segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Doula - quanto custa e qual a sua formação?


Anjos da guarda das mães na hora do parto, elas dão apoio, segurança e incentivo
por Carolina Mouta

QUANTO CUSTA?

O preço do serviço varia de acordo com a experiência. "Há doulas que cobram cerca de R$ 350 e outras que chegam a cobrar R$ 1 mil", informa Priscila.

Entretanto, há possibilidade de reembolso pelos planos de saúde. "Se ela tem formação na área de saúde e der recibo na área em que é graduada, alguns convênios podem reembolsar", orienta.
Você pode consultar as profissionais no site do Grupo Doulas do Brasil.

QUER SER DOULA?

De acordo com Priscila Cavalcanti, qualquer pessoa pode ser doula. "Quem se interessa por esse tipo de trabalho deve procurar um dos cursos de formação de disponíveis ou procurar integrar uma equipe de doulas voluntárias em hospital público", ensina. Mas não basta só querer ser uma acompanhante. É necessário possuir algumas particularidades que vão fazer toda a diferença na hora do atendimento. Paciência, calma, amor, compaixão e gostar de trabalhar com grávidas são algumas citadas por Cristina Balzano.

Priscila explica que palavra doula vem do grego e quer dizer 'mulher que serve'. "Assim, a primeira característica deve ser a capacidade de dedicar-se a servir a mulher que trará um bebê ao mundo. Servir significa procurar prover a ela aquilo que ela precisa no momento do trabalho de parto". Sensibilidade é fundamental. "Às vezes, a parturiente não consegue dizer muito bem o que quer ou precisa. Aí, cabe à doula estar sintonizada com a gestante e ter a sensibilidade aguçada para ‘sentir o que a mulher precisa", diz Priscila.

É necessário, ainda, ter capacidade física e disponibilidade de tempo. Afinal, o bebê não marca hora para nascer e pode dar sinal em plena madrugada. "A doula pode ficar muitas horas ao lado da mulher, há trabalhos de parto longos que chegam a durar 30 horas. Assim, precisa ter a capacidade física de aguentar esse período e a disponibilidade em termos de tempo e vida. Precisa organizar sua vida e sua família para poder estar tanto tempo assim longe de casa". Ou seja, ser uma doula significa ficar noites sem dormir, ter plantões durante feriados, ser chamada à noite e atravessar a cidade para, eventualmente, atender uma gestante em um falso trabalho de parto.

Para Priscila, humildade é fundamental. "A doula pode chegar cheia de idéias e técnicas, mas a mulher em trabalho de parto pode não querer nada daquilo. Às vezes, a mera presença da doula já basta ou a mulher pode não gostar de massagens, ficar irritada, não querer ir pro chuveiro... Cabe à acompanhante ter humildade para servir até nisso: respeitar". O bom senso faz toda a diferença. Segundo Priscila, mesmo sabendo o que a paciente deseja, a doula jamais pode bater de frente com a equipe médica. "Se criar uma briga, pode estar prestando um desserviço para a mulher a quem deve servir".

A formação das doulas particulares é feita através de cursos ministrados em diversas cidades. Você pode encontrá-los nos sites do Grupo de Apoio à Maternidade Ativa ou da Associação Nacional de Doulas. Já as doulas de atuação institucional recebem treinamento no próprio hospital onde irão atuar. "As equipes de voluntárias costumam dar um curso prévio de capacitação, antes que a doula passe a efetivamente acompanhar a mulher no parto", conta Priscila.

A verdade é que, remuneradas ou não, as doulas participam ativamente do milagre da vida. Esses anjos sem asas estão sempre a postos para dar colo às mamães e auxiliá-las no que for preciso, tornando esse momento tão especial da vida de uma mulher ainda mais sublime.

   *Fonte: Bolsa de Mulher 
http://avalarini.blogspot.com/2011/08/doula-quanto-custa-e-qual-sua-formacao.html

Cris De Melo

Téc. Enfermagem
& Doula!

Nenhum comentário:

Postar um comentário