terça-feira, 19 de julho de 2011

Palestra e Workshop com Dr. Michel Odent!!

Michel Odent, renomado obstetra frânces.
Olha eu posso dizer que sou privilegiada de ter uma foto com o Michel Odent. Quem trabalha nesse mundo de humanização e parto sabe que ele é um dos obstetras mais respeitados no mundo, e não é a toa. Ele é reconhecido internacionalmente, é o fundador do Primal Health Research Centre de Londres e o precursor do home-birth (parto domiciliar), das salas de parto à semelhança dos lares e da introdução das piscinas aquecidas nas maternidades. Autor de 12 livros publicados em mais de 20 idiomas e de mais de 50 artigos científicos na área.Autor do primeiro artigo científico sobre o uso das piscinas de parto, em 1993, e do primeiro artigo recomendando a lactação na primeira hora do nascimento.

A palestra e o workshop foram um aprendizado incrível, no primeiro dia, muitas coisas do que ouvi eu discordei e argumentei com outros profissionais.. quando cheguei em casa fui digerindo ( palavra que ele usa muito) e acabei concordando com várias coisas.

Aliás, no parto de ontem eu experimentei várias dicas dele e vi que foram maravilhosas, realmente funcionaram e com certeza continuarei usando. Uma das coisas que o Michel fala é que ele é contra fotos e vídeos durante o trabalho de parto e parto. O Flash e a filmagem podem fazer com que a parturiente se sinta observada, além de chamar atenção e tirá-la da partolândia. Por isso apenas vou fotografar quando a luz estiver adequada, sem o uso de flash e sem que a parturiente perceba ( mas sempre com a permissão dela antes do parto, claro.)

Outra coisa é a questão da presença do pai ou de qualquer outro homem durante o processo, ele diz que os médicos homens só deveriam entrar na sala quando o bebê estivesse realmente nascendo. E que os pais não deveriam estar no ambiente. Que quando ele acompanhava partos ele deixava apenas a parturiente e a Doula em uma sala, e quando fosse nascer a doula avisava. Ele é contra a presença do pai porque acha que a parturiente pode não se sentir a vontade de se soltar e agir por instinto, com medo do que o marido vá achar, medo de evacuar etc. A presença do marido deve ser escolha da gestante, mas achei super interessante isso e percebei que hoje em dia a pressão nos maridos é grande. Hoje nós muitas vezes praticamente obrigamos que o marido participe do processo ( nós mulheres), mesmo quando ele não se sente a vontade. Então mulheres, conversem com seus companheiros, e respeitem as vontades deles também. Eu como mulher, mãe e esposa também já estou revendo isso.

Ele também explica que o palavra chave é PROTEÇÃO, a parturiente precisa ser protegida no processo, para que possa parir por instinto e sem interferências de indivíduos.Ele ainda disse que os partos de hoje estão mais difíceis e não somente os hospitalares, os domiciliares também, e que o maior problema é a falta de conhecimento da equipe quanto a fisiologia do parto e de como se deve tratar uma parturiente.
O processo do parto é involuntário e que devemos interferir o mínimo possível, falar o mínimo possível e que a mulher não precisa de ninguém para parir. Ela precisa ser deixada em paz, ser respeitada e protegida!

Que para um parto ir rápido ela não deve liberar adrenalina que diminuiu a produção de ocitocina, e que elas devem deitar e descansar quando quiserem. Que parto ativo não é necessariamente manter-se ativa direto, e sim respeitar também o seu corpo e seu instinto. Uma grande surpresa foi quando ele disse que a mulher não deve comer muito no trabalho de parto e nem beber muito líquido, pois ela precisa manter-se relaxada, os músculos relaxados. Que a glicose dos alimentos pode ser prejudicial e que em grande quantidade pode até mesmo aumentar o risco do bebê ter icterícia e hipoglicemia. E o líquido em excesso pode diminuir a eficácia das contrações!!!!!! Por isso a parturiente só deve comer ou beber se tiver vontade!!

Lembrando o que nós já sabiamos mas que é muito importante que as pessoas lembrem, é que o escuro é fundamental, além de silêncio, calor ( ambiente agradável), tudo para desligar o neocórtex. Ela não deve também se sentir observada! Outra coisa incrível ( eu achei) é que as pessoas ao redor da parturiente devem estar tranquilas e calmas, caso contrário a adrenalina delas vai passar para a gestante. Segundo Michel a duração do trabalho de parto está intimamente ligada a adrenalina da equipe ao redor dela, inclusive da parteira e da doula.

Enfim, o cara é FODA! HAHAHA 
Não tem como colocar tudo que ele falou em dois dias aqui nesse post, mas citei algumas importantes que muitas pessoas ali não sabiam, inclusive outros profissionais e que até eu já falei aqui no blog.
Michel Odent, Thank you so much!
Equipe Hanami, Lígia e Sheila, obrigada por terem trazido esse anjo para Florianópolis!

Cris de Melo
Doula!

2 comentários:

  1. Obrigada por compartilhar Cris, queria muito ter ido! Quanta coisa interessante né! Acho que tudo se resume no respeito profundo à mulher e a sua natureza.
    Beijo!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ai Bá eu teria me arrependido profundamente se não tivesse ido, até porque como Doula eu sou obrigada a estar atualizada, e um workshop com Michel Odent é algo único! Todos os presentes aprenderam algo que ainda não sabiam, com certeza, muitas parteiras, médicos, doulas etc vão mudar! Bjs

    ResponderExcluir