terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Banho de balde ou banheira??

Especialistas indicam que o primeiro acessório é mais anatômico, simula o útero materno e diminui o desconforto do bebê.

Banho de bebê costuma vir acompanhado de trilha sonora – ou seja, muito chororô. Uma das explicações, segundo especialistas, é que, quando os pequeninos entram em contato com a água, logo se lembram do meio aquático do útero, um lugar fechado, escuro, quente e seguro. Quando percebem que estão em um ambiente claro, menos aquecido e aberto, ficam tensos.

A partir dessa constatação, obstetras e parteiros de maternidades na Holanda criaram em 1997 um baldinho pensando em transmitir ao bebê recém-nascido (até os 6 meses de idade) uma transição tranquila do útero para o mundão. “É como um miniofurô: os bebês ficam em posição fetal, submersos do pescoço para baixo, e relaxam automaticamente”, diz Ana Cristina, parteira do Gama – Grupo de Apoio à Maternidade Ativa.

Um balde comum (dos mais resistentes) custa cerca de 15 reais. Já o Tummytub (foto), que chegou ao Brasil há um ano, sai em média por 120 reais, mas é específico para os nenês: o plástico é atóxico, sua base é antiderrapante e há um centro de gravidade que permite estabilidade e segurança no banho. Dá para ver a lista de lugares onde é vendido no site da empresa: www.tummytub.com.br.


Ps: Eu sempre compro para cada paciente um balde para o banho do bebê. o de 16,5 litros, e é super resistente.
Na foto: Ian ( filho da Simone) tomando banho de balde, que pezinhos lindoooooooooooooos, eu amo essa foto!

4 comentários:

  1. Oi, Cris... Eu gosto muito do seu blogger e é uma das minhas leituras obrigatórias, mas tem uma coisinha nele que me CHOCA... É um 'adesivo' que tem do lado direito dizendo "cesárea não é parto".

    Sim, eu sei que no Brasil PN tem se tornado quase uma raridade, mas nem por isso devemos ou podemos descriminar a cesáreas, que são partos sim e que salvam vidas, em muitos casos. Vou te contar apenas DOIS dos quais presenciei e vivi intensamente:

    1. Minha amiga de longa data foi morar na França, com o marido, aonde engravidou e teve a Laura, vc pode checar toda a situação nesse flog, se tiver duvidas [ http://fotolog.com/mon_bebe ]. O fato é que Silvia chegou ao fim da gestação e nas últimas semanas vinha se queixando de dores intensas. Por fim o trabalho de parto começou... Foram e mais horas. Silvia relatando em BOM FRANCÊS que tudo estava insuportavel demais e o que recebia em troca era que aquilo era 'frescura de latina'. Sem mais delongas eu te digo que o útero dela se rompeu, Laura ficou 13min sem respirar e só vieram NOTAR isso qndo Silvia teve uma convulsao. Mae e bebê para UTI... Silvia, pouco tempo depois recebeu alta, mas a bebê NUNCA VEIO PRA CASA. Teve paralisia cerebral cevera por hipoxia e viveu apenas 1 ano e 3 meses, mas nunca recebeu alta do hospital. Silvia teve outra bebê, recentemente, por milagra divino. Amamentou exclusivamente, muito leite, mesmo sendo um parto cesáreo. Mas essa familia foi dilacerada de uma forma que nunca mais se recuperou.

    2. Um amiga minha, defensora como eu do PN, levou sua gestação até o fim com a idéia fixa de PN. Aproximadamente até as 41 semanas. Seu bebê teve SAM, uma cesarea de emergencia teve que ser feita. O bebê ficou 28 dias em UTI, teve duas paradas cardiorespiratorias, foi dado como morto, mas voltou. E hoje está saudável aos 6 meses.

    Te reservo TODO o direito de nao aceitar ou até mesmo deletar esse comentario, mas quando Silvia me disse: EU NAO FUI AO PARTO DA MINHA FILHA, QUEM FOI AO PARTO FOI O MÉDICO, EU FUI AO NASCIMENTO DELA, algo tocou em mim. Devemos SIM defender o melhor para nós, mulheres, mas não podemos descriminar outras formas de nascer e pra mim, ver algo escrito dizendo que parto cesáreo não é parto é algo agressivo demais.

    Por conta da cesárea que minhas amigas não morreram. Radicalismo não leva a nada, a nao ser incompreensão.

    Um abraço, parabéns pelo seu maravilhoso trabalho!!!
    Fabíola.

    ResponderExcluir
  2. OI Bi, primeiro eu digo que tens todo o direito de expressão, principalmente quando você é educada e não ofende ninguém.

    Quando ao 1º caso eu acompanhei todo o caso da Laura, da Silvia, eu sempre acompanhei o flog dela, a gestação e lamentei MUITO o que aconteceu. Fiquei muito feliz quando voltei a ver o blog ( que eu tinha parado apos a morte da Laura) e vi que ela estava gravida de novo, continuei acompanhando e torcendo, e o bebê veio cheio de saúde. Fiquei muito feliz!
    Infelizmente o que aconteceu com a Silvia que resultou nos problemas da Laura foi o PÉSSIMO atendimento que tiveram com ela, se não me engano ela já tinha um cesárea anterior, não tiveram os mínimos cuidados, nem quando ela relatava que a dor era anormal. Infelizmente no mundo todo esse tipo de coisa acontece, e resulta nessas tragédias. Não foi culpa do parto normal ou do médico forçar o parto, e sim a falta de humanidade, respeito e ética ao lidar com a paciente. Pura negligência!

    2º Caso, Estudos comprovam que é seguro aguardar o trabalho de parto espontaneamente até 42 semanas desde que sejam realizados exames semanais para certificar de que tudo esta bem.
    Durante o trabalho de parto também é fundamental que a gestante seja monitorada na maternidade, assim como o BCF, para evitar. A sindrome de aspiração do mecônio é uma complicação rara, e não é difícil de diagnosticar. Infelizmente obstetricia é uma caixinha de surpresa, nenhum parto é 100% seguro, nem a cesárea.

    O adesivo "Cesárea não é parto" significa isso, mesmo, cesárea não é parto, é CIRURGIA.
    Uma maravilhosa intervenção médica quando existe necessidade, quando bem indicada, quando o parto vaginal não existe. Não é ser radical, EU passei por uma cesárea, sou a favor do parto natural humanizado enquanto mãe e bebê estão saudáveis, mas jamais vou apoiar colocar em risco a vida de ambos por capricho de um parto natural. Assim como não apoio colocar a vida de ambos em risco por um capricho de uma cesárea eletiva sem indicação médica.

    Eu passei por uma cesárea, e te afirmo, cesárea não é parto. Eu não tive trabalho de parto, eu não empurrei a minha filha pra fora, eu fui levada para o CENTRO CIRÚRGICO onde a médica abriu cirurgicamente o meu abdomem e todas as camadas de pele e membrana, e tirou ela, cirurgicamente. Cesárea se você pesquisar, é uma cirurgia de grande porte. Não é parto.
    E se procurar no dicionário o significo de parto você vai encontrar: Ato de parir, de dar à luz.

    Não é uma ofensa, é uma realidade, é técnico, é medicina. Espero que entenda.

    Bjs
    Cris

    ResponderExcluir
  3. Eu tive uma desnecesaria,por "sofrimento medico",e assim como a Cris,nao pari,não tive um parto,passei por uma cirurgia.Não fico nem um pouco ofendida qdo leio que cesárea não é parto,concordo com essa afirmação!Brinco ate q Analú não nasceu,foi nascida,rs.
    É so um termo tecnico,nada mais!Cesarea não é parto,é via de nascimento,cirurgia.Mas não é por isso que deixa de ser importante e salvar vidas!

    ResponderExcluir
  4. Não acho que uma imagem como essa da lateral seja um radicalismo.
    Radicalismo seria se a Cris dissese que a cesárea é um dersserviço a humanidade. Que ela não deveria ter sido inventada jamais.
    A cesarea é uma cirurgia que como todas as outras foi inventada para trazer segurança, zelar a vida humana.
    O que acontece é que desde que os medicos em hospitais publicos ganham mais com um parto desse, eles tem sido muito mais recomendados. Uma pessoa sem a informação correta, acata tudo que o GO diz, e acaba indo para cesareas eletivas, colocando sua vida e a vida do bebe em risco. Ou entao por comodismo do medico. Já que um parto normal pode demorar e nunca se sabe ao certo a hora que o medico precisará agir.

    Eu passei por uma cirurgia dessas.Ainda nao sei se foi necessaria, mas nao a digeri.
    Só me sentirei satisfeita quando eu parir em casa, naturalmente.

    ResponderExcluir