestação que termina acidentalmente antes de completar 20 semanas. E isso é bastante comum. Estima-se que quase 20% das gestações não cheguem até o fim.

Geralmente, o aborto espontâneo acontece até a 12ª semana de gestação, quando os principais órgãos do bebê estão se desenvolvendo. Muitas vezes é tão precoce que ocorre antes mesmo da mulher descobrir que está grávida, sendo o único sintoma o atraso na menstruação.
A causa mais comum é a má formação do feto, ou seja, quando um defeito cromossômico impede o desenvolvimento do bebê. O aborto é a forma do corpo "decidir" por não levar adiante essa gravidez que não se desenvolve como "esperado".
A má formação do embrião pode acontecer devido à idade materna avançada, diabetes, disfunções da tireóide e do útero, uso de medicamentos, doenças infecciosas ou excesso de cigarro, álcool ou droga. Outra causa comum do aborto é a gravidez ectópica, quando o embrião se desenvolve fora do útero.
Muitas vezes a mãe se culpa por ter feito atividade física no início da gestação, por ter levado algum tombo ou por ter tido relações sexuais, porém, em princípio nada disso é considerado causa de aborto espontâneo.
O principal sintoma do aborto é o sangramento vaginal, que pode vir acompanhado de fortes dores abdominais e contrações uterinas. Em alguns casos, ao invés de sangue, a mulher elimina uma secreção, que indica que a bolsa se rompeu. Se expelir algum material sólido após esses sintomas, é importante colher o material para que o médico possa examinar. É possível ainda que o aborto aconteça sem sangramento ou dor e a mulher irá descobrir que a gravidez não está se desenvolvendo ao realizar os exames de pré-natal.
Ao observar qualquer sintoma é importante procurar um médico imediatamente (não adianta fazer buscas na internet e tentar consultas virtuais). Ele irá realizar exames para confirmar o aborto e verificar se há necessidade de realizar uma curetagem, caso o feto ou a placenta não tenha sido inteiramente eliminada. Muitas vezes, os sintomas podem ser apenas uma ameaça de aborto e se o médico agir rapidamente a gravidez poderá continuar.
A dúvida de muitas mulheres é se após sofrer um aborto espontâneo irão conseguir engravidar normalmente. Provavelmente sim. Sofrer um aborto não significa que as futuras gestações não vão se desenvolver até o fim. A única orientação é que esperem de três a seis meses até engravidar novamente para que o corpo possa se restabelecer.
Se o aborto espontâneo se repetir por três vezes consecutivas ele é considerado um aborto habitual e é indicado que se investigue a causa para poder tratar o problema.
Um cuidado que a gestante pode tomar para evitar um aborto espontâneo é fazer exames antes da gravidez. O ginecologista poderá detectar problemas hormonais e infecções virais que podem impedir que a gravidez se desenvolva normalmente. Se a mulher estiver saudável, o medico irá prescrever ácido fólico, que ajuda a evitar a malformação do feto.
Do ponto de vista psicológico, o aborto espontâneo deve ser encarado pela mulher com naturalidade e ela deve confiar que as chances da próxima gravidez ocorrer normalmente são grandes. Antes de fazer novas tentativas, é importante se recuperar emocionalmente da perda do bebê. Conversar com outras mães que passaram por isso e hoje têm filhos pode ajudar a mulher a ganhar confiança, esquecer o episódio e perder o medo de encarar outra gravidez.

Relato de um parto nada agradável!

Olá Cris, meu nome é R. tenho 32 anos e dei a luz a meu primeiro filho sem setembro 2011.
Escolhi uma maternidade que disseram-me que era um local que priorizava o parto humanizado. Realmente para alguns médicos isso deve ser uma verdade. Tive o prazer de conhecer dois deles pessoalmente, um deles inclusive me atendeu na segunda-feira dia 12 (dois dias antes do F. nascer), na ocasião eu estava com um pouquinho de dor no baixo frente e 1 dedo de dilatação. 

Ele me explicou que a dor era porque o bebê faz pressão no final da gravidez e que a dilatação não era indicativo de que meu bebê iria nascer naquele momento mas que qualquer hora era hora, eu restava com 37semanas e 6 dias. Ele foi um amor, me acalmou inclusive aconselhou-me olhar teu blog.

Fui para casa feliz da vida, mais segura agora é esperar pelo F.
Bom para minha surpresa o F. tinha pressa e na terça dia 13 lá pelas 19 hs comecei a sentir a tal dor uma pouquinho mais forte e em intervalos regulares de 1 hora. Quiz ir a maternidade pq moro no Rio Vermelho e a distância me deixava bem ansiosa.

Esperei um pouco e lá pelas 21:30hs resolvi ir acompanhada de meu marido e meus pais, as dores aconteciam de 30 em 30 minutos.
Naquela noite de plantão estava o Dr. X, ele me examinou e disse que não era trabalho de parto, que eu não tinha dilatação e que minha barriga não ficava dura, era cólica devido a gases. Me mandou tomar buscopan e ir para casa. Gente eu moro no Rio Vermelho!!!! Me apavorei! Fui embora e no caminho tive que para o carro 5 vezes para descer e caminhar.

Em casa tentei me acomodar na cama e nada de a dor abrandar, pelo contrário agora era mais forte e acontecia a cada 10 minutos. Que dor é essa pensei????? O que está acontecendo comigo????? Será que vou perder meu bebê???? Estava aterrorizada!!!!! Liguei para a clínica e o Dr X me mandou tomar mais um buscopan!!!! Pode?! A dor aumentou muito e as 2 da manhã resolvi por conta ir a clínica. Pensei que fosse ter o bebê no carro! A dor vinha a cada 3 minutos. O Rio Vermelho é longe demais!!! Socorro!!!!!
Cheguei apavorada e o mesmo médico também se apavorou ao ver que eu estava praticamente dando a luz!

Fui para a sala de parto e lá tudo aconteceu da pior maneira possível. Nenhum carinho, nehuma palavra doce! Somente ouvia do médico o seguinte: ''Vamos colocar este bebê para fora porque uma cesariana a esta altura vai ser um horror! Vc está fazendo a força errada! Vai, ih esta força não valeu de nada!" Quando eu finalmente acertei fazer a tal da força e o Francisco apontou ainda tive que ouvir: "nossa que tesoura ruim, não corta nada" (claro, ele fez uma episiotomia). Socorro!!!

Tirei força lá de dentro e expulsei o F.! Que alivio, que felicidade!
Infelizmente um parto que poderia ter sido maravilhoso (afinal foi um parto natural que evoluiu em pouco tempo, pouco mais de 4 horas da dor intensa à dar a luz) não foi: passei por um estresse imenso (tive medo de morrer e perder meu bebê), meu bebê sofreu um tantinho (apgar 6/9), meu marido não cortou o cordão (sequer perguntaram se ele gostaria)....
 F. nasceu com 3.4Kg e 49cm e que é um bebê lindo, saudável e que enche a minha vida de alegria!!!!! '' 

Estou contando isso para você porque li no teu blog que teu parto traumático te levou a querer ser doula. Realmente quando passamos por uma experiência ruim num momento tão lindo querer ajudar as outras mulheres é um sentimento que vem com muita força. Fiquei com muita vontade de ser doula (risos).

 A doula é com certeza um anjo de guarda que zela com amor pelo bem estar da futura mamãe.
Parabéns pelo trabalho.
Desejo de coração muitos partos de sucesso!
Fica com Deus!
Um abraço carinhoso da mulher, mãe e quem sabe um dia doula....
R.

Querida R, espero que colocar isso para fora possa te ajudar a curar este trauma, lamento muito que isso tenha acontecido com você!!!!
Por favor, sempre que precisar desabafar pode falar comigo, e com certeza acabaremos nos conhecendo pessoalmente. Quem sabe, serás minha parceira no futuro? ;)

Ela agradeceu em especial as Téc. Enfermagem da maternidade, que foram maravilhosas com ela.

Relato postado com autorização e a pedido da autora.

Mil Beijos

Cris Doula!
 

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Eu Acredito!!

Eu acredito em você, acredito na força do seu corpo, da sua natureza. Se você foi capaz de gestar, vencendo as raras estáticas que fazem acontecer a vida humana, você tem plena capacidade de parir. Eu acredito em você e torço para que esqueça as dores dos outros, as experiências alheias, as referências de dores do mundo. Esqueça os diagnósticos médicos que tentam exaltar sua incapacidade.

Eu acredito em você e mais ainda que você deseja ardentemente o melhor para si e para seu bebê. Eu acredito que você espera que sua natureza trabalhe e que você sinta, como um corpo no oceano, que se aproxima de uma praia paradisíaca. A cada onda você se aproxima. E quando estiver mais perto do continente, a maré ficará mais forte. Simplesmente solte seu corpo e confie na força da natureza. Ela é você.

Ao invés de pensar no que pode falhar, não dar certo, do que está fora dos protocolos, pense no evento do nascimento como uma festa. Prepare uma deliciosa mala de comida, com aquilo que você quer eternizar em sua memória. Lembre que mesmo sem lucidez você lembrará do nascimento de seus filhos com uma riqueza de detalhes impressionantes.

Pense nas músicas que você quer ouvir durante sua viagem ao seu interior. Sim, vivenciar o parto é mergulhar dentro de si e nesta floresta escura e desconhecida, viver a mais fantástica aventura espiritual e humana. Escolha sua trilha sonora. Se você canta, ensaie para seu filho. Cantar ajuda a aliviar as tensões, a relaxar o assoalho pélvico e faz a dor ficar bem mais amena. Se seu marido toca viola, escolha canções para ele cantar para você. Façam um lindo dueto como o fizeram quando colocaram esta alma neste mundo.

Escolha um lugar que você se sinta bem para receber esta vida. E mais ainda, aonde você tem poder de negociar, de escolher o que comer, o que ouvir, onde sentar ou caminhar. Escolha, sobretudo, um lugar onde olhem para você não como uma bomba relógio a explodir a vida, mas como um corpo sagrado que é capaz de parir divinamente.

Escolha pessoas que acreditam em você, que acreditam em sua natureza de fêmea, de mulher, na força do feminino. Essas pessoas lhe darão fé para continuar, para lembrar a razão de suas escolhas. Escolha alguém para segurar em suas mãos, olhar nos seus olhos e dizer: Estamos quase lá, você está indo muito bem.

Escolha por um ambiente que seu filho seja tratado com amor, que possa ficar mais tempo possível com você e de preferência, que não se separem nem por um momento. Opte por um lugar que você pode negociar protocolos com a pediatria. Se informe sobre tudo possível e se precisar, peça ajuda para pessoas que já passaram pela experiência e conhecem de perto o modelo obstétrico e pediátrico.

Faça do momento de nascer uma celebração da vida, uma grande festa, com música, boa comida, boas lembranças e boas companhias. Não permita que um penetra estrague sua festa e roube sua cena. Tenha fé naquilo que trouxer mais luz e conforto ao seu coração, porque a fé cria uma possibilidade incrível de fazer as coisas darem certo. Não falo em fé religiosa somente, falo da fé em si mesma, na força da natureza, na certeza de que somos perfeitas para gestar e parir.

Lembre-se: nunca é tarde para mudar. Enquanto o bebê estiver aí na barriga há a chance de escrever um novo fim. Eu mudei com 37 semanas. Até no dia do nascimento mudar é possível. Prepare o nascimento como quem faz uma celebração. Eu acredito na força da vida e tenho certeza que você também.

Por Kalu Brun 
http://crisdoula.blogspot.com/2010/07/eu-acredito.html

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Fotos da Palestra da loja Eco moda para crianças!







A próxima será na primeira semana de Dezembro, se tem interesse envie um e-mail para ecomodaparacriancas@gmail.com e garanta seu lugar, vagas limitadas!!!!!!!


Cris De Melo
Doula!

Deixe-me vir...

Estou pronto para chegar, logo você vai sentir o seu corpo mudar e os meus sinais. Não tenha medo mamãe, tudo vai acontecer devagar para que você se acostume com as mudanças, lentamente seu corpo fará tudo o que precisa e eu vou ajudar. Estamos juntos nessa viagem, e juntos vamos conquistar essa grande vitória. Tenha calma, me espere, descanse, durma, coma e deixe fluir. Faça o que o seu corpo pedir e não pense em nada, ouça as mensagens que eu mando, só você pode entender. Em breve você vai me sentir chegando, descendo e girando, não tenha pressa e respire, estou chegando. E se começar a perder o controle, lembre-se que tudo isso é natural e que logo estarei em seus braços, em breve vamos iniciar mais uma linda etapa de nossas vidas. Deixe-me vir mamãe, estou quase chegando.


Por Cris Doula

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Atraso no corte do cordão umbilical previne problemas na infância!

Rafaela e Rafael abraçando o filho Lucca!

Um estudo sueco, publicado pelo “British Medical Journal”, revelou que, atrasar o corte do cordão umbilical no parto, reduz o risco de carência de ferro na infância. 

São cada vez mais as mães que, no parto, pedem para atrasar o corte do cordão de forma a permitir que uma maior quantidade de sangue da placenta seja transferida para o bebé. Vários estudos, conduzidos anteriormente, garantiram que o procedimento é seguro e os investigadores  salientam que passará a ser integrado na rotina dos partos.
A falta de ferro no organismo, prevenida com o atraso do corte do cordão umbilical, pode originar algumas deficiências motoras e um fraco desenvolvimento cognitivo, segundo conclusões dos especialistas suecos.

Em 2006, nutricionistas da Universidade de Davis, na Califórnia, tinham chegado à mesma conclusão, após um estudo que atrasava o corte do cordão em dois minutos. 

Na altura, a investigadora responsável, Kathryn Dewey, salientou que, apesar de ser uma das grandes preocupações nos países menos desenvolvidos, a carência de ferro era, também, preocupante nos países industrializados, como os Estados Unidos, em especial para bebés com menos peso ou nascidos de mães com a mesma carência.

O estudo sueco foi aplicado em 400 bebés cujos cordões foram cortados com diferenças temporais entre os dez segundos e os três minutos após o nascimento. Quatro meses depois, os investigadores mediram os níveis de ferro e concluíram que os bebés cujo corte do cordão foi atrasado, registavam níveis de ferro mais elevados. 

Em termos proporcionais, isto significa que em cada 20 bebés com atraso de três ou mais minutos no corte do cordão, regista-se apenas um caso de carência de ferro. Além disso, não se verificou nenhum aumento de outras possíveis complicações que os especialistas julgavam estar relacionadas com o procedimento, como a icterícia.
Ola Andersson, do serviço de Neonatologia do Hospital de Halland, na Suécia, referiu, citado pelo jornal “The Telegraph”, que “a carência de ferro, mesmo sem anemia, tem sido associada com alguns problemas de desenvolvimento nas crianças”.

Patrick van Rheenen, consultor de Pediatria na Universidade de Groningen, na Holanda, explica que existem provas suficientes para aplicar este procedimento na rotina dos partos sem complicações. 

O especialista referiu que “o equilíbrio entre os riscos maternos e os benefícios infantis do atraso do corte do cordão, claramente beneficiam a criança” e questionou: “Quantas mais provas são necessárias para convencer obstetras e parteiros que é bom esperar três minutos pela transferência de sangue da placenta?”. Catarina Navio

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Massagem Perineal, Como fazer e Porque!!

Um dos assuntos da palestra realizada hoje na loja ''Eco moda para crianças'' foi a massagem perineal, e aqui vai o passo-a-passo de como realizar a massagem.


Qual o Objetivo?Reduzir as lacerações tem sido alvo de muitos estudos. Vários estudos descobriram que a massagem do períneo nas últimas semanas de gravidez pode reduzir as lacerações durante o parto. Esta massagem – feita com dois dedos que irão ajudar a dar maior flexibilidade aos tecidos – é feita por si própria, em casa, uma ou duas vezes por dia, nas últimas 4 a 6 semanas de gravidez.

Como fazer?? - Encontre um lugar onde se possa sentar e estar sozinha, ou com seu parceiro, ininterruptamente.

- Tente ver seu períneo com ajuda de um espelho, note como ele é. Nem sempre será necessário um espelho para essa tarefa;
- Pode usar compressas com toalhas mornas no períneo por 10 minutos, ou tomar um banho morno (de banheira, assento, ou chuveiro, em último caso), caso precise relaxar;
- Lave as suas mãos e peça ao seu companheiro para fazê-lo também, caso ele a ajude nas massagens;
- Lubrifique seus dedos polegares e o períneo. Você pode usar muitos tipos de lubrificantes: Gel Lubrificante Íntimo (encontrado nos hipermercados e farmácias), KY Gel®, óleo de vitamina E, óleo vegetal puro (óleo de semente de uva é uma boa indicação!);
- Coloque seus dedos polegares um pouco dentro de sua vagina, empurre-os para baixo e pressione para os lados. Deve sentir um leve estiramento, formigamento, ou uma leve queimação, mas nada que seja dolorido. Mantenha esse movimento por 2 minutos ou até que região fique levemente adormecida;
- Se sofreu uma episiotomia ou lacerações prévias, preste especial atenção ao tecido de cicatrização que, geralmente, não é tão elástico e é onde a massagem deve ser feita mais intensamente, com cuidado;
- Massage em volta e por dentro da região mais externa da vagina e seus tecidos, onde ela se abre, e mantenha sempre a lubrificação;
- Use seus polegares para puxar um pouco os tecidos, forçando-os a abrirem-se, imagine como seria se a cabeça do seu bebé estivesse fazendo esse movimento na hora do parto.

ATENÇÃO:

1. Evite mexer no ou abrir o orifício da uretra (logo acima da vagina) para evitar infecções urinárias.
2. Não faça massagens no períneo se você tiver lesões ativas de herpes (isso pode causar o aumento da área das lesões).
3. Pode começar essas massagens em torno da 34a semana de gravidez. Se já passou da 34a semana e ainda não começou, não desista! A massagem pode trazer-lhe benefícios ainda assim. Pode fazê-la pelo menos uma vez por dia.
4. Lembre-se que a massagem sozinha não vai proteger seu períneo, mas ela é parte de um grande esquema. Escolher uma posição vertical para parir (de cócoras, de joelhos, sentada etc.) favorece a distribuição de pressão no períneo. Se escolher parir deitada de lado, isso também reduz muito a pressão no períneo. Deitada de costas, totalmente na horizontal, é a posição para parir em que há mais chances de se provocar lacerações e necessidade de episiotomia.

Fonte: http://pregnancy.about.com/library/weekly/aa103199.htm

Cris de Melo
Doula
(48) 9168-0506/
cris.sofia20@hotmail.com


terça-feira, 15 de novembro de 2011

Matéria sobre Parto Humanizado com Cris Doula!



Essa foi a matéria que gravei na sexta-feira passada e foi exibida ontem no canal TVN!!!!

Espero que essa matéria mude um pouco o conceito que as mulheres tem sobre o parto natural e a cesárea.
Lembre-se, cesárea é cirurgia, só faça uma se for necessário!!!!

Cris De Melo

Doula!

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Parto é coisa de pobre? Sério?




Muitas pessoas ainda fazem comentários como do título, que parto é coisa de pobre e que a cesárea é moderna, chique e está na moda. Eu adoro um seriado que segundo o meu marido, é um seriado fútil, chamado '' The Kardashians'' e a quase 2 anos atrás eu assisti o episódio em que uma das socialites dá a luz, em frente as câmeras. Esse vídeo mostra quando a bolsa dela rompe, ela tomando banho e se maquiando para ir para maternidade, tudo com muita calma. E mostra ela parindo, e inclusive pegando o Bebê que só havia saído pela metade e colocando em seu colo.


Claro que poderia ter sido melhor, mas isso não era culpa dela, é simplesmente como funciona nos Estados Unidos ( a posição, a força induzida, a analgesia de rotina, ocitocina, etc). Kourtney, sou sua fã!
Como hoje lembrei deste parto, resolvi compartilhar com vocês.

Espero que gostem!



Cris De Melo
Doula!

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Programa ''Você precisa saber'' sobre partos e a função da doula com Cris Doula!

Semana passada recebi uma ligação da Elisa do programa ''Você precisa saber'' sobre a possibilidade de gravarmos uma matéria sobre o papel da Doula, partos e por quê o parto natural deveria sempre ser a primeira opção. O pessoal da produção já tinha entrado em contato comigo a uns meses, mas eu não tinha conseguido me organizar, e desta vez deu tudo certo, e gravamos aqui em casa.


Foi muito gostoso e vai ao ar na segunda-feira dia 14 de novembro ao meio-dia, só para quem tem NET, quem é de Florianópolis é o canal 13 e quem mora em São José o canal 10. Além da entrevista, da simulação de partos, materiais que levo para o partos, mostraremos também alguns vídeos de partos acompanhados por mim e fotos exclusivas.


O programa terá reprise as 18 horas de segunda-feira e a meia-noite.
Obrigada ao pessoal do programa pelo convite e paciência !!


Não percam!!!

Cris De Melo

Doula!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Encontro Parto Domiciliar - NOVEMBRO‏


 Algumas pessoas já me perguntaram por que posto no blog sobre os encontros do Hanami, se faço parte da equipe, e por que divulgar o trabalho delas.
A resposta é simples, não faço parte da equipe de parto domiciliar (por enquanto), mas sinto que todos nós profissionais que lutamos pelo parto humanizado fazemos parte de uma mesma equipe. Já tive o imenso prazer de acompanhar um parto com elas, admiro e respeito esse trabalho único e especial. É por isso que divulgo e incentivo o parto domiciliar e claro, com o Hanami.

Cris De Melo
Doula!

Está grávida e a procura de um obstetra humanizado?

Toda semana recebo e-mails de gestantes em todas as fases da gestação, pedindo por indicações de obstetras que eu gosto e confio. A escolha pelo obstetra certo é muito pessoal pois cada pessoa simpatiza diferente com a outra, mas o fundamental é saber se este profissional segue realmente a linha do parto humanizado, que respeita as escolhas da mãe, que não usa procedimentos de rotina,que não intervém sem real necessidade entre outros. Felizmente temos obstetras maravilhosos em Florianópolis que seguem essa linha, só basta achar qual você se sente mais confiante.

Quem quiser tirar dúvidas comigo sobre o seu obstetra ou quiser informações de obstetras parceiros com quem trabalho e que indico, pode enviar um e-mail para cris.sofia20@hotmail.com que respondo no mesmo dia.

Se você não for de Florianópolis a minha sugestão é que procure uma Doula em sua cidade, Doulas são as melhores pessoas para indicar médicos e pediatras, pois elas conhecem muito bem essses profissionais. 
Site: www.doulas.com.br/novo

Além de tudo isso temos um teste muito divertido que pode ser usado no pré-natal, algumas perguntas simples que mostram se o obstetra está dentro do que você deseja: http://crisdoula.blogspot.com/2010/10/teste-seu-medico.html

É fundamental para o sucesso do parto, ter um médico em que você confie, um obstetra que realmente acredita no parto natural, então invista nesse momento em todos os sentidos!

Cris De Melo
Doula!

domingo, 6 de novembro de 2011

Toque vaginal: faça você mesma!

Na Foto Andreza que se tocava e me avisava o quanto Alice estava perto de nascer!
Achei esse post por acaso no Facebook, e achei muito interessante justamente porque quando eu estava grávida, realizava exame de toque em casa, no chuveiro. E depois disso virou praticamente uma rotina, diariamente no banho na higiene íntima sinto o colo do útero e suas alterações, sei quando estou ovulando, quando estou quase menstruando etc. Depois no curso Téc Enfermagem aprendi a realizar o exame mais complexo por pura curiosidade, já que não basta saber apenas a dilatação e sim a posição da cabeça do bebê, alterações no colo, posição da placenta e/ou bolsa, posição do bebê etc. No período expulsivo no hospital eu e médicos parceiros sempre incentivamos a parturiente a tocar a vagina e sentir a cabeça do bebê, é uma experiência muito emocionante para elas. Apenas uma dica a quem quiser tentar em casa: use uma luva de procedimento, mesmo com a limpeza das mãos, bactérias podem se alojar embaixo das unhas aumentando risco de infecções.
 
O post de hoje foi um pedido da Flaviana, que gostaria de aprender a fazer o toque vaginal para saber a progressão da dilatação durante o trabalho de parto.

Primeiro quero ressaltar que toda mulher pode e deve se tocar! E quando digo se tocar, digo em sentido amplo, em todas as fases da vida, para conhecer seu corpo, descobrir seu sexo, se dar prazer, reconhecer seu ciclo e suas mudanças hormonais.

O toque vaginal com o intuito de avaliar o colo do útero pode ser aprendido antes da gestação, durante a gestação, ou até mesmo durante o trabalho de parto!

Perceber as modificações que ocorrem no colo uterino e no muco cervical durante o ciclo menstrual, pode ajudar a mulher a distinguir seus dias férteis.

Conhecer seu colo do útero durante a gestação permite identificar as mudanças que sinalizam o amadurecimento e a dilatação cervical, que algumas vezes precedem o trabalho de parto e outras vezes só acontecem depois de iniciado o trabalho de parto.

Então vamos lá, mãos à obra!

As instruções iniciais são exatamente as mesmas da massagem perineal e também pode ser feito em conjunto com seu parceiro, que ao aprender o toque vaginal poderá partilhar com você outras percepções.

- Encontre um lugar onde você possa ficar sozinha, ou com seu parceiro, ininterruptamente.
- Ache uma posição confortável e que você tenha maior alcance a sua vagina. Uma dica é fazer flexão de tronco (curvar-se a frente ou ficar de cócoras), pois diminui a distância entre sua mão e sua vagina.
- Lave suas mãos e peça ao seu companheiro para fazer o mesmo, caso ele vá lhe ajudar.
- Lubrifique seu dedo indicador e médio. Você pode usar vários tipos de lubrificantes: gel a base de água, óleos vegetais, óleos minerais, etc.
- Coloque seus dois dedos dentro vagina e devagar vá deslizando-os em direção ao fundo da vagina, até encontrar o colo do útero.


- O colo do útero é uma estrutura proeminente e arredondada, com consistência parecida com a ponta do seu nariz. Geralmente, encontra-se em posição posterior, isto é, voltado para trás, em direção ao ânus. Em seu centro pode ser sentido um pequeno buraquinho, que permanece fechado durante toda a gestação (imagem acima).
- Durante o trabalho de parto o colo uterino se centraliza em relação ao canal de parto (vagina) e sofre duas modificações: o esvaecimento e a dilatação.
- O esvaecimento e a dilatação são independentes entre si, um pode ocorrer antes do outro ou ambos podem ocorrer simultaneamente.
- O esvaecimento ou amadurecimento ou apagamento cervical começa com a mudança de consistência, o colo uterino se torna macio, parecido com seu lábio. A seguir vai encurtando, se tornando menos proeminente, até ficar completamente plano e bem fino como uma membrana.


- A dilatação cervical é a abertura do colo do útero (imagem acima). O pequeno buraquinho no centro do colo começa a se abrir e conforme vai se abrindo pode ser medida a dilatação introduzindo inicialmente a ponta um dedo (± 1cm). Com a evolução da dilatação é possível colocar os dois dedos e a partir daí se mede sempre com esses dois dedos. Ao colocar os dois dedos você deverá abri-los o máximo possível e tentar perceber exatamente a posição/distância em que eles ficaram. Ao retirar os dedos, reproduza a posição/distância percebida e meça numa régua quantos centímetros tem da parte externa do dedo indicador até a parte externa do dedo médio (é medido por fora dos dedos). Deve ser medido numa régua, pois a largura dos dedos varia de pessoa para pessoa.
- A dilatação total é padronizada como 10cm. Porém na prática, para que haja o parto, considera-se a dilatação total quando no toque não se sente mais nada do colo, apenas a cabeça do bebê.
- Se a dilatação começar antes do colo se apagar, você poderá sentir a proeminência do colo, isso é chamado de rebordo de colo. É uma situação comum, que geralmente se resolve sozinha com o avanço do trabalho de parto.
- É comum o esvaecimento e/ou dilatação começar dias ou até mesmo semanas antes do parto, sem que isso signifique trabalho de parto iminente.
- Como é comum também o trabalho de parto se iniciar sem nenhuma mudança no colo e todo o processo de esvaecimento e dilatação ocorrerem durante o mesmo.

Por fim, cabe lembrar que cada mulher e cada parto são únicos, e que conhecer a dilatação não quer dizer muita coisa sobre a duração do trabalho de parto. Digo isso, pois tem mulheres que ficam doze horas para dilatar 2cm e depois dilatam os outros 8cm que faltam em duas horas, como tem também mulheres que após completarem a dilatação total ficam muito mais de duas horas até sentir os puxos do expulsivo – esses exemplos são para mostrar que cada caso é um caso, não tem fórmula, receita, padrão, tudo é relativo!

http://www.gestarpariramar.com/2010/11/toque-vaginal-faca-voce-mesma.html