quarta-feira, 28 de julho de 2010

Eu Acredito!!


Eu acredito em você, acredito na força do seu corpo, da sua natureza. Se você foi capaz de gestar, vencendo as raras estáticas que fazem acontecer a vida humana, você tem plena capacidade de parir. Eu acredito em você e torço para que esqueça as dores dos outros, as experiências alheias, as referências de dores do mundo. Esqueça os diagnósticos médicos que tentam exaltar sua incapacidade.

Eu acredito em você e mais ainda que você deseja ardentemente o melhor para si e para seu bebê. Eu acredito que você espera que sua natureza trabalhe e que você sinta, como um corpo no oceano, que se aproxima de uma praia paradisíaca. A cada onda você se aproxima. E quando estiver mais perto do continente, a maré ficará mais forte. Simplesmente solte seu corpo e confie na força da natureza. Ela é você.

Ao invés de pensar no que pode falhar, não dar certo, do que está fora dos protocolos, pense no evento do nascimento como uma festa. Prepare uma deliciosa mala de comida, com aquilo que você quer eternizar em sua memória. Lembre que mesmo sem lucidez você lembrará do nascimento de seus filhos com uma riqueza de detalhes impressionantes.

Pense nas músicas que você quer ouvir durante sua viagem ao seu interior. Sim, vivenciar o parto é mergulhar dentro de si e nesta floresta escura e desconhecida, viver a mais fantástica aventura espiritual e humana. Escolha sua trilha sonora. Se você canta, ensaie para seu filho. Cantar ajuda a aliviar as tensões, a relaxar o assoalho pélvico e faz a dor ficar bem mais amena. Se seu marido toca viola, escolha canções para ele cantar para você. Façam um lindo dueto como o fizeram quando colocaram esta alma neste mundo.

Escolha um lugar que você se sinta bem para receber esta vida. E mais ainda, aonde você tem poder de negociar, de escolher o que comer, o que ouvir, onde sentar ou caminhar. Escolha, sobretudo, um lugar onde olhem para você não como uma bomba relógio a explodir a vida, mas como um corpo sagrado que é capaz de parir divinamente.

Escolha pessoas que acreditam em você, que acreditam em sua natureza de fêmea, de mulher, na força do feminino. Essas pessoas lhe darão fé para continuar, para lembrar a razão de suas escolhas. Escolha alguém para segurar em suas mãos, olhar nos seus olhos e dizer: Estamos quase lá, você está indo muito bem.

Escolha por um ambiente que seu filho seja tratado com amor, que possa ficar mais tempo possível com você e de preferência, que não se separem nem por um momento. Opte por um lugar que você pode negociar protocolos com a pediatria. Se informe sobre tudo possível e se precisar, peça ajuda para pessoas que já passaram pela experiência e conhecem de perto o modelo obstétrico e pediátrico.

Faça do momento de nascer uma celebração da vida, uma grande festa, com música, boa comida, boas lembranças e boas companhias. Não permita que um penetra estrague sua festa e roube sua cena. Tenha fé naquilo que trouxer mais luz e conforto ao seu coração, porque a fé cria uma possibilidade incrível de fazer as coisas darem certo. Não falo em fé religiosa somente, falo da fé em si mesma, na força da natureza, na certeza de que somos perfeitas para gestar e parir.

Lembre-se: nunca é tarde para mudar. Enquanto o bebê estiver aí na barriga há a chance de escrever um novo fim. Eu mudei com 37 semanas. Até no dia do nascimento mudar é possível. Prepare o nascimento como quem faz uma celebração. Eu acredito na força da vida e tenho certeza que você também.

Por Kalu Brun e http://www.mamiferas.blogspot.com/

Apoio e acredito totalmente!!!!!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Acompanhantes no parto: como escolher?


O parto é uma das experiências mais marcantes da mulher, seja ela passiva ou ativa na ocasião que ele ocorre, e pode também se transformar num dos melhores momentos de sua vida. Mas do que isso depende? Quais são os fatores que determinam o instante do parto como bom ou ruim?

É bem verdade que existe uma gama infinita de pontos que se perpassam e alguns fogem ao nosso controle, mas a maioria deles é controlável.
Engraçado falar em controle quando se fala de parto! Entretanto, algumas variáveis podem ser dominadas, como estar preparada (não 100%, pois em tudo o que é novo e envolve uma alta carga emocional não há como ter preparo total) emocional e fisicamente e, principalmente, ter um bom acompanhamento no parto. E quem são os acompanhantes de parto? São aqueles que estão lá na hora. Podem ser acompanhantes profissionais ou não — isso não é o mais importante. O importante é que sejam acompanhantes (um ou mais) de SUA escolha.


Acompanhante profissional pode ser uma doula, uma psicóloga, uma fisioterapeuta ou outro profissional de parto. Acompanhante não profissional pode ser a mãe, a sogra, a avó, uma amiga, o marido. Um não exclui o outro. É possível, inclusive, ter vários deles (uma doula, a mãe e o marido, por exemplo).
Mas não convém ter muitas pessoas por perto, pois nossos esfíncteres são tímidos. Há gente que não consegue nem fazer xixi se tem alguém junto, imagine parir (o que você não faz todos os dias, nem várias vezes por dia, ou durante muitos anos)! Já vi partos com muitos acompanhantes darem certo, mas porque foi uma opção da mulher. E porque parto não é matemática!


Um acompanhante profissional de parto pode ajudar o marido a apoiar a mulher, orientando quanto às posições adotadas, aos movimentos realizados pelo casal (como dançar, caminhar apoiada) e aos pontos corporais que podem ser massageados.
É sempre importante respeitar a vontade da mulher no instante do parto. Mesmo que o casal tenha realizado um curso de preparação para o parto, tenha treinado e ensaiado esse momento diversas vezes, praticado as massagens e optado por tais ou quais posições, se a mulher, na hora do trabalho de parto, agir de forma estranha, rejeitando qualquer combinação previamente acertada, deve-se entender que isso é normal e precisa ser respeitado. Nessa oportunidade, a parte do cérebro que precisa entrar em ação é a primitiva.

Parto é instinto. O estudo ajuda e acalma, mas o instinto fala mais alto muitas vezes. E, nesses casos, tentar impor qualquer restrição ou comportamentos mecânicos e estereotipados só vai atrapalhar o processo — e não é essa a intenção ao se acompanhar um parto.
O objetivo do acompanhamento de parto é fazer a mulher se sentir segura, amada, amparada e (pasmem!) diminuir o uso das anestesias — que se sabe tão prejudiciais aos bebês no momento do nascimento — e até das cesarianas. Quanto mais relaxada a mulher estiver, menos dor sentirá. E novos estudos já provaram que poder olhar para quem se ama tem importante efeito anestésico.

Então, faça valer seus direitos! Toda mulher, independente da assistência recebida (se em hospital particular ou público), tem como um direito, garantido por lei, poder escolher o acompanhante de sua preferência.
Escolha com seu coração e tenha uma boa hora!

Isane Larrosa Cardoso D'Avila é psicóloga, membro do Association of Prenatal and Perinatal Psychology and Health e da organização internacional La Leche League. É ativista da Parto do Princípio e atua principalmente nos seguintes temas: gestação, parto, pós parto e amamentação. Visite seu blog: http://blogdagestante.zip.net/

Fonte: http://idmed.uol.com.br/Gravidez/Gestantes/acompanhantes-na-hora-do-parto-como-escolher.html

http://abolsadadoula.blogspot.com/2010/06/acompanhantes-no-parto-como-escolher.html

terça-feira, 13 de julho de 2010

Uma cesárea, para sempre cesárea???


Quantas mulheres já ouviram falar que quem faz uma cesárea não pode ter parto normal depois? Poisé, isso é mito! Além de poder, estudos mostram que os riscos são mínimos e que as mulheres devem considerar essa idéia!!

Ter um parto vaginal após uma cesárea tem nome, VBAC ( vaginal birth after c-section) em português " Parto Vaginal após Cesárea".
O parto é um momento único na vida da mulher e a cesárea pode salvar vidas, mas quando feita sem necessidade ela coloca em risco a vida da mãe e do bebê, no momento e a longo prazo.

O que é preciso para ter um VBAC?
Em primeiro ter um Obstetra que apoie a idéia, médicos cesarianistas vão tentar empurrar outra cesárea. Além disso o recomendado é que tenha um intervalo de 2 anos da cesárea para o parto ( porém é possível fazer com menos tempo), quanto maior intervalo maiores as chances de sucesso. Mulheres que entraram em TP antes da cesárea tem maiores chances de sucesso do que as outras.

É possível ter um VBAC domiciliar?
Sim, e no exterior é comum. Porém, depende do médico também, mesmo médicos humanizados seguem protolocos diferentes.

É seguro?
Sim, o risco de ruptura uterina é de apenas 0,5% ou menos. O parto vaginal após a cesárea é mais seguro do que ter outra cesárea. Porém, é preciso avaliação individual da paciente e como a cesárea anterior foi feita.

Pode induzir o parto em caso de VBAC?
Sim, mas não com ocitocina. Ela pode ser usada para conduzir o parto, isso é aumentar as contrações e acelerar o parto. Para indução do parto em caso de VBAC são usados outros métodos!

Se você quer ter um Parto Normal NÃO desista, vá atrás, encontro o médico certo para você, contrate uma Doula e lute!!!

Na Foto: A querida Gisele, que buscou, lutou e CONSEGUIU o seu VBAC ( parto vaginal após 2 cesáreas). Blog dela: http://mulheresempoderadas.wordpress.com/

terça-feira, 6 de julho de 2010

40 semanas e nada!!! O que fazer???


Ainda não nasceu?? Quando que vai nascer?? Não vai marcar a cesárea?? O bebê não vai passar do tempo?? Essas são as famosas frases que toda mãe escuta no final da gestação, a família e os amigos querem ajudar mas só atrapalham e a mamãe fica ainda mais ansiosa!!! Será que eu nunca vou entrar em TP??

O que é preciso lembrar é que apenas 5% das gestantes dão a luz na data prevista, a maioria da a luz uns dias depois. Na verdade, a data prevista, apontada pelo médico no início da gravidez, não é mais do que uma referência. Uma gravidez só é considerada pós-termo depois de ultrapassadas as 42 semanas.
Em muitos países europeus, só se faz indução por rotina às 42 semanas e não às 40 ou 41 como acontece no Brasil.

Quem ultrapassa as 40 semanas de gestação, parece que fica, de repente, com um problema. Quando na verdade, é uma situação perfeitamente normal. Já ultrapassar as 41, conseguindo evitar uma indução, é uma verdadeira raridade no nosso país.

Se está nesta situação, sentindo-se pressionada pelas datas, pelos médicos, pela família, pode tentar alguns métodos naturais de estimulação do trabalho de parto. Estes métodos só irão funcionar se o colo do útero estiver maduro, ou seja, se o trabalho de parto estiver na realidde para breve. Caso contrário, não terão qualquer efeito, ou seja, também não têm contra-indicações, portanto não perde nada em tentar.

Sexo
A atividade sexual pode fazer desencadear o parto por duas vias. Por um lado, o esperma contém prostaglandinas (hormonas envolvidas no parto), que amolecem a cérvix e promovem o apagamento do colo do útero. Alguns dos medicamentos usados na indução do parto, no hospital, são precisamente prostaglandinas sintéticas. Não pense, contudo, que o esperma poderá trazer riscos antes do final da gravidez, desencadeando partos prematuros. Ele só poderá ter algum efeito se o colo do útero estiver já em processo de amadurecimento.

Por outro lado, o orgasmo feminino também pode ter o seu papel no desencadear do parto, pela grande libertação de ocitocina que provoca. Esta é outra das hormonas também envolvida no processo de parto fisiológico. E também, na sua forma artificial, na indução do parto no hospital.

A estimulação dos mamilos também conduz à produção de ocitocina e às contracções uterinas. Pode usar este método sozinha ou acompanhada, no contexto da actividade sexual ou não.

Caminhar
É um dos conselhos dados por todos os médicos na fase final da gravidez: «Ande muito» Estar em posição vertical e caminhar pode ajudar o bebê a descer mais um pouco. Mesmo com o trabalho de parto iniciado, convém caminhar, manter-se na vertical, podendo pôr-se de cócoras na altura das contrações.

Aproveite para dar grandes passeios. Se estiver cansada, descanse um pouco e depois recomece. Vá bebendo água. E conversando com o seu bebê.

Comida picante
É uma boa altura para ir a um restaurante indiano ou tailandês. Abuse do picante. Estes temperos são tradicionalmente conhecidos pelo seu poder de desencadear o parto. Acredita-se que a pimenta e outras substâncias picantes podem aumentar a produção de endorfinas (presentes quando o corpo está relaxado, dão bem-estar). Apesar de não haver estudos científicos a prová-lo, é um método inócuo, sobretudo se for fã deste tipo de pratos.

Acupuntura
Há certos pontos do organismo que quando pressionados desencadeiam contrações uterinas. Tal como pode ajudar no desenrolar do parto, a acupuntura pode ajudar a iniciar o processo. Mas só deve ser feita por um profissional experiente e credenciado.

Plantas medicinais
Chás de gengibre, cravo e canela podem ajudar a desencadear o parto.

As emoções:
Estar preparada emocionalmente para a chegada do bebé é um pressuposto essencial para que o parto se inicie. A preparação para o parto se faz na cabeça e no coração. Por vezes, são bloqueios emocionais que estão a impedir o trabalho de parto. Converse com alguém da sua confiança. Abra-se e verá que tudo correrá bem!!!!

Relaxe, seu bebê nunca esteve tão próximo e quando você menos esperar o trabalho de parto irá iniciar!!!!!

Cris De Melo
Téc. Enfermagem
& Doula