domingo, 27 de fevereiro de 2011

Entrevista com doula Priscilla Rezende!




Divulgando essa matéria com a Priscilla Rezende e a Mara Freire, a Pri fez o curso comigo e tenho ela aqui no blog como indicação em São Paulo, gosto muito! A Mara eu conheço a uns bons 6 anos pela internet.
Recomendo que assistam.
Ps: Priscilla você esta ainda mais lindaaaaaaaaaaaaaaa!!!!! 


Contato Priscilla: http://www.prisrezendedoula.blogspot.com/

Tel.: 11 8887-1894 / prirezende1@hotmail.com


Beijos
Cris De Melo
Doula!

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Luciana Gimenez fala sobre o nascimento do filho!


Um dia após dar à luz Lorenzo Gabriel,Luciana Gimenez falou sobre a emoção de ser mãe pela segunda vez no Twitter. Ela é casada com o empresário Marcelo de Carvalho.

"O amor de mãe jamais divide. Agora entendo. Nasceu mais amor junto com meu filho Lorenzo! Estou babando", escreveu ela, que optou por ter o filho em Nova York.

A apresentadora ainda incentivou as mulheres a terem seus filhos através de parto normal e agradeceu o carinho dos fãs. 

"Gostaríamos de agradecer a todos que nos mandaram 'well wishes'. Lorenzo chegou literalmente chegando. Cheio de saúde, muito amor. Mulherada, parto normal. Vamos lá!", disse Luciana.

Esse é o segundo parto normal da Luciana, ela já mostrou no programa dela sobre parto humanizado, parteiras e doulas. Parabéns Luciana!

Reportagem que ela exibiu a uns anos no programa:
São 8 partes, no lado direito desse vídeo tem os outros.


Cris De Melo
Doula!

Brasileira transmite parto do quinto filho ao vivo na internet!



Vocês devem estar pensando, ah, só mais uma... mas a Rosana está fazendo algo que ninguém fez ainda, ela esta transmitindo todo o trabalho de parto e parto na internet AO VIVO, e ainda está rolando, quem quiser ver clique no link: http://www.ustream.tv/channel/parto-ao-vivo


Foi feito uma matéria com ela e vou postar aqui:
A humanização do parto não significa mais uma nova técnica ou mais conhecimento, mas, sim, o respeito à fisiologia do parto e à mulher. Inclusive, está se provando que as parteiras são mais seguras que os médicos nos nascimentos de baixo risco, e que neste mesmo nascimento de baixo risco o parto domiciliar ou em casas de parto são tão seguros quanto os realizados nos hospitais e maternidades, com a vantagem de não realizarem tantas intervenções, pois o parto é mais natural. Também o acompanhamento familiar deixa a parturiente mais tranqüila.



Mas, o que é parto humanizado? Nessa reportagem especial, descobrimos a brasileira Rosana Oshiro que, de Iida (Nagano), é uma das principais incentivadoras do movimento e que através do www.opartoeseu.blogspot.com transmite ao vivo e do Japão, o nascimento de seu quinto bebê, mostrando como ocorre um por parto humanizado (o trabalho de parto dela  começou no sábado (26).
O parto humanizado é aquele em que a mulher é dona do seu corpo e do processo do parto. Ela é a protagonista e não uma coadjuvante. É a mulher que faz o parto. O profissional só assiste e acompanha o desenvolvimento do processo.
Os profissionais humanizados costumam ajudar no processo de parto monitorando o bebê e mãe, acompanhando e anotando as condições do trabalho de parto, dando apoio emocional, ajudando com exercícios físicos, massagens, oferecendo comida, bebida, dando apoio psicológico e principalmente, fazendo o acolhimento humano e pessoal.
Não há ordens ou comandos, não se tem pressa para o bebê nascer, não se pede para a mãe não gritar e obedecer, não se fazem manobras que podem machucar a mãe ou o bebê. É tudo muito calmo e respeitoso.
Portal Webnews – Como surgiu seu interesse pelo parto humanizado?
Rosana Oshiro – Minha primeira filha nasceu de uma cesárea. Na época eu aceitei a cirurgia por acreditar que era necessária. Depois, descobri que na verdade não era. Eu tinha sido enganada pela médica.
Um ano depois, fiquei grávida novamente e comecei a pesquisar, ler e debater em grupos virtuais em busca de ter meu parto normal após cesárea. Foi aí que me interessei pelo parto humanizado.
Na segunda gestação passei por uma nova cesárea. Mas, o meu filho nasceu na hora que eu quis porque cheguei a ter dilatação quase que total.
Na terceira gestação eu vivenciei a experiência de um parto natural, sem intervenções e me senti realizada. A partir daí eu virei uma militante do parto humanizado.

Ps: O bebê nasceu em casa, por volta das 7 da manhã, e foi transmitido ao vivo.
http://opartoeseu.blogspot.com/

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Doulas tirando dúvidas parte 4!




Algumas já virma que existem um vídeos muito legais na internet que são doulas tirando dúvidas, como são em inglês eu traduzo cada pergunta e posto aqui.


Qual o melhor lugar para parir? Em casa ou no hospital? são 3 parteiras que vão responder.
Não tem um melhor lugar, depende do que a mulher quiser e o que fizer com que ela se sinta mais segura.  Você tem que sentir que é um lugar especial e se sentir bem. Se tem alguma complicação já é mais seguro que o parto ocorra no hospital, nossa casa é um lugar muito confortavel de parir, mas algumas maternidades também estão mais adaptadas para trazer um pouco desse conforto.
E você, seu marido ou sua doula, podem tornar o ambiente mais aconchegante, para que você fique mais relaxada. Esse é o segredo na verdade, é a mulher sentir relaxada, tranquila, porque assim ela vai relaxar todo o corpo facilitando o parto. 


Doula também é parteira?
Absolutamente não, a parteira pode ter feito enfermagem e depois obstetrícia ou direto obstetrícia ( como existe na USP em SP, e nos EUA existem escolas de formação de parteiras, as Midwives.)
É tem um treinamento bem médico mesmo, e muitas vezes experiência com partos. A Doula tem um treinamento básico e muitas vezes a experiência própria, e é ligada a uma parte totalmente diferente e muito emocional no parto. A doula não dá apoio médico e sim apoio emocional e psicológico, ela cuida da mulher de uma maneira diferente. 


Os maridos precisam assistir o parto?
Eu sempre pergunto ao marido o que ele sente, se ele quer participar ou não, quais as expectativas que eles tem, como eles acham que vão se sentir, e a doula na verdade ajuda o marido a se localizar, o que ele quer fazer, ver, não ver etc. E é muito importante que os maridos digam o que acham, pensam, seus medos e suas dúvidas. Alguns amam ajudar e ficam felizes, outros se afastam, depende muito de cada um. 


Qual a diferença entre braxton hicks e contrações de parto?
Algumas nem sentem as braxton hicks, e algumas sentem tão forte que acham que é trabalho de parto, a diferença é que não tem intervalo regular, não dilata o colo do útero, e não são intensas, são rápidas.
Você sabe que esta em trabalho de parto quando as contrações são intensas, regulares e dilatam o colo do útero.


E se eu não criar um laço afetivo com meu bebê?
Algumas vezes não acontece de um dia pro outro, algumas mães podem levar um tempo para se ''apaixonar'' pelo bebê. O que é importante é ficar com o bebê pele a pele, a amamentação ajuda muito, e a mãe precisa respeitar seu corpo e sua mente, é um ser totalmente novo. Não se culpe.


O que acontece com a peridural?
Quando a mulher quer, o anestesista é chamado, a mulher precisa ficar bemmm curvada e o anestesista coloca uma agulha bem fina, e aplica o anestésico. Esperamos que a quantidade não seja muito grande para que a mulher consiga ainda se movimentar e sentir as contrações... e precisa ser monitorada pois existem riscos. Por isso só deve ser administrada se a parturiente não conseguir mesmo lidar com o trabalho de parto naturalmente.


O que eu deveria comer e bebê durante o trabalho de parto?
Uma das doulas aconselha mel com água quente, ajuda a hidratar e dar energia. Além disso yogurte, vitaminas, alimentos de fácil digestão, é bom evitar suco de laranja que pode aumentar enjôos e chance de vômito. È bom alternar água com algo doce, evitar chá de camomila que pode deixar a mãe muito sonolenta, e apesar de o ideal ser evitar se a mulher estiver com muita fome ela pode comer um prato quente. 


Para ler as outras partes:
http://crisdoula.blogspot.com/2010/09/doulas-tirando-duvidas-parte-1.html
http://crisdoula.blogspot.com/2010/09/doulas-tirando-duvidas-parte-2.html
http://crisdoula.blogspot.com/2010/11/doulas-tirando-duvidas-parte-3.html


Cris De Melo
Téc. Enfermagem
& Doula!

Como funciona a cesárea!!!



Acho muito importante que todas entendam as fases do trabalho de parto, como funciona e também saber mais sobre a cesárea que é uma cirurgia maravilhosa, quanto o parto natural não é possível.

Cris De Melo
Téc. Enfermagem &
Doula!

Uma em quatro mulheres relata maus-tratos durante o parto!!!

Chorando em um hospital, agulhada pelas dores das contrações do parto, mulheres brasileiras ainda têm de ouvir maus-tratos verbais como: "Na hora de fazer não chorou, não chamou a mamãe. Por que tá chorando agora?".

 A informação é da reportagem de Laura Capriglione publicada na edição desta quinta-feira da Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

De acordo com o texto, uma em cada quatro mulheres que deram à luz em hospitais públicos ou privados relatou algum tipo de agressão no parto, perpretada por profissionais de saúde que deveriam acolhê-la e zelar por seu bem-estar. São agressões que vão da recusa em oferecer algum alívio para a dor e xingamentos até gritos e tratamentos grosseiros com viés discriminatório.

Os dados integram o estudo "Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado", realizado em agosto de 2010 pela Fundação Perseu Abramo e pelo Sesc e divulgado agora. A Folha obteve com exclusividade o capítulo "Violência no Parto", que pela primeira vez quantificou à escala nacional, a partir de entrevistas em 25 unidades da Federação e em 176 municípios, a incidência dos maus-tratos contra parturientes.


Triste verdade, já presenciei esse tipo de abuso em DUAS maternidades públicas de Florianópolis, o Hospital Regional e a Carmela Dutra. Mas como sabemos não é apenas no público que isso acontece, os plantonistas das maternidades particulares estão esquecendo que são pagos para fazer um trabalho decente, respeitando a mulher e suas escolhas.

Eu sinceramente admito que sou pavio curto, se ver ou ouvir um caso assim pode ter certeza que esse médico jamais será recomendado a uma paciente minha, além do mais sou totalmente a favor de processos contra esses ''profissionais'', tanto no público quanto particular.

Mulheres: Escolham bem o obstetra que acompanhará seu pré-natal, busque informações sobre esse profissional, pergunte a outras mulheres, pesquise na INTERNET, até mesmo no ORKUT temos várias comunidades onde mães trocam figurinhas e experiências.
( Comunidades que recomendo: PEDIATRIA RADICAL, GRAVIDEZ PARTO & MATERNIDADE, MÃES DE FLORIANÓPOLIS, APOIO A GESTANTES PARTO NORMAL).

Maridos: Não deixem que elas passem por maus tratos físicos nem psicológicos, vocês podem e devem se impor, são duas vidas nas mãos de um médico(a), e esse atendimento pode criar traumas.

Dica: Sempre, sempre tenham doulas. Se o médico disser que não é a favor da doula, que doula atrapalha etc acredite, ele não é um médico a favor do seu parto. E ele não quer uma doula presente pois ele sabe que ela tem conhecimento suficiente para entender todas as decisões que ele fizer, que ela será sincera com a paciente quanto a necessidade e riscos.

Cristina De Melo
Téc. Enfermagem 
& Doula!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Como os bebês nascem?



Assim! Muitíssimo bem explicado e claro, fácil de qualquer um entender!
Adorei! Ps: No youtube tem muitos vídeos como este, do '' Baby Center'', recomendo todos!


Cris De Melo
Doula!

Matéria sobre Parto Natural!



Recebi essa matéria por uma lista que participo, e achei bem legal e importante de trazer ao blog. Só discordei de uma coisa, a opnião da profissional sobre o parto domiciliar. Ela disse que o parto é um processo único mágico, sublime do casal, que estão trazendo esse amor juntos, mas que esse tipo de experiência só pode acontecer em casa, que não tem como transportar esse sentimento para o hospital. Discordo totalmente, o parto hospitalar pode sim ser tão maravilhoso quanto um parto domiciliar, se o casal tiver uma equipe a favor do parto natural, um obstetra que respeite as escolhas da mulher ( existem sim profissionais assim), uma doula, etc.

O sentimento de amor, de alegria, e de realização acontece quando a mulher é respeitada e tem uma boa experiência, independente do local em que o bebê nasce. Algumas mulheres não conseguem se imaginar parindo em outro local além da sua casa, enquanto muitas não conseguem nem imaginar ter um parto que não seja hospitalar.

Isso vai da cabeça de cada uma, a mulher deve parir no local que se sente mais segura, seja em casa ou no hospital, e é fundamental uma equipe realmente a favor do parto natural. Parto em casa sem profissional qualificado, nem pensar!

Cris De Melo
Téc. Enfermagem & Doula!

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Dicas sobre amamentação 2ª parte!

Na foto: Christina Aguilera que amamentou Max também. Acho interessante mostrar que amamentação não é coisa de pobre, não é feio e não faz o seio cair. O que faz os seios caírem é o aumento de peso na gestação. Nos EUA não é comum amamentar, a maioria dos bebês já saem da maternidade com mamadeira na boca. E estudos mostram que cerca de 900 bebês por ano poderiam ser salvos se fossem amamentandos exclusivamente.

Como amamentar?

Ao dar de mamar, a mãe deve estar calma e não apressar o bebê.

- Quando o peito estiver muito cheio, antes de amamentar, a mãe deve fazer uma ordenha manual para amaciar a aréola. Com os dedos indicador e polegar, ela deve espremer as regiões acima e abaixo do limite da aréola para retirar algumas gotas de leite e amaciar o bico.

-Encostar o bico do peito na boca do bebê, para ele virar a cabeça e pegar o peito ( reflexo de busca). Ele sozinho sabe como fazer isto.
-Levar o bebê ao peito e não o peito ao bebê. Segurar o peito com o polegar da mãe acima da aréola e o indicador e a palma da mão abaixo. Isto facilita a “pega” adequada.

- O bebê abocanhando a maior parte da aréola suga mais leite e evita rachaduras.

-A mãe deve ouvir o ritmo cadenciado de sucção, deglutição e pausa.

Como saber que a “pega” está adequada?

- Boca bem aberta;
- Lábios virados para fora;
- Queixo tocando o peito da mãe;
- Aréola mais visível na parte superior que na inferior;
- Bochecha redonda (“cheia”);
- A língua do bebê deve envolver o bico do peito.

Quando oferecer o peito?

- Oferecer o peito logo após o nascimento, ainda na sala de parto, quer seja parto normal ou cesária Porque estimula a produção e descida do leite.
- Oferecer o peito sempre que o bebê quiser, de dia ou de noite, sob livre demanda. Porque quanto mais o bebê mamar, mais leite o peito produz.
- Oferecer um peito a até o bebê soltar e depois oferecer o outro. Não interromper a mamada, porque é importante dar de mamar até o final da mamada, que é mais risco em gurduras.
O leite do início “mata” a sede e protege o bebê, o do final “engorda”.
- Na próxima mamada, começar com o peito que o bebê sugou por último na mamada anterior, ou no que não mamou. Porque é importante retirar a maior quantidade possível de leite para
estimular sua produção.

Como terminar a mamada?

-
Geralmente, o bebê solta sozinho o peito.
- Se for preciso interromper a mamada, a mãe deve colocar a ponta do dedinho no canto da boca do bebê para que ele solte o peito sem machucar.
- Para o bebê arrotar, a mãe, o pai ou outro familiar deve levantá-lo e apoiar a cabeça no seu ombro e fazer uma leve massagem nas costas. É importante a participação da família neste momento.
- Outra posição para arrotar é colocar o bebê sentado no colo da mãe, inclinando-o para frente, apoiado com o braço da mãe, voltado para frente com as pernas flexionadas.
O peito não precisa de limpeza antes ou após as mamadas. O banho diário é o suficiente.

Vídeo informativo:

Cris De Melo
Doula!

Como usar a bola suíça no trabalho de parto 2!


Um vídeo muito legal com várias posições de Yoga para usar durante o trabalho de parto!
Aproveitem!!

Cris De Melo
Doula!

Como tornar o trabalho de parto mais fácil e rápido!


Durante o trabalho de parto são liberados três hormônios: a Ocitocina que é a responsável pelas contrações uterinas, a endorfina que é um anestésico natural do corpo e a Adrenalina que é liberada principalmente pelo frio e pelo medo.

Por isso é preciso ajudar o corpo a liberar mais ocitocina e endorfina e o menos possível de adrenalina.

Como? A parturiente precisa se sentir segura, para isso ela precisa estar informada de como tudo funciona, precisa de privacidade, apoio físico e emocional, liberando mais ocitocina.

O parto é um evento lindo e muito importante, e não um show para várias pessoas ficarem assistindo. Por isso é muito importante um acompanhante que ajude, que saiba o que fazer e não uma pessoa que fica nervosa atrapalhando a parturiente.
Em um ambiente quentinho e agradável ela ficará mais confortável podendo relaxar mais, meditar e desligar o neocórtex, liberando menos adrenalina.

É extremamente importante que essa parte do cérebro chamada neocórtex fique em descanso durante o trabalho de parto, a parturiente precisa se concentrar somente no que o seu corpo esta pedindo, esquecendo todo os resto. Conversas intelectuais nesse processo só atrapalham.

Como desligar o neocórtex?


Eliminando todas as formas de distração tais como: apagar as luzes deixando apenas uma luz fraca, eliminando barulhos e ruídos, evitar conversas racionais, manter a privacidade e conforto.

Um dos papéis da Doula é mostrar posições diferentes para o trabalho de parto, técnicas como o uso da bola suíça, banho quente, caminhar etc. Mas quem determina o que é melhor é a parturiente, ela precisa se concentrar no que o corpo esta pedindo.

O parto é um processo natural e fisiológico, todas as mulheres são capazes de parir, só precisam ser respeitadas.

Cristina De Melo
Téc. Enfermagem & Doula

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Dicas sobre amamentação 1ª parte! !

Amamentar é algo maravilhoso, eu amamentei 6 meses exclusivos apesar de ter que estudar na época, eu ordenhava e tirava o leite para Sofia todas as noites, achava também incrível ver os vidros cheios de leite, do meu leite.

Além de lindo é econômico, fácil, rápido e prático. Os benefícios são vários e não se compara o leite materno com leite artificial, o materno é infinitamente melhor. Esse post reune várias dicas para ajudar as mães que querem amamentar. Eu apoio a amamentação exclusiva e amamentação prolongada ( Sofia mamou até 1 ano e 6 meses).
Na foto, a linda Angelina Jolie, amamentando!

Vantagens da Amamentação:

A amamentação supre todas as necessidades dos primeiros meses de vida, para o bebê crescer e se desenvolver sadio. O leite materno é alimento completo porque:

*Contém vitaminas, minerais, gorduras, açúcares, proteínas, todos apropriados para o organismo do bebê;
*Possui muitas substâncias nutritivas e de defesa, que não se encontram no leite de vaca e em nenhum outro leite;
*O leite da mãe é adequado, completo, equilibrado. Ele é um alimento ideal. Suficiente para o seu filho;
*Não existe leite fraco;
*É feito especialmente para o estômago da criança, portanto de mais fácil digestão. Não existe leite fraco;
*O leite materno dá proteção contra doenças porque:Só ele tem substâncias que protegem o bebê contra doenças como: diarréia (que pode causar desidratação, desnutrição e morte),pneumonias, infecção de ouvido, alergias e muitas outras doenças;

- O bebê que mama no peito poderá evacuar toda vez que mamar, ou passar até uma semana sem evacuar. O cocô geralmente é mole.
- Dar de mamar é um ato de amor e carinho.Faz o bebê sentir-se querido, seguro.
- Dar de mamar ajuda na prevenção de defeitos na oclusão (fechamento) dos dentes, diminui a incidência de cáries e problemas na fala.
-Bebês que mamam no peito apresentam melhor crescimento e desenvolvimento. Trabalhos científicos idenficam que essas crianças são mais inteligentes.
- Ele é o alimento ideal, não sendo necessário oferecer água, chá e nenhum outro alimento até os seis meses de idade.

Não existe leite fraco:

O COLOSTRO é o leite que a criança precisa nos primeiros dias:

*O colostro é o primeiro leite que sai do peito e é produzido nos primeiros dias após o parto. É importante que o recém-nascido mame o colostro, porque ele contém tudo o que o bebê necessita nos primeiros dias .

*É produzido em menor quantidade, que é adequada para os primeiros dias. Pode ser claro ou amarelo, grosso ou ralo.

*O colostro é o alimento que defende o bebê de muitas doenças, por isso é comparado a uma vacina.

*Depois de alguns dias, o colostro vai mudando de cor.As crianças nascidas antes do tempo ou com peso baixo devem tomar o leite de suas próprias mães porque o leite produzido é especial para os mesmos, ou seja, o leite da mãe tem substâncias nas quantidades necessárias para os seus filhos.

O bebê deve mamar logo após o nascimento e todas as vezes que quiser:

*Como o leite materno é de digestão mais fácil, às vezes a criança quer mamar mais vezes.

*O número de mamadas pode variar:

*No primeiro mês, geralmente as mamadas são mais freqüentes.

*O bebê é quem escolhe o horário de mamar.

*O bebê é quem decide quanto tempo deve durar a mamada.

* Mamadas muito longas podem significar uma pega incorreta;

*O bebê precisa mamar um peito antes de passar para o outro. Assim ele toma o leite do final da mamada, que faz o bebê engordar.Não existe leite fraco. O leite do início da mamada é mais ralo porque contém mais água, açucar e fatores de proteção.

A qualidade do leite não está relacionada ao tipo de alimento que a mãe come.

Mamar errado faz a maioria das mulheres pensarem que o seu leite é fraco e isto não é verdade.

POSIÇÃO DA MÃE:

*A mãe escolhe a posição para dar de mamar:
*A mãe pode ficar DEITADA, SENTADA ou EM PÉ. O importante é a mãe e o bebê sentirem-se bem confortáveis.
*Se a mãe der de mamar DEITADA :
- A mãe deve deitar-se de lado, apoiando sua cabeça e costas em travesseiros para ficar mais à vontade.
-A mãe também pode dar de mamar recostada na cama.Com um braço, a mãe apóia o pescoço e o tronco do bebê, ajudando a aproximar o corpo do bebê ao seu corpo, e com a outra mão aproxima a boca do bebê do bico do peito. Ele próprio vai procurar o bico.

- Se a mãe der de mamar SENTADA :

- A mãe pode cruzar as pernas ou usar travesseiros sobre suas coxas, ou ainda usar embaixo dos pés um apoio para facilitar a posição do bebê, permitindo assim, que a boca do bebê fique nomesmo plano da aréola

POSIÇÃO DO BEBÊ:

- O corpo do bebê deve estar inteiramente de frente para a mãe e bem próximo (barriga do bebê voltada para o corpo da mãe).
- O bebê deve estar alinhado, a cabeça e a coluna em linha reta, no mesmo eixo.
- A boca do bebê deve estar de frente para o bico do peito;
- A mãe deve apoiar com o braço e mão o corpo e o “bumbum” do bebê.
- Aproximar a boca do bebê bem de frente ao peito, para que ele possa abocanhar, ou seja,colocar a maior parte da aréola (área mais escura e arredondada do peito) dentro da boca.
- Queixo do bebê tocando o peito da mãe.

SEGUNDA PARTE EM BREVE!

Cris De Melo
Doula!

Parto normal aumenta sensibilidade da mãe ao choro do bebê!

Parto normal parece favorecer elo natural entre mãe e bebê .


Pesquisa foi feita medindo ativação de áreas 'maternais' do cérebro.
Trabalho tem implicações para entender e até prever depressão pós-parto.


Uma pesquisa publicada na revista científica "The Journal of Child Psychology" sugere que pode haver um elo mais poderoso entre mãe que tiveram filhos por parto normal e seus bebês do que aquele que existe entre mães e seus filhos nascidos por cesariana. Segundo os pesquisadores, a primeira categoria de mães é mais sensível ao choro de seu próprio filho, a julgar pelo padrão de ativação cerebral materno, medido com a ajuda de ressonância magnética de duas a quatro semanas depois do parto.

Para ser mais exato, a resposta aumentada das mães de parto normal aparece em regiões do cérebro ligadas à regulação de emoções, motivação e comportamentos habituais. A conclusão faz algum sentido diante do aparente elo que existe entre o parto por cesariana e um risco aumentado de depressão pós-parto, verificado em mulheres, e também do cuidado diminuído com a cria presente em animais cujos filhotes não nascem por via vaginal.

Os conhecimentos atuais sobre o parto normal também indicam que ele ajuda a desenvolver os circuitos cerebrais ligados ao apego pelos recém-nascidos. Exemplo disso é a liberação periódica de oxitocina, o famoso "hormônio da confiança" (ou "hormônio do apego") durante o nascimento natural.

Menos ativas

"Queríamos saber quais áreas do cérebro ficariam menos ativas em mães que têm seus filhos por cesariana", diz James Swain, pesquisador do Centro de Estudos da Infância da Universidade Yale (EUA). "Nossos resultados apóiam a teoria de que variações nas condições de nascimento que alteram as experiências neurohormonais do parto podem diminuir a sensibilidade do cérebro materno humano no começo da fase pós-parto."


Outro detalhe importante: as mesmas áreas ligadas ao esforço do nascimento também influenciam o estado emocional da mãe. "Conforme mais e mais mães optam por ter filhos mais velhas, tendo, portanto, mais chances de passar por uma cesariana, esses resultados vão se tornando importantes. Podem, por exemplo, ajudar a identificar precocemente o risco de depressão pós-parto e atacar o problema", afirma Swain.


Fonte:
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL747057-5603,00-PARTO+NORMAL+AUMENTA+SENSIBILIDADE+DA+MAE+AO+CHORO+DO+BEBE+DIZ+ESTUDO.html


Pesquisa mostra que marcar o parto aumenta os riscos para a mãe!

Nos EUA, prática aumentou o número de partos cesarianos.
Pacientes perdem mais sangue e passam mais tempo no hospital.


Cientistas da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, divulgaram uma pesquisa dizendo que marcar data para o parto pode ter consequências negativas para as mães. Os números publicados pelo “Journal of Reproductive Medicine” mostram que elas perdem mais sangue e passam mais tempo no hospital que nos partos naturais.

O estudo acompanhou 485 mães que deram a luz do primeiro filho no centro médico da Universidade de Rochester em 2007. Por isto, os dados dizem respeito apenas ao primeiro parto de uma mulher e não devem ser levados em consideração caso a mãe já tenha filhos. Contudo, é uma análise confiável, já que os pesquisadores analisaram também as fichas médicas ao elaborar as estatísticas.

Aproximadamente 34% das mulheres que optaram pela indução tiveram parto cesariano. Dentre as que tiveram um trabalho natural de parto, apenas 20% precisaram dessa cirurgia. Os pesquisadores ressaltam que, embora seja muitas vezes vista como uma cirurgia simples, a cesárea aumenta os riscos de infecções e complicações respiratórias, além do tempo de recuperação.

“Os benefícios de um procedimento cirúrgico devem sempre superar os riscos. Se não há benefícios médicos para induzir o trabalho de parto, é difícil justificar a escolha por fazê-lo, uma vez que sabemos que aumenta os riscos para a mãe e o bebê”, afirmou Christopher Glantz, autor da pesquisa.

Dentre os motivos pelos quais o parto induzido tem ganhado adeptos, os cientistas listaram a conveniência de marcar o horário e a certeza de dar a luz com o médico que acompanhou a gestação.

“Como trabalhadora e mãe, sei o quanto pode ser tentador marcar um parto para pôr a vida em ordem, mas há motivo para os bebês ficarem no útero todo o tempo necessário”, disse Loralei Thornburg, professora da mesma universidade, especializada em medicina maternal e fetal.

''Os benefícios de um procedimento cirúrgico devem sempre superar os riscos"Christopher Glantz, autor da pesquisa

Fonte: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2011/02/pesquisa-mostra-que-marcar-o-parto-aumenta-os-riscos-para-mae.html

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Qual a diferença entre um parto normal e um parto humanizado?



Uma vez em uma palestra, um médico falou: '' Eu não sei por que hoje chamam de parto humanizado, parto sempre foi humanizado''.. e eu pensei: "Aham, tá bom, fala isso para as milhares de mulheres no mundo que tiveram partos tão traumatizantes que decidiram nunca mais passar por essa experiência, ou nem mesmo engravidar".

O parto normal, o comum, é aquele em que a mulher fica muitas vezes sem acompanhante do lado, que não tem escolha, fica a mercê de tudo e todos. Quando mandam deitar ela tem que deitar, ela não pode comer, ela não tem voz, ela é apenas mais uma no sistema.
Assim ela fica deitada numa cama durante todo o tp, sem ajuda de ninguém, no máximo mandam caminhar pra acelerar, mas não tem ninguém para fazer uma massagem, ensinar ao acompanhante, explicar posições, incentivar, etc.

A mulher se sente sozinha e indefesa no momento mais importante de sua vida. E quando chega a hora do nascimento, ela é deitada na maca, as pernas apoiadas pelas enfermeiras ou um ferro gelado, e deve fazer força quando mandarem fazer. Assim ela ignora totalmente os sinais que o corpo está dando, pois ninguém deixa que ela ouça, muitas vezes ainda tem uma pessoa empurrando a sua barriga pra baixo, pra ''ajudar'' o bebê a nascer enquanto o médico puxa e puxa.

A equipe falando, e até mesmo gritando, '' faz força mãezinha'' ''anda anda que esse guri tem que nascer'' '' na hora de fazer foi bom agora não grita''.
Para completar tudo isso, o médico ainda faz a bela episiotomia, cortando algo que foi feito para abrir naturalmente e lacerar se necessário. Depois que o bebê nasce, o médico segura de um jeito qualquer, corta o cordão, aspira o bebê e a mãe fica ali, ansiosa esperando conhecer o ser que carregou 9 meses.

É assim que se destrói o corpo e a mente de uma mulher, traumatizando-a em um momento que deveria ser empoderador e inesquecível.

Eu tenho pavor de partos assim, me dói assistir um vídeo desses, sinto dor pela falta de respeito a ambos.

O parto humanizado não é uma modinha, não é frescura, e não é nenhuma novidade. O que mudou é que hoje as pessoas estão conhecendo cada vez mais, as mulheres estão aprendendo que elas são as protagonistas de seus partos, e que elas mandam, e que ninguém pode ensinar a natureza de como agir, ela é que nos ensina.

Essa humanização já começa no pré-natal onde ela tem um obstetra que não se preocupa com o tempo da consulta, ele quer saber como a mãe se sente e esse bem estar vai além do bem estar físico. O incentivo ao parto natural começa assim, as verdades e não mitos, as verdades sobre os riscos da cesárea eletiva no presente e no futuro.

No trabalho de parto ela é acompanhada sempre pelo acompanhamente e muitas vezes pela Doula, trazendo segurança, apoio, conhecimento. Em casa ela relaxa e descansa até que as contrações fiquem próximas e intensas, no hospital ela encontra o seu médico ou muitas vezes plantonistas atenciosos, que dizem: '' Você esta indo muito bem'', ao invés de mandar e fazer terrorismo.

Ela é livre para caminhar, agachar, usar chuveiro, banheira, bola, namorar com o companheiro, rir, ouvir música, apagar as luzes, dançar, receber massagem e deixar que o trabalho de parto continue naturalmente. Quando chega a hora do nascimento, ela escolhe qual posição é mais confortável, sempre sendo incentivada a um parto vertical, ela fica de cócoras, de quarto, na água, ou se ela quiser ela pode parir deitada, mas na posição que ela gostar.
Sem episiotomia, sem gritos, apenas palavras de carinho e incentivo, deixando que ela faça força somente quando sente vontade, sentindo com a própria mão a cabeça do bebê, com um espelho ela vê o filho nascendo, e para os seus braços o filho vai antes ,de qualquer outra coisa.

Um parto humanizado é um parto onde mãe e bebê são respeitados, cada um no seu tempo, na sua maneira, como o corpo deseja. É um parto que toda vez que a mãe relembrar, ela vai sorrir, e vai chorar de emoção, sentindo a força que ela tem e que não conhecia.

Esse é o parto humanizado, o tipo de parto que eu nunca canso de assistir e acompanhar, o tipo de parto que transforma a mãe e todas as pessoas ao redor, o sentimento de amor na sala é palpável, é incrível!!!!!!! Ahh, um parto desses eu quero!!!!!! Eu queroooo!!!!!

E a cesárea?

Até mesmo a cesárea pode e deve ter uma assistência humanizada, com alguém ao lado da mãe dando carinho, conversando, sem amarrar seus braços, ela não vai fugir !
Quando for a hora de retirar o bebê pode-se abaixar o campo para que ela veja seu filho, e logo após os cuidados, colocar o bebê direto no peito da mãe, incentivando ali mesmo a primeira mamada, o primeiro contato, o primeiro colo.

Gestantes, não aceite ser apenas mais uma, lute a favor do seu parto e lembre que esse momento é do seu bebê também, querer o melhor para ele não é frescura. Tenha um obstetra a favor do parto natural, tenha uma doula, esse momento é único, não abra mão!

Abraços solidários
a todas as mulheres que passaram
por partos desumanos ou cesáreas
traumáticas!

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O Natural está fora de moda!


Ninguém mais acredita na natureza do corpo. O natural, tão falado e defendido na vida, está fora de moda na maternidade. O parto é um evento médico, algo arriscado, que precisa ser monitorado, observado, assistido com todo aparato tecnológico. Parir naturalmente é quase retroceder. Afinal, para que abrir mão da tecnologia para parir como faziam os antepassados?

Os religiosos dizem que Deus nos deu ferramentas para que possamos parir sem sofrimento e que negar a tecnologia é negar Deus. É um ato de desamor ao rebento. Esse tipo de pensamento busca validar o modelo vigente, em que mulheres são pacientes e nossos filhos “produtos conceptuais” que podem ser extraídos a partir de 37 semanas de acordo com as necessidades da agenda médica.

É tão mais cômodo sair com a malinha e voltar com um bebê. Tudo programado, certinho, asséptico, monitorado, fotografado. Mas, quem se beneficia? Os hospitais, os médicos, anestesistas, pediatras e toda indústria que lucra com nossa descrença na natureza.

Ninguém fala que o pulmão da criança não está pronto e é a maturidade que dá início ao trabalho de parto. Se quiser fazer cesárea, pelo menos espere o início do trabalho de parto. É algo não programável, mas um ato de amor e respeito em relação a vida que está no nosso ventre e sob nossa responsabilidade. E procure saber o que acontecerá com seu filho quando ele nascer. Faça desta passagem algo menos traumático possível. Mesmo se todo mundo faz isso ou aquilo, você pode escolher. Basta assumir a responsabilidade, as rédeas que serão fundamentais em toda a maternagem.

O mundo sempre terá na manga uma medida tecnológica para fazer acreditar que sua natureza não é perfeita. Mas quero ver o dia em que inventarão árvores de borracha, animais eletrônicos, ar e vida para suprir o que estamos eliminando dia a dia em nossa valorização tecnológica. Talvez, em pouco tempo, bebes serão gerados fora do corpo, com óvulos e espermatozóides pré-selecionados. Fazer um bebe por vias naturais poderá ser um crime, peitos como fonte de alimento, um ato sexual.

Eu acredito que a tecnologia deveria ser usada quando os recursos naturais verdadeiramente falharem. Que as pessoas cuidem de seus corpos, com alimentação física e espiritual, bem antes da concepção. Afinal, o óvulo já está no corpo desde que nascemos. Assim a junção de moléculas de carbono disponíveis no universo aconteça com a máxima qualidade. Que possamos ter pensamentos amorosos e uma gestação tranqüila. E que o parto seja uma grande viagem.
Que cada contração seja um ato de amor. Em que se escolhe trazer ao mundo um bebe sem medicamentos em seu cérebro, para que ele reconheça isso por toda vida. Que opte por não ter anestesia para que o bebe esteja desperto e seja recebido por braços fortes e uma mãe consciente.

Que o pós parto seja um reconhecimento sem camadas de tecidos cortadas, sem a batelada de medicamentos que se toma depois de uma cirurgia. Que o peito seja exclusivo até 6 meses e até quando for prazeroso para ambos.

Claro que as vezes as coisas acontecem fora do nosso controle. Existem as cesáreas necessárias, a veradeira restrição da amamentação. A maternidade não se resume a via de parto. Não se resume ao tempo que o bebe mamou no tempo. É o conjunto da obra que faz diferença.

Somos resistentes de um sistema. Acredito que em pouco tempo seremos raridade. Afinal 80% das mães são submetidas a uma cirurgia para fazer nascer seus bebes e a média de amamentação é de 23 dias. Amamentar em público é tão raro que gera desconforto. Dar peito para uma criança é quase como ser refugiada de um tempo antigo.

Mas que possamos permanecer na resistência, em busca de um nascimento ecológico e uma maternagem natural.
FONTE: BLOG DAS MAMIFERAS

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O patinho feio e o pato Obstetra!




O Patinho Feio o Pato Obstetra...

A Mamãe Pata vê eclodir nove dos seus dez ovos. O décimo demora a se quebrar. Aflita, Mamãe Pata chama o Pato Obstetra. Com toda sua sabedoria, o Pato Obstetra vem avaliar o ovo. Ele não se preocupa em
conversar com a Mamãe Pata para obter informações.

Talvez, se ele tivesse feito algumas perguntas, teria desconfiado de que aquele ovo não era dela e que, não sendo um ovo de pata, demoraria mais para eclodir. Não, o Pato Obstetra é um pato muito ocupado. Ele mede o ovo, escuta o foco e constata que o ovo não está dando nenhum sinal de que irá se quebrar.

Ele terá de marcar uma cesárea.
- Mas, Dr. Pato, não seria melhor aguardar mais um pouco?- indaga
Mamãe Pata, muito triste.

- É muito arriscado, minha senhora- afirma o Pato Obstetra.
Ele ia dizer que o patinho poderia se enrolar no cordão, mas lembrou a tempo que ovo não tem placenta.

- O patinho pode passar da hora de nascer ou fazer cocô dentro do ovo. Isso teria conseqüências terríveis

- Eu poderia ajudar bicando o ovo por fora- tenta Mamãe Pata. - Eu sempre fiz isso.

- Nem pense nisso, minha senhora. A senhora já provou a sua incompetência ao botar um ovo que não se eclode espontaneamente. Não faça mais nenhuma besteira!

E marca a cesárea para o dia seguinte, às 12 horas. E deixa a Mamãe Pata tão triste que ela até se esquece de chocar o ovo, convencida que está de sua ineficiência. O ovo teria eclodido naquela noite, mas sem o calor maternal de Mamãe Pata, isso não ocorre. No dia seguinte, o Pato Obstetra realiza a cesárea. Imagino a cara do infeliz ao dar de bico com aquela criatura pescoçuda e desengonçada!

Uma outra hipótese: a cesárea está marcada às 12 horas do dia seguinte. Mamãe Pata, muito amuada deita-se sobre seu ovo, por puro instinto. Então, ela escuta um "toc toc" muito baixinho - é o ovo que começa a eclodir! Mamãe Pata já conhece aquilo muito bem, afinal é mãe de nove patinhos. Mas o Pato Obstetra a deixou tão convencida de que aquele ovo não iria abrir espontaneamente que ela se apavora. Sai desesperada em busca do Pato Obstetra.

O Pato Obstetra vem, sonolento, lamentando não ter feito a cesárea no dia anterior.
Ele examina o ovo e tira uma triste conclusão (para ele): o ovo está começando a eclosão agora e provavelmente vai levar a noite inteira até que o processo se complete.

Então ele tem uma idéia brilhante, tão brilhante que ele se admira de nunca ter pensado nisso antes: - Mamãe Pata, precisamos fazer a cesárea urgente. O patinho está com o cordão enrolado no pescoço!

- Que cordão? -estranha Mamãe Pata.

- Isso não importa agora
- desconversa o Pato Obstetra.
-É caso de vida ou morte! E põe-se a bicar freneticamente o ovo até livrar o patinho de sua casca. E dá de bico com aquela criatura pescoçuda e desengonçada!

Somado à estranheza habitual que seu aspecto causa no galinheiro, o Patinho Feio ainda tem de lidar com a prematuridade a que foi submetido. Frágil, vira alvo ainda mais fácil das aves do galinheiro.

Mamãe Pata, agora inteiramente convencida de que seu corpo é incapaz de gerar um ovo perfeito, dependerá eternamente do Pato Obstetra para abrir todos os ovos de suas próximas ninhadas. Seu sentimento de culpa por não ter pedido a cesárea antes a impede, ainda, de expulsar o Patinho Feio do galinheiro.

Por isso, ele jamais encontrará com sua verdadeira mãe e nunca saberá que é um cisne.

E o Pato Obstetra vive feliz para sempre. Muito famoso e respeitado, afinal todas as patas da região dependem completamente dele para abrir os seus ovos.

Todas temem que seus patinhos demorem a nascer ou que o cordão enrole no pescoço (que cordão? bem, não importa). Ouvem-se histórias terríveis de patinhos que nasceram com o pescoço de 2 metros de comprimento porque suas mães esperaram a eclosão espontânea dos ovos.

Dra. Cristiane Rodrigues, Ginecologista e Obstetra, São Caetano do Sul, SP

PS: Recebi por email por uma doulanda e achei legal de divulgar. Espero que gostem.

Ana Maria mostra fotos da netinha Joana e faz declaração de amor à filha !


video

No Mais Você desta segunda, Ana Maria Braga mostrou fotos exclusivas da netinha Joana, que nasceu no último dia 4 de fevereiro. A apresentadora aproveitou para fazer uma emocionada declaração de amor à filha Mariana. “Ela é uma mulher muito corajosa. Sabia que era uma mulher especial, mas não sabia tudo isso, viu Mariana? Você teve coragem, vontade de ser mãe e mostrou a mulher de fibra que é”, disse Ana. “Sempre tive orgulho, mas você me emociona a cada dia. Obrigada pelo presente. Te amo”, declarou-se.


A apresentadora ainda agradeceu pelo carinho de todos que perguntaram sobre Joana e contou que o parto foi natural e tranquilo. Mariana teve a filha em casa, com a ajuda de duas parteiras e de uma doula. “Não nasceu com cara de joelho”, brincou Ana, que tem babado a netinha diariamente.


Parabéns e felicidades a todos!

Shantala no programa ''Estrelas''

Feliz da vida por estar na função “mãe” 24 horas por dia, Juliana Knust foi ao Estrelas conhecer a Shantala, uma técnica de massagem indiana que aproxima ainda mais a relação entre e mãe e filho, além de ser relaxante e saudável para o bebê. “ Faço uma massagem intuitiva, passo um creminho nele depois do banho, mas só. Ouvi falar muito bem da Shantala”, conta a atriz.

A instrutora Denise Gurgel explicou que essa massagem, prática milenar na Índia e descoberta em 1970, pode ser praticada a partir do primeiro mês da criança “Assim que o umbigo cicatrizar, já pode começar. Quanto mais cedo,melhor”, disse ela. Durante a aula, Juliana aprendeu a fazer os movimentos da Shantala e questionou a possibilidade de colocar uma música durante o procedimento. “A idéia é que o contato com o bebê seja corporal, e não verbal”, afirmou Denise.

A atriz falou também sobre a maternidade. “Não dá para imaginar o que é, você não consegue descrever o que você sente nem depois que você tem o filho”, declarou. A matéria ainda não tem data para ir no ar!