quinta-feira, 30 de junho de 2011

O que a mulher precisa para parir?


O corpo da mulher já vem preparado para o parto, e até mesmo mulheres em coma conseguem ter partos normais. Sedentárias, ginastas, ativas, magras, gordas, altas ou magras, todas as mulheres têm a capacidade inata de permitir que o bebê viva, se desenvolva e nasça através de seu corpo. No entanto o parto é um processo dinâmico, no qual o bebê faz uma série de movimentos através da pelve, até que possa sair para a luz. Ele desce, insinua seu crânio pela bacia pélvica, dobra o pescoço, gira, colabora. Enquanto isso a mãe se move, anda, muda de posição, pende apoiada pelo companheiro, acocora, deita. Como quando tentamos tirar um anel justo do dedo, só o movimento é que permite que um deslize ao redor do outro.

Se permitimos que a mulher adote todas as posições que lhe parecem confortáveis, se possibilitamos a liberdade de movimento e ações, se o ambiente do parto for propício para essa liberdade, mãe e bebê encontrarão a fórmula para a travessia que eles têm que fazer. Por isso é fundamental que no ambiente do parto sejam oferecidos os elementos fundamentais para um parto ativo:

- Privacidade: se a mulher não tiver privacidade, ela fica tolhida em sua liberdade e deixa de se movimentar de acordo com sua vontade.
- Opções à cama: deitar é em geral a última coisa que uma mulher quer fazer em trabalho de parto, de forma que ela precisa ter opções como a bola suíça, cavalinho, banqueta de parto, almofadas, cadeira, poltrona, etc...
- Equipe: é importante que as mulheres sejam acompanhadas por pessoas que estejam acostumadas ao conceito de parto ativo, como as doulas, enfermeiras obstetras e médicos obstetras motivados e seguros em relação ao parto natural.
- Recursos não farmacológicos para a dor do parto: sendo o parto um processo lento e muitas vezes doloroso (especialmente no pico das contrações), é fundamental que a mulher possa ter à mão os recursos para lidar com essa dor, como chuveiro, banheira, bolsa de água quente, chás e o que mais for possível dentro do contexto.
- Prioridade para o parto natural: para que a mulher se sinta no controle da situação, ela precisa vivenciar o processo da forma como a natureza propôs, ou seja, sem o artifício do jejum, da ruptura artificial da bolsa das águas, do uso de soro com hormônio (ocitocina), forças dirigidas, etc...

Dentro dessa filosofia de atenção ao parto, os procedimentos médicos são destinados apenas às situações especiais, que não deveriam superar uma pequena porcentagem do total de mulheres saudáveis. O parto sempre será um processo normal e natural, para o qual as mulheres continuam estando preparadas, independente de não lavarem mais roupas à beira do rio acocoradas.
Basta que deixemos as grávidas em paz e que lhes ofereçamos o mínimo necessário para o conforto, e elas saberão o que fazer.

Se você está grávida e deseja ter um Parto Ativo, leia, pesquise, pergunte, questione seu médico, questione a maternidade onde vai ter seu bebê, faça um plano de parto, procure um grupo de apoio, faça seu acompanhante entender a importância desse processo para você e seu bebê. Não entregue o seu corpo, seu bebê e seu parto nas mãos de outros. Eles lhe pertencem.

Revendo o Parto da Roberta!




Hoje estou meio sentimental e senti vontade de rever o vídeo do parto da Roberta, o Papai Rômulo fez um vídeo/montagem tão lindo, espero que quem ainda não viu, veja agora. 
Mostra a gestação, trabalho de parto e o parto e pós-parto


Cris De Melo
Doula!

Parto Ativo: Quem faz o parto é a mulher!!!



Ontem de madrugada fiquei procurando vídeos de partos lindos que eu ainda não tinha visto e me surpreendi com a quantidade de partos onde a mulher é totalmente ativa. Elas deixam se guiar pelo instinto de parir e fazem tudo sozinhas. É lindo!









Mãe de muitos!




Eu vi esse vídeo pela primeira vez neste ano no '' Dia das Parteiras'', achei lindo e acho que postei aqui no blog. Hoje fiquei com vontade de assistir e procurei novamente, espero que quem não viu, assista! É lindo!

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Por que o contato pele a pele após o nascimento e a amamentação na primeira hora de vida são tão importantes?

Tudo começa ao nascer. Nosso primeiro acto depois de nascer é sugar o leite materno. Este é um ato de afeição, de vínculo. Sem este acto, nós não sobrevivemos. È um facto… É a realidade”.
Dalai Lama and Howard C. Cutler, The Art of Happiness A Handbook for Living.1998

1. O corpo da mãe ajuda a manter o bebê adequadamente aquecido e isso é de especial importância para bebês pequenos e com baixo peso ao nascer. 

2. O bebê fica menos estressado, mais calmo e com as freqüências respiratória e cardíaca mais estáveis. 

3. O bebê é exposto em primeiro lugar às bactérias da mãe que costumam ser menos agressivas e contra as quais o leite materno possui fatores de proteção. As bactérias maternas passam a habitar o intestino e a pele do bebê, competem com as bactérias mais nocivas dos trabalhadores da saúde e do ambiente hospitalar e, desta forma, evitam a ocorrência de infecções. 

4. O bebê recebe colostro durante as primeiras mamadas – ouro líquido, às vezes chamado de dádiva da vida. 
• O colostro é rico em células imunologicamente ativas, anticorpos e proteínas protetoras. Funciona como a primeira vacina para a criança. Protege contra várias infecções. Ajuda a regular o próprio sistema imunológico m desenvolvimento.
• Contém fatores de crescimento que ajudam o intestino a amadurecer e a funcionar de forma eficiente. Isso dificulta a entrada dos microorganismos e alérgenos.
• É rico em vitamina A que ajuda a proteger os olhos e a reduzir as infecções.
• Estimula os movimentos intestinais para que o mecônio seja rapidamente eliminado. Isso ajuda na prevenção da icterícia.
• Vem em volumes pequenos, de acordo com a capacidade gástrica de um recém- nascido.

5. Tocar, abocanhar e sugar a mama estimula a liberação de ocitocina – isso é importante por várias razões:
• A ocitocina faz com que o útero se contraia, contribuindo para a saída da placenta para a redução do sangramento materno após o parto.
• A ocitocina estimula outros hormônios que dão à mãe uma sensação de calma, relaxamento e a fazem “apaixonar-se” por seu filho. A ocitocina é conhecida como o hormônio do amor.
• A ocitocina estimula o fluxo de leite da mama.



As mulheres costumam apresentar uma incrível sensação de felicidade no primeiro encontro om o bebê! E os pais geralmente compartilham esse sentimento. E assim começa o processo do vínculo entre a mãe e o bebê. Acima de tudo, o contato pele a pele e a amamentação precoces estão associados à redução da mortalidade no primeiro mês de vida. Também estão relacionados com o aumento da exclusividade e duração do aleitamento materno nos meses seguintes, contribuindo, portanto, para um melhor padrão de saúde e para a redução da mortalidade tardia aleitamento materno nos meses seguintes, contribuindo, portanto, para um melhor padrão de saúde e para a redução da mortalidade tardia.

Crenças errôneas: barreiras para o início precoce do aleitamento materno

1. Colostro não é bom, ou pode ser perigoso para os bebés. NÂO!
Colostro é essencial para o bom crescimento e desenvolvimento
· Primeira vacina – protege contra infecções intestinais e outras
· Laxante para ajudar a prevenir a icterícia 

2. Bebés precisam de chás especiais e outros líquidos antes da amamentação. NÃO!
Qualquer alimento pré-lácteo (alimento dado antes que a amamentação tenha sido iniciada) aumenta o risco de infecção no bebé, reduz a probabilidade de amamentação exclusiva e encurta a duração da amamentação.

3. Os bebés não vão conseguir leite suficiente só com o colostro e leite materno. NÃO!
O colostro é suficiente para as primeiras mamadas do bebé. É normal que o recém-nascido perca 3-6% do seu peso de nascimento. Eles nascem com uma reserva de água e açúcar em seus corpos para usar neste período.

4. Os bebés ficam muito frios. NÃO!
Os bebés ficam aquecidos quando em contacto pele com pele com suas mães. Surpreendentemente, a temperatura do peito da mãe aumenta 0.5° C com 2 minutos de contacto do bebé no seu peito.

5. As mães estão exaustas depois do trabalho de parto e do nascimento para alimentar seus bebés imediatamente. NÃO!
O aparecimento da oxitocina que é libertada com o contacto pele com pele e com a amamentação ajuda a acalmar a mãe depois do nascimento de seu bebé.

6. É muito importante aspirar a boca, o nariz e a orofaringe antes da primeira respiração para impedir a aspiração de líquidos do parto, especialmente se o bebé evacuou durante o trabalho de parto. NÃO!
A aspiração do recém-nascido saudável a termo não reduz a ocorrência de aspiração de mecônio e pode lesar a mucosa da boca, faringe e cordas vocais. A aspiração gástrica também interfere com a amamentação.  

7. A vitamina K e a medicação para evitar conjuntivite gonocócica deve ser dada imediatamente após o nascimento. NÃO!
O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas e a Academia de Medicina da Amamentação afirmam que estas importantes medidas profiláticas podem ser retardadas por uma hora, até que o recém-nascido tenha mamado, sem risco para o bebé.
Elas não devem ser motivo de separação da mãe e bebé. 

8. As mulheres necessitam ser medicadas para lidar com a dor do parto. Normalmente, NÃO!
O uso de analgesia/ anestesia no trabalho de parto pode sedar o bebé, diminuir o comportamento de busca e retardar o início da amamentação por horas ou dias. O uso de terapias complementares incluindo a presença de um acompanhante durante o trabalho de parto ajuda a mulher a lidar com a dor e o prognóstico obstétrico é melhor.

9. Requer muito tempo e trabalho ajudar a mulher durante esta primeira mamada. NÃO!
Enquanto o bebé está sobre o tórax da mãe, o profissional pode continuar a avaliação usual da mãe e do bebé e as outras tarefas. O bebé vai encontrar seu próprio caminho para o peito.

 Amamentação e Direitos

Convenção dos Direitos da Criança reconhece que toda criança tem direito à vida e busca garantir sua sobrevivência e desenvolvimentoAmamentar na primeira hora após o parto ajuda a garantir a sobrevivência da criança.  As mulheres têm direito a esta informação e a receber a ajuda que precisarem para iniciar a amamentação conforme é preconizado.




  
  --> Veja agora os efeitos no bebê de um contato imediato com a mãe após o parto: 

.

  *Fonte: http://worldbreastfeedingweek.net/wbw2007/pdf/wbw07_af_por.pdf

http://avalarini.blogspot.com/2011/04/por-que-o-contato-pele-pele-apos-o.html

Anestesia Epidural: conheça as vantagens e desvantagens dessa escolha!


A epidural é o tipo de anestesia mais popular para aliviar as dores do parto. A maioria das grávidas opta por uma epidural em prol de outros métodos de alívio das dores. 

À medida que se vai preparando para o dia do parto, informe-se e aprenda acerca das soluções para o alívio da dor, e vá formando a sua decisão acerca da experiência que pretende ter com o parto. Descubra o que é, como é aplicada e quais os benéficos e riscos que envolve a anestesia epidural. 
O que é a anestesia epidural 

A anestesia epidural é uma anestesia local que bloqueia a dor numa região específica do corpo. O objetivo da epidural é aliviar a dor, em vez de fazer com que se perca a sensibilidade total, tal como acontece com as anestesias locais ou gerais. Numa anestesia geral, o anestésico é injetado na circulação sanguínea, atravessando a placenta e atingindo o bebé. Na anestesia epidural isso não acontece, pois apenas bloqueia os impulsos nervosos da espinal medula inferior resultando numa diminuição da sensação na parte inferior do corpo.


Em que consiste a epidural? 

A epidural consiste na colocação de um cateter fino, conduzido através de uma agulha condutora, num espaço entre duas membranas: epidural e dura-máter, duas das três membranas que rodeiam o tubo neural onde se encontra a espinal medula.
O médico, anestesista, apercebe-se do espaço epidural através da criação de uma pressão negativa resultante do empurrar da agulha condutora junto da segunda membrana, o que de seguida o faz colocar o cateter neste espaço. Este procedimento tem como objetivo bloquear as vias sensitivas, através da injeção de um anestésico neste espaço, junto das inserções neuronais, ao nível das vértebras L3 e L4 (ou mais acima). A medicação administrada inclui anestésicos locais, sendo muitas vezes combinada com doses de opioides para diminuir a quantidade da anestesia local. Desta forma, o alívio da dor é conseguido com os mínimos efeitos secundários possíveis. 

Como é administrada uma epidural? 

Fluidos intravenosos poderão ser administrados antes do trabalho de parto ativo iniciar e antes sequer do procedimento da administração da epidural. A epidural será administrada por um anestesiologista: ser-lhe-á pedido para arquear as costas e para permanecer imóvel deitada no seu lado esquerdo ou sentada; esta posição é vital para prevenir problemas e aumentar a eficácia da própria epidural. Uma substância anticética será utilizada para limpar a linha da cintura diminuindo a hipótese de infeção. Uma pequena parte das suas costas será injetada com um pouco de anestesia local para ser adormecida. De seguida, na parte inferior das costas, será inserida uma agulha na área dormente. Um pequeno tubo ou cateter é inserido, enrolando-o à volta da agulha até ao espaço epidural. A agulha é cuidadosamente removida deixando o cateter no local para que a medicação seja ministrada através de injeções periódicas ou através da infusão contínua. O cateter será fixado às suas costas com adesivo, para impedir a sua remoção. 


 

Benefícios da anestesia epidural 

  1. Permite que consiga descansar caso o seu parto seja prolongado.
  2. Alivia o desconforto do parto, e especialmente para algumas mulheres, torna a experiência do parto mais positiva.
  3. A maioria das vezes a epidural permite uma participação da mulher ativa no parto.
  4. Se tiver um parto por cesariana, uma epidural permitir-lhe-á ficar acordada, e no recobro, ajudará no alívio da dor.
  5. Quando outro tipo de mecanismos ou técnicas já não forem suficientes para ajudar a aliviar as dores do parto, ou forem capazes de combater a exaustão, a epidural poderá permitir que descanse, relaxe e se mantenha focalizada.
  6. O uso da epidural durante o trabalho de parto está continuamente a ser aperfeiçoado, e muito do seu sucesso depende do cuidado com que é administrada.

Desvantagens da anestesia epidural 

  1. A epidural poderá fazer com que a sua pressão sanguínea desça subitamente. Por este motivo a sua pressão sanguínea é verificada diversas vezes para se confirmar que existe um fluxo sanguíneo adequado para o bebé. Se isto acontecer poderá ter de ser tratada com fluido intravenoso, medicação e oxigénio.
  2. Poderá experienciar uma dor de cabeça severa devida a uma fuga do fluido espinal. Menos de 1% das mulheres pode experienciar este efeito secundário, e se persistir poderá ser-lhe administrada uma injeção do seu sangue no espaço epidural, para aliviar a dor de cabeça.
  3. Depois de a epidural ser aplicada terá de deitar-se alternadamente de um lado e do outro e ter monitorizações contínuas para verificar o batimento cardíaco do bebé. Se apenas estiver deitada numa posição poderá diminuir o trabalho de parto.
  4. Poderá experienciar os seguintes efeitos secundários: tremores, zumbidos na audição, dores de costas, dor no local onde a agulha estiver inserida, náusea ou dificuldade em urinar.
  5. A epidural poderá dificultar a força que tem de fazer para conseguir expulsar o bebé, podendo ter de ser usados métodos alternativos para ajudar o bebé a ser expulso.
  6. Durante algumas horas depois do parto poderá sentir a parte inferior do corpo dormente, e poderá não conseguir andar sem ajuda.
  7. Em casos muito raros, poderão surgir danos ao nível nervoso no local onde o cateter foi inserido.

Efeitos secundários no bebé

Alguns dos mais significativos e bem documentados efeitos secundários para o bebé por nascer (feto) e para o recém-nascido advêm dos efeitos sobre a mãe. Estes incluem efeitos sobre a sua orquestração hormonal, tensão arterial, e regulação de temperatura.

Para além do mais, os níveis de substâncias medicamentosas no feto e recém-nascido podem apresentar-se ainda mais elevados do que na mãe, o que pode causar efeitos tóxicos directos. Por exemplo, as epidurais podem causar alterações no ritmo cardíaco fetal (RCF) que indiciam défice no fornecimento de sangue e oxigénio ao feto.

Habitualmente verifica-se este efeito logo a seguir à administração de uma epidural (normalmente ao longo dos primeiros 30 minutos), pode prolongar-se por 20 minutos, e ocorre especialmente logo após o uso de medicamentos opiáceos, ministrados por via epidural ou espinal. A maior parte destas alterações no RCF resolvem-se por si só, espontaneamente, com mudança de posição. Mais raramente, estas podem exigir medicação.

Alterações mais graves, e o sofrimento fetal que estas possam reflectir, podem exigir uma cesariana de urgência. 


  *Fonte: De Mãe Para Mãe  Rituais Maternos
http://avalarini.blogspot.com/2011/04/anestesia-epidural-conheca-as-vantagens.html

Curso Gratuito BCU Brasil - Banco de Cordão Umbilical!



O meu parceiro BCU Brasil - Banco de Cordão Umbilical terá na sexta-feira o 29º curso gratuito para futuros pais. Um curso que ajuda a preparar o casal para a chegada do bebê e que explica a importância da coleta do sangue do cordão umbilical no nascimento.
Ainda restam algumas vagas, entre em contato ainda hoje e não perca essa chance!!

O Curso BEBÊ A BORDO: Maternidade Responsável é feito mensalmente pelo BCU Brasil - Banco de Cordão Umbilical com apoio de seus parceiros: BLANC, one STORE, Casa das Tortas, Paula Cavalli, Luciara, KeloCot.
No mês de JUNHO será a 29ª edição do curso!
* dia 30/06
informações e inscrições: curso.bebeabordo@gmail.com

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Tirando dúvidas das mamães do Baby Center!!

Uma participante do grupo de discussão do BabyCenter entrou em contato comigo sobre as dúvidas das mamães, sugeri então que elas fizessem uma lista e me enviassem, eu responderia e postaria aqui no blog.
Hoje elas enviaram e aqui vai. Espero que essas respostas possam ajudar muitas gestantes!

1) Afinal, a respiração cachorrinho ajuda ou atrapalha durante o trabalho de parto? Já escutei opiniões de diversos profissionais muito divergentes sobre o assunto.
A respiração cachorrinho atrapalha, a respiração curta leva pouco oxigênio para o bebê e muda a acidose no sangue, aumentando a sensação de dor na mãe. O ideal são respirações profundas, inspirando pelo nariz, enchendo o peito de ar e expirando lentamente pela boca.

2) Você indica o chá de folha de framboeseira? A partir de quantas semanas?
Sim, o chá de folha de framboeasa ajuda a preparar o colo do útero, eu recomendo após a 36ª semana de gestação.

3)Eu gostaria de saber quais são as recomendações pós parto para cuidados do perineo, seios, atividades fisicas o que pode e não ser feito, alimentação, etc. 
No pós-parto se houver pontos no períneo é muito importante que a mulher lave e seque levemente a área após urinar ou evacuar. Não pegar muito peso nos primeiros 40 dias também é recomendável. Expor os seios ao sol sempre que a mulher puder é ótimo, ele ajuda a proteger os mamilos contra rachaduras, mas o fundamental é a pega correta do bebê no mamilo. Atividades físicas variam de mulher para mulher, se foi parto normal ou cesárea, e se houveram complicações como hemorragia Eu recomendo que cada mulher fale com o ginecologista para que ele libere. Eu recomendo que a mãe coma tudo que quiser, evite apenas refrigerantes, muitos doces, fumo e álcool. 


4)Quando começa o trabalho de parto se a gente deve ficar de cocoras quando tem contração ou nos intervalos? O q fazer para não ir ao hospital muito cedo, se tem como saber com quanto de dilatação estamos olhando ou mesmo sentindo. 
A mulher deve ficar de cócoras quando sentir vontade, mas ficar de cócoras durante a contração no estágio final do parto ( expulsivo) ajuda o bebê a descer.
O recomendado para quem não tem Doula é que aguarde em casa até que as contrações estejam com um ritmo regular de 3 em 3 minutos por mais de 1 hora. É preciso prestar atenção nos movimentos do bebê, se o bebê está se movimentando normalmente significa que ele está bem. Se ficar muito tempo sem mexer é bom ligar para o obstetra e avisar. A dilatação varia muito de mulher para mulher, o mais importante é prestar atenção nos sinais que o corpo dá, e na intuição de quando a mulher achar que é a hora de ir, esse é o momento certo.

5)Podemos sentir o bebê mexe quando entramos em trabalho de parto...?
Sim, o bebê pode mexer menos mas ele tem que mexer. Essa história de que o bebê para de mexer quando chega a hora é mito. Uma dica é que após a gestante comer, aguardar 30 minutos e contar durante 1 hora quantos movimentos o bebê faz no útero. Menos de 7 movimentos é bom avisar o obstetra.

6) Se nasci de parto cesária, posso ter um parto normal.?
CLARO, parto não é genético nem hereditário. Dilatação também, não é porque a mãe não teve dilatação, que a filha não vai ter. Bom lembrar também que mulheres que tiveram cesárea PODEM ter parto normal também.

7) É necessariamente o tampão tem que sair para o bebê nascer?
Não, o tampão é apenas um dos sinais que o corpo dá de que o parto está próximo, mas o tampão pode sair e a gestante nem perceber. Assim como pode sair e demorar dias ou semanas para o parto acontecer.

8) A dilatação só acontece com contrações?
Sim, é comum que as gestantes no final da gestação apresentem de 1 a 2 cms, o próprio peso do bebê a quantidade de líquido amniótico sob o colo do utero podem causar essa dilatação. Mas o importante é a dilatação durante o trabalho de parto, lembrando que o primeiro bebê geralmente o trabalho de parto é mais longo, e que raramente a gestante dilata 1 cm por hora como muitos médicos falam. Aguardar o trabalho ativo em casa faz com que a parturiente dilate mais rápido do que no hospital.

9) É normal o bebê encaixar e depois sair do encaixador?
É muito raro um bebê desencaixar, mas pode acontecer. Lembrando que a cabeça do bebê encaixa na pelve da mãe.

10) O líquido pode sair aos poucos? Ou qdo estoura sai todo...?
Sim, pode ocorrer um furo na bolsa e o líquido vaza conforme o bebê se movimenta. O líquido amniótico é igual água mas sem cheiro de água sanitária. Também pode acontecer da bolsa estourar e sair bastante líquido, lembrando que o bebê NÃO fica sem líquido, o corpo continua produzindo, portanto não existe parto seco.

11)O sexo ajuda ao Parto Normal?
Sim, o sexo é uma atividade física, além disso durante o sexo a gestante libera hormônios e tem contato com o esperma masculino que contém prostaglandinas que ajuda a amadurecer o colo do útero.

12) Estou de 38 semanas a espera do PN, O que fazer nessa espera, qual  o melhor exercicio para fazer em casa?Ou melhor ficar quietinha...
O ideal é que você se mantenha ativa, caminhadas, hidroginática, usar a bola suíça ( no blog tem vídeos que ensinam os exercícios), tudo isso ajuda. Mas não é obrigatório que a gestante seja uma atleta para ter parto normal, mulheres sedentárias também podem parir.

Espero que eu possa ter ajudado um pouco com as dúvidas de vocês!

Cris De Melo
Téc. Enfermagem, Mãe da Sofia 4 anos
& Doula!

Michel Odent em Florianópolis!

Vídeo Parto Domiciliar da Júlia mamãe do Caetano!


A Julia tinha me pedido para fazer essa montagem quando ela pariu, mas logo depois eu viajei e fiz semana passada. Enviei de presente, ela e o marido adoraram e resolveram compartilhar com todos.
Então, com autorização deles aque está o vídeo do nascimento do Caetano, em casa!

No blog que ela criou, fez um post falando um pouco dos sentimentos que a maternidade traz, compartilho com vocês.

Por um instante, por um dia descobri a mim e não imaginava que pudesse ser merecedora de tão grande momento...
Tantos anjos, tantas palavras, tanto amor que ressignificou minha vida e que, sobretudo, trouxe o meu anjo...
Quando escolhemos e  planejamos esse parto, jamais tínhamos imaginado a imensidão de experiência/ sentido e de VIDA que estaríamos optando.
Hoje, sei que escrever acerca desse momento será ínfimo comparado com a marca que meu corpo carregou desse encontro de almas...
Mas, queria reviver esse momento, essa intensidade marcada por só mais um instante. Queria todos esses anjos- humanos que caíram na minha vida e que trouxeram meu Caetano para bem perto de mim.
Uma espécie de felicidade e ao mesmo tempo de nostalgia me toma. Felicidade de estar tão próxima da vida, de ser a  vida, fonte de constante transformação. Mas, de entender que esse momento acabou, um momento tão mágico passou pelos meus olhos e eu nem percebi, tudo que sonhamos passou tão rápido e quando me dei conta VIREI MÃE!
Parto... Que experiência de VIDA, de Sonhos, de DOR, de SOLIDÃO e de MUDANÇA. Tudo em poucos instantes que apenas piscaram, como feixe de luz que me concedeu apenas um instante.
Como eu queria (re) vivenciar esse momento, não sei explicar, mas meus sentimentos se voltam ao passado.
Lembrei do tempo que era gestante, meu todo Caetano protegido e sonhado me tomava ensinando-me que esse momento chegaria, que TRANSFOMARÇÕES estavam por vir. Passei uma gravidez concebendo que meu corpo respondia naturalmente a todas as transformações, continuei fazendo tudo que me alegrava, namorava, passeava, divertia-me, dançava (e quantos espetáculos!), fiz de tudo.
Essa forma de vivenciar a gravidez tornou feliz e realizada, acontece que não me dei conta que um MEDO estava escondidinho... O MEDO de tê-lo perto de mim, isso significaria vivenciar tais TRANSFORMAÇÕES, as transformações da minha vida, ela mudaria, um novo significado que no fundo me assustava. Eu, euzinha que sempre fui MOVIMENTO, agora tinha medo dele.
Quando o parto chegou descobri que todos os medos viraram grandiosos, PARTO DOMICILIAR TÃO SONHADO... Sempre soube por que escolhi isso, o porquê optaria em trazer o Caetano ao mundo dessa forma. Sabia que era a melhor escolha e foi assim. Passamos a gestação lidando com medos, angustias, incertezas acerca de tal escolha. Lidamos também com muitas resistências de alguns familiares. Mas, com o passar do tempo isso já não mais nos abatia. Palavras de conforto da Dra Roxana sempre acenavam para essa escolha. Estávamos convictos que seria o  melhor.
Mas, o que não imaginávamos era quão esse momento nos tocou/transformou profundamente. Aqueles anjos-humanos confortava nossos corações a todos os instantes, jamais imaginaríamos tanta beleza num ato de parir, jamais nossas almas estiveram tão conectadas para esse momento tão sagrado... Cada qual do seu jeito, Rê sempre prestativa e cuidadosa com suas palavras;  Tânia, seu olhar sempre carinhoso me acalmava; Joyce seus abraços me aconchegavam e me diziam que tudo seria suportável; Vânia, como dizer da profundidade das duas palavras que alçavam meu ser, seu olhar que atravessava meu espírito me ensinando a ver o mundo de outra maneira, que a dor era bem vinda.
Cris, doula que acompanhou meu trilhar nesse parto, sempre carinhosa e prestativa, como não me sentir aconchegada pelos seus abraços?
Minha querida Roxana, que alegria ter te conhecido, meu coração se enche de alegria quando penso que você foi mais do que uma médica, foi um porto-segurança na minha gravidez, ensinando-me a amar tal Vida que despertava em mim, ensinando-me a amar o Estar Grávida. Seu jeito, sua sabedoria, sobretudo, sua luz iluminou esse momento tão especial. Como não ir mais todo mês à consulta que abrilhantava minha vida, trazendo mais próximo o Caetano? Como não escutar mais os consultões do Hanami?
O que sinto agora é um pesar por ter acabado esse ciclo. Estranho isso...
Sensação de PERDA . Hoje, por um instante olhei para minha barriga, cadê ela? Cadê o Caetano nela?  Ele estava tão mais protegido na minha barriga.
Ontem, as Hanamigas vieram, consegui falar com elas dessas sensações. Estar com elas é sempre uma forma de chegar mais perto do momento que passou. Queria poder ver a Roxana essa semana, queria poder encontrar meu equilíbrio que tinha quando estava grávida.
No fundo, sinto até vergonha de estar assim... Não repulso meu anjo Caetano, amo olhar seu rostinho, gosto de estar com ele, mas por instantes meu coração quer vivenciar esse passado. Caetano sempre amado esperado, está aqui nos meus braços e eu assim, sem maravilhar-me como deveria. Estranho, louco sentimento de retorno ao parto, é lá que parei...

Cris De Melo
Tec. Enfermagem
& Doula!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

São momentos como esses...

 Recebi um recado muito lindo da minha doulanda Simone e tenho que compartilhar, ela é uma pessoa maravilhosa que me procurou no final da gestação, queria muitoo uma Doula, ia parir com plantonista na Clínica Santa Helena, queria muitoo um parto natural e sabia que não seria fácil. Conversamos, acertamos tudo e o resultado foi esse.








CRIS ESTOU PASSANDO PARA DIZER QUE ACOMPANHO SEMPRE QUE POSSÍVEL SEU TRABALHO ATRAVÉS DO BLOG!!! AMO TUDO QUE TEM LÁ!!! E TAMBÉM PARA DIZER OBRIGADA POR COMPARTILHAR CONOSCO TODAS ESSAS EXPERIÊNCIAS MARAVILHOSAS!!!

 TENHO UMA IMENSA VONTADE DE TER MAIS E MAIS FILHOS!!!(só preciso ganhar na mega sena hahahaha) MAS FALANDO SÉRIO, SINTO TANTA CONFIANÇA EM VC E SEU TRABALHO QUE ISSO AUMENTA MAIS E MAIS MINHA VONTADE DE SER MUITAS VEZES MAIS MAMÃE!!!

 OBRIGADA TÁ!?! BEIJINHOS E UM ÓTIMO FERIADINHO PARA VCS!!!(se não pintar nem um parto né)rsrsrsrsrs 
Simone Larraidy - Mãe do Ian nascido de parto de cócoras!


São momentos e palavras como essas que fazem todos os sacrifícios da Doulagem valerem a pena!
Obrigada Si, de coração!

Cris De Melo

Doula!

terça-feira, 21 de junho de 2011

Como cuidar de um recém-nascido!!!

Ana Clara minha sobrinha com quase 2 meses!
Todo mundo sabe que bebês são lindos, fofos e que dão o maior trabalho! Não vamos mentir, muitas vezes chegamos a procurar o botão de desligar, ou você pensa em ter uma babá, porque tem horas que ninguém sabe o que fazer.

A Sofia já tem 4 anos, então eu já não lembrava mais como era exatamente cuidar de um bebê 24 horas por dia. Agora que a minha irmã teve um bebê, e moramos juntas, eu estou relembrando essa fase. Claro que ser tia é completamente diferente de ser mãe, a responsabilidade é muito menor e você não tem obrigações nenhumas.

Cuidando da Ana eu juntei algumas dicas que vou dividir com vocês, coisas básicas que fazem toda a diferença.

Se o seu bebê está chorando, elimine possibilidades:
1ª Fome
2ª Fralda Suja
3ª Frio ou calor
4ª Cólica ou outra dor;
5ª Sono;
ATENÇÃO!

Sim, bebês também querem atenção, e muitas vezes tudo que eles precisam é de um colinho, uma canção, beijos etc. O Sling é uma peça maravilhosa para tudo isso, facilita a amamentação, protege do frio, alivia a cólica e supre as necessidades do bebê referentes a atenção e afeto.

Portanto se você checou todas as possibilidades e o seu bebê ainda chora ( mas cheque de verdadee!) talvez ele só queira você. Outra coisa é que se você estiver muito nervosa o bebê sentirá isso, então vale a pena pedir a ajuda de um familiar para cuidar um pouco, assim você pode recuperar a sua paciência.

Meu bebê mama, dorme e 10 minutos depois quer mamar novamente, o que eu faço?

Provavelmente o seu bebê dormiu sem mamar o suficiente, portanto ele vai acordar com fome. Para evitar que ele durma, feche todas as janelas e portas de onde você estiver, tire um pouco da roupa do bebê e mexa nele durante a mamada. Ouça se ele engole, observe as boxexas ,elas não devem estar concavas. A mamada não tem uma duração exata, mas nenhum bebê mama durante 1 hora.

Meu bebê tem cólica, o que eu faço?
Eu jamais aconselho medicações, sou totalmente contra, a cólica é um processo e só é preciso paciência. É natural, o organismo do bebê é imaturo e esta sofrendo modificações, nem todo bebê tem cólica também.
As pessoas tem mania de dizer que tudo é cólica. Bebê de 3 dias de vida não tem cólica, ela aparece geralmente depois do 1º mês até o 3º mês de vida. Para aliviar o desconforto invista no banho de balde, paninho morno na barriguinha ( ou bolsa térmica para bebês), massagens de bicicletinha, Shantala.
E o principal, paciência!!!

Como eu sei se o meu leite é suficiente?
Não existe leite fraco, mas para ter uma produção de leite adequada é preciso que a mãe se alimente bem, a cada 3 horas, beba bastante líquido e descanse!!! Principalmente no 1º mês, o resguardo que todos falam serve para que a mãe se adapte a nova vida e conheça o bebê. Deixa para sair mais tarde, trabalhar depois, esse primeiro mês é justamente  para criar vínculos. Se você seguir essas dicas, terá bastante leite.
Lembre-se que quanto mais o bebê mama, mais leite você produz.

DICAS: -Não exiga silêncio enquanto o bebê dorme, se você acostumá-lo a dormir assim, quando for em uma festa ou um lugar com barulho ele não vai dormir.
- Se você quer fazer cama compartilhada tudo bem, mas se quer que ele durma no berço é melhor acostumá-lo desde o primeiro dia, de que o berço é a cama dele.
- Não faça o bebê dormir para depois colocar no berço, faça tudo que ele precisa e quando ele estiver sonolento coloque-o acordado, converse com ele e explique que é hora de dormir. O ideal é que ele adormeça sozinho.

Mais dúvidas? Pergunte mandando seu comentário que eu respondo.

Cris De Melo
Téc. Enfermagem
& Doula!



segunda-feira, 20 de junho de 2011

Vídeo do Parto da Rafaela, mãe do Lucca, nascido em Maio 2011!




O Lucca nasceu em maio com a ajuda da Dra. Roxana Knobel e com o meu acompanhamento, o momento foi lindo e ficou gravado. Quem filmou foi a irmã da Rafa, eu editei hoje e enviei para ela. O marido estava um pouco apreensivo quanto a divulgação, mas ela queria muito, sabia que isso iria incentivar outras mulheres a parir. Retirei as cenas de nudez parcial e total e agora ele pode ser divulgado, já que tem a autorização do casal! 


Todas nós agradecemos Rafa!!!!


Cris De Melo
Téc. Enfermagem
& Doula!

Esculturas de Cécile Lelièvre!



 Essas fotos foram tiradas na minha viagem a Paris agora em Junho, essas esculturas estavam expostas na Conferência Internacional de Doulas. Achei lindas mas tinha esquecido de anotar o nome da Artista, hoje Valerie Degas da organização me ajudou nesse problema hehehe. O nome da artista é Cécile Lelièvre.




Espero que gostem :)
Cris De Melo
Tec. Enfermagem
& Doula!

domingo, 19 de junho de 2011

Como dar o banho de balde!

A Denise apresentou no mais você sobre o Shantala e como dar o banho de balde, hj a Musa mamãe do Benny pediu que eu explicasse por email como é feito, e achei esse vídeo otimo. Espero que gostem!