quarta-feira, 30 de março de 2011

Relato do nascimento da Sophia filha da Nathália!



A Sophia é uma menina danadinha, ela esperou para nascer no último dia que eu estaria no Brasil, o mesmo dia que eu ia viajar e só agora tive tempo para fazer o relato. A Nathália me achou por uma indicação de uma das médicas que trabalho, ela ia parir na Santa Helena com plantonista por questões financeiras.
Sabemos que a Santa Helena é uma maternidade muito cesarianista e os médicos não são muito a favor do parto normal, já que tempo é dinheiro!


Avisei que tinha 22 de março viajaria e que se ela quisesse eu poderia fechar o acompanhamento, porém se nascesse depois dessa data quem acompanharia seria a doula reserva, a DPP dela era para o dia 15 de março.
O tempo passando, Sophia amando a barriga e nada de querer sair. A Nathi estava bem tranquila mas ficava ansiosa cada dia mais.


Com umas 41 semanas ( não lembro exatamente agora) ela começou a sentir as primeiras contrações.
Tudo ficou de verdade mesmo quando ela me ligou com contrações de 5 em 5 minutos, como era mamãe de primeira viagem eu já me preparei pra ir para lá ficar aguardando.
                                                                                                                                                                     Ficamos no computador, assistimos TV, comemos, andamos, bola, massagem, sempre incentivando-a a ficar ativa. As contrações eram bem leves nesse ponto ( isso era por volta das 13 hrs).
As contrações não estavam bem ritmadas ainda, chegavam a ficar de 7 em 7, 8 em 8, 5 em 5 minutos. Conversamos bastante e ficamos passando o dia.




Quando anoiteceu as contrações foram ficando mais proximas e intensas. E eu lembro que por volta das 23 horas elas estavam fortes, proximas, de 5 em 5, 4 em 4 cms. Mas dava pra saber que ela não. estava dilatando muito. Ativa o dia todo, chuveiro, bolsa termica, massagem, bola, caminhada, dançava e quando o sono batia ela deitava de lado para cochilar.


Por volta da 1 hora da manhã ela disse que queria ir para maternidade, todos nós sabíamos que era cedo, inclusive ela, ainda não estaria bem dilatada, as contrações não estavam regulares de 3 em 3 minutos, mas a dor era intensa, ela não queria mais esperar em casa. Então fomos para a maternidade.


A 1:30 da manhã o Dr. Ararê que estava de plantão a examinou e disse que estava com 4 cms, o colo do utero nao estava centralizado ainda.. A Nathi queria analgesia, mas ele não recomendou,a bebê estava alta.
Nesse ponto ela queria desistir, porque a dor era intensa, a família na sala de espera já pedia pela cesárea, Nathalia estava bem nervosa a esse ponto.


Eu e o marido dela a levamos para uma sala ao lado, e conversamos com ela. Relembramos o porque de estar ali, porque ela estava passando por isso, que era normal, e que se ela ainda quisesse mais tarde receberia a analgesia. Desistir ali poderia causar um grande arrependimento depois.



O plantonista respeitou os desejos, em nenhum momento ele tentou indicar a cesárea ou induzir ela a desistir, deixou que eu entrasse junto com o marido, se não me engano é o segundo ou terceiro parto que pego ele de plantão, e ele sempre foi muito atencioso conosco. Fomos para enfermaria e ela entrou no chuveiro, o Felipe ( marido) se molhou por inteiro, e eu fiquei sentada observando os dois em trabalho de parto, JUNTOS!


Ela tomou banhos com duração de uma hora cada, umas duas ou três vezes. Quando a Sophia desceu mais e a dilatação avançou 1 cm, após 3 horas na maternidade, deixamos que ela recebesse a analgesia. Ela não aguentava mais. Depois da primeira dose ela parecia outra pessoa, estava sorrindo novamente, caminhava, usava a bola, o anestesista aplicou uma dose que aliviou a dor, mas não tirou os movimentos dela. Mas com analgesia as contrações perderam a força e foi colocado ocitocina.

Por volta das 6 da manhã ela tinha dilatado mais 1 cm, estava com 6 cms, e a dor havia voltado. Ela entrava em pânico, não queria sentir aquilo tudo de novo, e pediu pela segunda dose. As 9 da manhã mais 1 cms, estava com 7 cms agora, a Sophia ainda alta, e a Nathi estava com ocitocina desde as 4 da manhã e evoluia muito devagar.  O médico disse que a opção era dela, continuar e esperar dilatar, ou fazer a cesárea.

O Felipe dormia sentado, exausto! Ela já dormia em pé, a noite anterior toda com contrações, a madrugada inteira com contrações insuportáveis para ela, e a manhã inteira, era tempo demais. Conversamos sobre as opções, e tanto ela quanto o Felipe concordavam com a cesárea, ela não queria esperar mais ainda.
O colo do útero ainda não estava centralizado, e o médico desconfiava que a cabeça estivesse fletida
 ( a cabeça não estava encaixada na posição correta.) Ele disse que nasceria mesmo assim, até porque 
pode-se tentar girar a cabeça quando o bebê desce mais, mas geralmente esses partos são mais demorados.


Mas toda a experiência já era demais, Nathi não estava triste, já tinha esperado bastante, tentado bastante, aguentando mais do que muitas mulheres, e sabia que não estava fracassando, ela havia lutado e muito.
Preparamos tudo, pude ficar todos os minutos ao seu lado, e quando tudo estava pronto chamei o Felipe.

E pouco tempo depois nasceu a Sophia, e confirmou o diagnóstico, ela estava assinclítica, a cabeça não estava na posição correta, e por isso o colo do útero também não centralizava e nem a Sophia descia.
Nasceu totalmente saudável, linda com 3.520, apgar 9/9!!!! Tudo correu bem!!

Fomos para a recuperação, coloquei a Sophia pra mamar e me despedi!

Nathi, obrigada por me convidar para fazer parte desse momento mágico, você foi maravilhosa e extremamente guerreira. Aguentou por horas e horas um trabalho de parto que é mais doloroso e difícil,
tudo para que desse chance ao seu corpo de fazer o que ele sabe fazer.

E fez com que a Sophia recebesse todos os benefícios do trabalho de parto! Felipe, você foi paizão nota 10, ajudou muitoooooooooo a Nathália, sempre firme, incentivando-a, ajudando com o que ela pedisse.
Parabéns a vocês, e muita saúde para sua nova família!

Beijosssss



Cris De Melo
Téc. Enfermagem, Mãe
& Doula!

Um comentário: