quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Relato do nascimento do Pedro escrito pela mamãe!


Na terça de manhã (12/07), fui trabalhar normal, á tarde peguei folga, minha avó também estaria indo embora naquele mesmo dia, um pouco antes de ela ir, senti um contração forte e dolorosa, mas nem falei nada, não queria preocupar ela, pois não tinha certeza do que era! Fiquei a tarde toda em casa, tentei tirar um cochilo, mas sentia que alguma coisa me incomodava, o endurecimento da barriga tava cada vez mais freqüente, mandei uma mensagem pro meu marido, dizendo que estava com contrações, mas que ainda tava tudo tranqüilo, que qualquer coisa eu avisava ele.


 Os incômodos foram se tornando cada vez mais freqüente, e quase perto das 6 da tarde, mandei uma mensagem pro meu marido vir pra casa, ele chegou todo apavorado em casa, achando que eu já tava ganhando, rsrs, foi engraçado! Contei pra ele toda a situação, ele ainda ficou meio em dúvida, pois eu demonstrava estar super bem, ele ficou um pouco sentado no sofá só me observando, recolhi as roupinhas do baby e comecei a dobrar, enquanto isso as contrações vinham e eu tinha que parar e me concentrar, pois o desconforto estava muito grande. 



Foi então que meu maridou achou melhor ligar para a Cris (doula), ele conversou com ela, explicou o que estava ocorrendo, e ela pediu para ele começar a cronometrar as contrações e depois passar para ela, ela falou comigo, perguntou como eu estava e tal, eu estava tranqüila! Eu avisava ele quando começava e quando terminava, ele foi cronometrando, até planinha no Excel ele fez tudo bem bonitinho e organizado, acho que ficamos mais ou menos uma hora cronometrando! Ele ligou para a Cris e passou tudo certinho pra ela, ela falou com ele e depois falou comigo novamente, me disse que era trabalho de parto, pois os intervalos das contrações estavam sempre em menos de 5 minutos, pediu para que eu e meu marido comesse alguma coisa, tomassem um banho e fossem descansar, pois eu ia precisar estar bem descansada;) rsrs, qualquer coisa eu ligasse pra ela!

 No banho, consegui relaxar bastante, e meu marido me ajudava fazendo massagens! Quando sai do banho, veio uma contração e correu um líquido, logo falei pro meu marido “amor acho que a minha bolsa estourou, mas não tenho certeza, pode ser xixi” hahahah, ele ficou olhando pra mim, nisso veio outra contração e mais líquido, ele resolveu ligar para a Cris! A Cris pediu para que eu botasse um pano, pois ela estava indo para lá e quando ela chegasse verificaria se era liquido da bolsa mesmo! Acho que ela demorou uns 30 minutinhos, e lá estava a Cris, toda empolgada, ela verificou o liquido, e sim , era a bolsa que havia estourado!

 Eu e meu marido entramos em pane, rsrs, bom nele foi mais intenso NE amor? Ele não conseguia acreditar que havia chegado a hora, pois na verdade ainda não era a hora certa! Minha preocupação também era que ele seria prematuro, fiquei com medo das conseqüências da prematuridade, mas tirando isso eu estava super tranqüila. Ela pediu que eu entrasse em contato com o Dr.Fernando, enquanto ela arrumava a bolsa do bebê e meu marido arrumava a minha!Meu marido ainda estava em choque, mal conseguia arrumar a mala, mas com a minha ajudinha, finalmente a mala estava pronta! Contato feito com o Dr. Fernando, ele conversou com a Cris e orientou-a que fossemos pro hospital, porque de qualquer forma eu teria que tomar antibiótico, pois eu não havia feito o exame de streptococos, só para prevenir. 

Chegamos na Clínica Ilha por volta da meia noite, fizemos o procedimento de internação, e passei por uma consulta com a plantonista, ela fez os procedimentos necessários, lá estava eu com 2 cms de dilatação e 70 % do colo do útero apagado,  Cris me olhou e disse que era assim mesmo, pois estávamos no começo, agora era trabalhar pra dilatar mais. Fomos para a sala de parto ( a única disponível na noite pois a maternidade estava lotada ), nos instalamos e logo já comecei a receber o antibiótico e eu e meu marido aproveitamos pra namorar, dançar um pouco, foi muito bom me ajudou a relaxar bastante, eu também estava com fome, então me deram um lanchinho leve. 

A Cris também já foi me orientando a ficar bem vontade, tirei a blusa e fiquei de top, ela me aconselhou o chuveiro e bola, fiquei no chuveiro na bola por mais ou menos 1 hora , depois com a autorização do Dr. Fernando fomos caminhar na garagem da maternidade, caminhava , parava quando vinham as contrações, respirava fundo, e continuava caminhando, meu marido e a Cris estavam sempre ao meu lado, me dando a maior força, ficamos por mais de meia hora caminhando, depois de volta ao quarto, eu estava com sono, a Cris apagou a luz e botou uma musica de fundo e eu deitei um pouco, meu marido também aproveitou para descansar, bom não consegui ficar deitada, os desconfortos eram muito, levantei e fiquei sentada na bola fazendo exercícios, nisso o Dr. Fernando chega, com todo o seu carinho e dedicação pergunta como andam as coisas, e faz um exame de toque, para o meu desanimo 2 cms de dilatação ainda, fiquei um pouco triste, pois depois de tantos exercícios e empenho , só 2 cms ainda, ninguém merece! 

A Cris , com todo carinho, me animou, dizendo que era assim mesmo, perguntou pra mim o que eu gostaria de fazer, preferi ir pro chuveiro novamente, era aonde eu mais conseguia relaxar, aliviava muito as dores, fui pro chuveiro, meu marido fazia massagens quando as contrações vinham, namoramos mais um pouco, nos curtimos e ele resolveu ir descansar um pouco, então a Cris ficou comigo . Consegui relaxar muitooooo no chuveiro, as contrações foram ficando um pouco mais distantes, e eu cheguei a dormir debaixo do chuveiro, foi então que a Cris perguntou se eu não queria sair e ir me deitar um pouco, aceitei, botei o roupão e me deitei na cama, mas não adiantava, deitada não dava, então fiquei sentada na bola e deitei no colo do maridão, consegui dormir um pouco, foi aplicado mais uma dose de antibiótico, e fiquei ali descansando, dormindo, por volta das 5 da manhã, o Dr. Fernando veio novamente e fez outro exame de toque, e ainda 2 cms de dilatação, os batimentos do bebe estavam ótimos, mas meu colo do útero não estava querendo dilatar, foi então que o Dr. sugeriu a ocitocina, eu olhei pra Cris, perguntei o que ela achava, pois ocitocina é uma intervenção , e como não era o que eu havia planejado, fiquei insegura mas depois de tantas horas, muito cansaço e nenhum progresso , em equipe concordamos com a ocitocina, logo após as contrações começaram a ficar mais intensas e dolorosas, respirava fundo quando elas vinham, estava com muito sono, e tentava de todas as maneiras achar uma posição confortável para que eu pudesse ficar, fiquei sentada na bola e me debrucei na cama, dormi mais um pouquinho, a Cris botou bolsa térmica, pra aliviar mais as dores.

 As dores começaram a aliviar, as contrações começaram a se distanciar novamente, por volta das 7 da manhã, nada havia mudado, o Dr. Fernando conversou com a gente e sugeriu a analgesia, em tentativa de o colo do útero relaxar e assim dilatar, eu por fim, já cansada, ansiosa, triste, comecei a chorar, chorei muito, de soluçar, o Dr. Fernando sentado na minha frente, junto com a Cris e meu marido, me perguntou o que eu estava sentindo, eu disse que estava muito triste, pois não estava acontecendo nada do que eu havia planejado, o meu tão sonhado parto natural, sem intervenções nenhuma, estava indo pro brejo, estava me sentindo uma fracassada. Eles com todo carinho, me mostraram que tudo que podíamos fazer ia ser feito, e para mim ter chegado até ali, eu já era uma guerreira, pois em nenhum momento eu jamais desisti do parto normal, pois sabia que era o melhor, para mim e para o bebê, mas naquela hora, já era hora de tentar mais uma intervenção, pois já haviam se passado horas, e o Pedro era prematuro, apenas 35 semanas e 4 dias, então com todas as palavras de conforto que me disseram, eu concordei com a analgesia!  

O Anestesista veio até o quarto, depois de várias picadas até a anestesia pegar, fiquei tonta, enjoada, me deitei um pouco, me deu um pouco de dor de cabeça, enfim, varias sensações ruins depois daquela anestesia, meu marido foi tomar café e a Cris ficou comigo, depois quando ele voltou, foi a vez dela. Quando ela voltou, vi ela, o Dr. Fernando e meu marido conversando na porta, eles entraram e junto conversaram cmg, O Dr. Fernando disse que nada havia mudado, e agora tínhamos que pensar na segurança do bebe, e o melhor era a cesárea, já tínhamos feito tudo, agora só nos restava a cesárea, isso era por volta 8.30 ou 9 horas ( a gente não se liga muito em horário nesse momento), eu como estava muito exausto, tinha sido uma longa noite, depois daquela analgesia, me senti sem forças, fiquei mal, não conseguia mais ir em frente, e também a preocupação com o bebe era grande, optei também pela cesárea, o Dr. disse que quanto o Pedro estivesse nascendo, ele faria algo diferente, abaixaria o pano azul da minha frente para que eu pudesse ver ele nascer.

 Com aquela decisão, começaram os preparativos, a Cris foi se trocar, e meu marido aguardar para que quando estivesse tudo pronto chamassem ele para assistir, me levaram para o centro cirúrgico, a equipe foi muito prestativa, me deixaram bem tranqüila, me deitaram na cama, e foram preparando tudo, inclusive começaram a me dopar, hahaha, depois de aplicado os anestésicos,  senti muitooo enjôo, me deram remédio pra aliviar, mesmo assim ainda estava muito forte, e me deram mais uma dose de remédio, nessas alturas já não sentia mais minha perna, meu marido já estava sentado ao meu lado, segurando a minha mão, e a Cris sentada mais atrás, tirando fotos, ahh senão fosse a câmera dela, pois esquecemos a nossa, hahaha... Quando o Pedro estava prestes a nascer ( 9:54 am), baixaram o campo azul para que eu visse, e lá nasceu o nosso Pedrinho, foi muito emocionante ver o meu pequeno nascer, logo trouxeram para eu beijar e o levaram para os procedimentos normais e meu marido foi junto.

 Meu marido voltou logo depois, disse que ele tinha nascido com 2.745kg e 46 cm, mas senti que ele estava apreensivo e abalado, a pediatra veio até nós, eu perguntei cadê o meu filho, eu quero ver ele, mas ela logo respondeu que aonde ele estava não deu pra passar na porta pra ela levar ele lá, eu não entendi, mas então perguntei se ele estava bem, ela me disse que sim , mas que ele estava indo para neonatal para alguns cuidados. Os procedimentos em mim terminaram, a Cris se despediu, coitada ela estava super cansada, e tinha que ir pra casa descansar NE, o Dr. Fernando também se despediu e então me levaram para a recuperação. 

Meu marido ficou comigo, eu estava ainda dopada, estava com muito sono, ele ficou ali do meu lado o tempo todo, eu perguntava do bebê e ele me confortava dizendo que estava tudo bem, ele era prematuro e tinha que ter alguns cuidados. Depois que melhorei mais das reações, sugeri que ele fosse pra fora, ligar pros parentes que ainda não sabiam de nada, mas só que se ele saísse ele não entrava mais, ele ficou preocupado em me deixar sozinha, mas eu insisti que ele tinha que avisar, quando enfim fui liberada da recuperação fui para o quarto, ele já estava me esperando, fiquei angustiada por o meu bebe não estar ali comigo,  meu marido foi ver o bebe La na neo, quando ele voltou ele não me dava muitas noticias, só disse que ele teve uns probleminhas mas a pediatra iria mais tarde La conversar comigo.

 Mais tarde ela apareceu e me deixou por dentro da situação do Pedro, fiquei abalada e triste, mas o que eu podia fazer, só queria que ele se recuperasse e sabia que lá ele estaria sendo bem cuidado. Bom esse é meu relato, só um pouco grande NE? Hahahah, não tem como contar um acontecimento desses em 5 linhas NE? Pedro ficou 8 dias na UTI neonatal, e hoje, quase dois meses depois, esta aqui comigo, gorducho, mamando exclusivamente no peito, nosso anjinho!!

Meus agradecimentos primeiramente á Deus, por tudo que ele tem feito por nós, pela força que ele me deu nesse momento, por ter me confortado nas horas de angustia, quando eu chegava em casa e meu bebezinho não tava lá comigo, por ter protegido o Pedro e ter me dado esse tão precioso ser, e por essa prova que tivemos que passar, aprendemos muito com tudo isso!

 Obrigado Senhor.

Ao Meu Marido Sérgio, meu amor, companheiro, o melhor pai do mundo! Que diante á toda aquela situação, se manteve forte para que eu não percebesse, sei que não foi fácil pra ele, ver o Pedro em dificuldade e não poder fazer nada, Obrigado amor por estar ao meu lado nesse momento, você é muito importante para mim! Te amo hoje e sempre

A minha querida Cris doula, pelo carinho, dedicação, você foi fundamental para nós, um verdadeiro anjo em nossas vidas, obrigado por toda a sua atenção e por ter me aturado naquela situação, te desejo muita saúde para continuar esse trabalho lindo que você faz. Obrigado por tudo Cris, que Deus te abençoe.

Ao Dr. Fernando Pupin, pelo carinho e atenção, apesar de nos conhecer muito pouco, você é um profissional excelente, obrigado pela paciência, Que Deus te abençoe, para que muitos e muitos bebês ainda venham á nascer através de você!Obrigado

E claro, á minha família, que na qual, venho pedir desculpas por não ter avisado quando tudo começou, pois como já era muito tarde da noite, não queria preocupar ninguém, pois trabalho de parto é algo que demora mesmo, sabia que se avisassem vocês, iriam se jogar de imbituba para Florianópolis na mesma hora, hahahah! Agradeço á todos vocês querida família, que me ajudaram, estiveram comigo na minha recuperação, me confortaram! Em especial minha vó Luiza, Minha mãe Gisele, Minha sogra Edna, e minha tia Vaninha, obrigada á vocês por tudo! Amo vocês Família!!!!

Obrigado á você que teve paciência e leu esse relato! Rsrs

Beijos,
Andrielly bento Vieira (Pedro a mamãe te ama muito)

Andri, acredite, você foi uma guerreira. Fez tudo o que pode mas infelizmente o corpo não estava no timing certo, a bolsa rompeu, as contrações existiam mas não o suficiente, e nem com a ocitocina houve progressão. Naquele momento que todos nós conversamos, para decidir se continuávamos esperando ( já que o Pedro estava bem) ou se era a hora da cesárea, sei que vocês fizeram a melhor decisão. Aliás, não era nem o tempo do Pedro, que teve bastante dificuldade para se adaptar no novo mundo, foi tudo feito no momento certo. E olha  que o Fernando me conhece e viu o quanto fiquei chateada com a situação, o Fernando sabe o quanto eu questionei ele naquele dia rsrsrsrsr ( coitado!). Mas tenha certeza, foi tudo como deveria ser. E hoje ele está aí, saudável e perfeito.





Beijos
Cris De Melo
Doula!

Nenhum comentário:

Postar um comentário