sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Entrevista com Simone mamãe do Ian!!


Mandei para as minhas pacientes um questionário com 10 perguntas, para que elas contem como foi a experiência, o que é mais difícil e tudo mais que acham que pode ajudar outras gestantes. A Mariana, Vanessa ,Cristina ,Roberta e Simone responderam e me enviaram, e aqui vai! Espero que gostem, e que isso possa ajudar vocês!

1- Por quê você decidiu ter uma Doula?

Decidi ter a assistência de uma doula porque me sentia um pouco insegura para a hora “h”, não tenho mãe nem sogra por perto para me dar aquele devido apoio psicológico e mesmo que tivesse sei que não suportariam por muito tempo me ver em trabalho de parto, logo,logo iriam deixar que me levassem para uma cesárea desnecessária, o maridão sempre presente, também não suportaria por muito tempo essa minha vontade de ter um parto natural, e eu já sabia que na hora das contrações eu não teria condições de estar negociando minhas vontades com os médicos e enfermeiras, coisa que no final aconteceu... Disse não ao soro e a analgesia enquanto minha querida doula trocava de roupa para entrar no centro cirúrgico.

( Cris: Tenho que falar que me enchi de orgulho quando cheguei e te vi mandando no TEU parto!)

2- Como descobriu que era uma doula e como escolheu a sua?

Fiz parte de um grupo de gestantes e lá ouvi comentários sobre a existência de doulas, e fui pesquisar na internet sobre, depois no mesmo grupo uma das colegas enviou um e-mail para o grupo todo com o blog da doula que ela havia escolhido e também o site das Doulas do Brasil, site esse que vasculhei todo, e logo após dei uma boa vasculhada no blog da doula, e fiquei bem impressionada com tantas informações que havia nesse blog, e informações essas bem claras, com uma linguagem fácil de entender, também me identifiquei muito por a doula ser uma menina, jovem, com idéias atuais e que já tinha passado por uma cesárea desnecessária, então já tinha uma bagagem, e isso me chamou bastante a atenção.

3- Como foi ter uma doula no parto?

Como foi??? Maravilhoso, “tududibom” foi o melhor investimento que eu poderia ter feito!!!! Tranqüilidade e segurança total.

4- Como foi o trabalho de parto e parto? Se pudessem voltar atrás, fariam algo diferente?

Bem, na minha opinião, foi bem tranqüilo meu trabalho de parto, eu já tinha escutado que o tamanho do seu medo é o tamanho da sua dor, e como minha vontade era de ter um parto o mais natural possível, medo não rolou nem um momento, antes de optar pela doula sim, tive medo de cair nas garras de obstetras sedentos por cesáreas, depois da doula foi só relaxar e viver o momento intensamente. Dia sete de setembro de 2010 feriado, fui caminhar na praia, e já estava perdendo o tampão mucoso, estava com 40 semanas e cindo dias de gestação, caminhei a manhã inteira, logo após o almoço entrei no MSN e conversei com a Cris, que estava sentindo uma dor chata na bexiga, como se fosse descer a menstruação sabe, e ela me disse que isso já eram as contrações, durante a tarde toda elas aumentaram, e a noite ficaram bem intensas e em pouco espaço de tempo uma da outra, minha obstetra estaria de férias no mês de setembro eu já sabia que ela estaria fora do país, e em minha última consulta que foi no dia 30 de agosto ela me disse: Se esse menino não nascer até dia sete ou oito, você vai para a maternidade, daí comentei com a Cris e ela me disse que se eu fosse para a maternidade com quarenta semanas e alguns dias eles me induziriam a uma cesárea com certeza, que eu não fosse não, que ela conseguiria uma consulta com a Doutora Roxana, um encaixe, na quarta feira dia oito fui cedinho lá na clínica e a Dra. Roxana me examinou, fez uns pontos de acupuntura para acelerar o TP e também fez o descolamento da membrana, resultado?!? As contrações aceleraram de uma maneira incrível, achei que não daria tempo de chegar em casa, mas cheguei, e entrei em contato com a Cris e logo ela chegou aqui em casa, muitas massagens com aquele óleo mágico dela, exercício na bola, chuveiro, enfim, tudo para amenizar as contrações, e ela queria que eu me alimentasse, mas eu não conseguia comer nada, apenas uma saladinha ao meio dia e meio copo de vitamina de morango antes de irmos para a maternidade. Chegando lá próximo das 17 horas, e em mais ou menos 20 minutos estourou a bolsa, e já tinha cinco dedos de dilatação, e a Cris ainda me falou que dos cinco para os sete dedos as vezes demorava um pouquinho, mas que era bem normal, comigo foi bem rápido graças a Deus, porém, nem me liguei que havia bebido bastante água, e já no centro cirúrgico, com muitas luzes acesas o calor era muito grande, nem sei se era pelas luzes ou das contrações mesmo que eu sentia um calor insuportável e isso me fazia sentir muita sede, e pedia água para as enfermeiras e elas me davam, só que minha bexiga encheu, e eu me bloqueie de uma maneira que nem sei como explicar, e não consegui esvaziá-la, e isso estava impedindo que o Ian coroasse, estava impedindo a passagem dele. A abençoada da minha doula sugeriu para a obstetra que esvaziasse minha bexiga com uma sonda, e assim foi feito, só que eu já estava ali a mais de quatro horas e me sentia muito cansada, sem forças nas pernas, eu descia a cada contração e o papai que me erguia, pois eu já não conseguia levantar mais sozinha de tão cansada que eu estava, foi onde a médica sugeriu um soro com ocitocina é claro para que fosse mais rápido, e foi o que aconteceu às 22h14min do dia 8 de setembro de 2010 ele nasceu. Maravilhoso e saudável. Nada eu faria diferente se pudesse voltar atrás, apenas não beberia tanta água e dormiria mais antes de entrar em trabalho de parto para estar inteirona quando as contrações iniciassem. (conselho que a Cris me deu e eu não ouvi. rsrsrsrs) ( Cris: Quando doula fala, tem que ouvir kkkkkkkk)

5- Você acredita que o parto tem alguma relação com a personalidade do bebê?

Sim, acredito e já observei isso lá na maternidade mesmo, pois tinham mais três mamães bem próximas de nós e todas tiveram parto cesárea, incrível a diferença, eles choravam muito enquanto o Ian dormia muito, e tinham dificuldade para mamar no peito. Penso que quando se faz uma cesárea, o bebê não sabe, nem sente que irá sair daquele lugar escurinho, quentinho, e não está preparado, e derrepente luzes, barulhos, cheiros, enfim, no parto normal ele também não está preparado para nada disso, mas a cada contração ele já sabe que está prestes a sair do local onde ficou por aproximadamente nove meses e participa de todo o processo. Observei em alguns bebês depois de alguns meses que são bem mais agitados e bem chorões, enquanto o Ian é super calmo e sempre muito sorridente.

6- No próximo filho, pretende ter outro parto normal?

Siiiiiiiiimmmmm, com certeza!!! Amei tudo e passaria por tudo novamente.

7- O que você gostaria de dizer aos casais a espera de um bebê? Dicas, conselhos entre outros.

Bom, aí vão algumas dicas, que quando me diziam eu nem dava muito importância, mas é bem verdade: Durmam e namorem bastante!!!

Calma, nada disso acaba com a chegada do bebê, mas o primeiro mês é “pancadão”.

Outra, se tiverem alguém para dar um apoio, tipo mãe, sogra, tia, irmã, enfim, ótimo, aceitem, pois será muito importante para o bebê e o casal. Tenham uma doula, e para finalizar, seja delicado porém seguro e diga para amigos e visitas em geral que a família precisa de um tempo para se adaptar e que aguardarão visitas com confirmação antes, após quinze ou vinte dias depois do nascimento do bebê.

8- Como é a vida após a chegada do bebê?

Uma loucura muito prazerosa tinha dias que achava que não daria conta, como ouvi dizer que nove meses não serve somente para gerar o bebê e sim para preparar o casal, acreditava sim em meu instinto de mãe, para nós dois, papais de primeira viagem, cada dia foi e está sendo um dia especial e com um aprendizado incrível. E sempre digo que nada é tão gratificante quanto você olhar para aquele rostinho lindo e ver um sorriso, todo o cansaço vai embora num passe de mágica.

9- Você ficou satisfeita com o trabalho da doula e com o parto?

Muito satisfeita sim, queria poder tê-la sempre por perto por no mínimo quatro meses de vida do bebê, sei que doula não é babá, mas iria adorar... E com o parto nem se fala, tive bastante sorte em conhecer a Cris e de ter encontrado lá na maternidade uma equipe ótima, e que ouviram minhas vontades e as vontades da doula também. Minhas preces foram atendidas...

10- Deixe um recado:

Obrigada é pouco para dizer a você Cris, sabes o quanto foi e és importante para nossa família, estás presente diariamente em nossas orações, que o cara lá de cima continue abençoando você, sua família e seu lindo trabalho, sucesso sempre!!!

( Ps: Ahhhhhhh amada foi tudo maravilhosoooooooo, lembro que eu estava bem doente quando você me contratou e eu só rezava pra ficar 100% logo para poder te acompanhar e dar 100% do que eu podia.

Você foi maravilhosaaaaa desde o início do TP, super forte, se concentrando nas contrações, você fez TUDO que eu recomendei, exercícios antes e durante o TP, visualizar o bebê se preparando, querendo nascer, se alimentando de pouco em pouco, relaxando e lembrando que aquelas contrações é que iam trazer o Ian pros seus braços. Quando fui pra sala que te vi dispensando o anestesista já com 9 cms de dilatação, negando a ocitocina, pedindo para a obstetra não fazer a epsiotomia, pedindo pra não parir deitada e sim na escadinha de cócoras, tudo isso me encheu de orgulho. É muito importante e deu tudo super certo porque você se informou, sabia o que queria, sabia os pró e contras de tudo, e SABIA que o parto era SEU e quem manda ali é VOCÊ, não sou eu, nem o Obstetra, é VOCÊ! Parabéns e eu espero mesmo que venha uma menina aí quando o Ian tiver 2 aninhos, que será um enorme prazer acompanhar mais um parto teu! Obrigada por TUDO, por todo o carinho!!!! Ah o brinco que você me deu me dá sorte, uso em todos os partos agora, o Panettone estava DELICIOSO, devorei na mesma rapidez que os pé de moleques que você fez ahushuahushuauhsuhauhs!!!)

Amo vcs!

Cris De Melo

Téc Enfermagem & Doula


quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O Medo do parto normal, grande inimigo da Gestante!


Gente, é comum a mulher ficar ansiosa, e ter medo do parto, mas é extremamente importante que a gestante se informe, leia e entenda que o Parto é um processo NATURAL e que é um momento único e mágico. O medo do parto é o principal motivo que leva as mulheres a optarem por uma cesárea desnecessária, pedidos de analgesia e outras intervenções desnecessárias.

Quando a paciente é informada e consciente ele passa mais segurança para o obstetra que vai atender ao parto, principalmente os médicos mais inexperientes que também ficam inseguros com o parto normal. Além disso a mulher suporta a dor com maior facilidade, tem um trabalho de parto mais fácil e com menos chances de complicações.

Por isso se você é gestante procure um grupo de gestantes próximo, no Brasil temos GAPPS
( grupo de apoio ao parto do principio) que são grupos com encontros mensais e gratuitos que preparam o casal para o parto e pós-parto. Como encontrar um próximo a você : (http://www.partodoprincipio.com.br/conteudo.php?src=gappperto&ext=html)

Além disso procure uma doula próxima, ela também vai prepará-los para esse universo da maternidade, além de estar presente no parto dando apoio físico e emocional, e incentivando, tirando dúvidas etc. ( www.doulas.com.br/associadas.html)

Encontre um médico a favor do Parto Humanizado, hoje isso é muito mais fácil, em comunidades do Orkut você encontra excelentes indicações de profissionais ( Comunidades: Apoio a gestantes Parto Normal, Mães de Florianópolis, Pediatra Radical, Gravidez parto e Maternidade, etc)

Se não encontrar, envie um email para as doulas de sua cidade que elas com certeza poderão te indicar profissionais. Assista a vídeos de Partos Humanizados, no Youtube temos vídeos maravilhosos hoje, leia relatos de Partos, e jogue fora todas as besteiras que ouvir, pessoas leigas costumam falar coisas que não são verdades e isso só apavora !!

O parto é um momento único, tanto para você quanto para o bebê, não abra mão dessa experiência por medo, pesquise, leia, estude, aprenda. Você tem 9 meses para se preparar para a chegada do bebê e essa preparação é física, emocional e psicológica.E não apenas sobre qual será a cor do quarto do bebê!!

Documentários que recomendo: Orgasmic Birth mostra que o parto pode ser prazeroso que pode ser orgásmico, parto não é sinônimo de dor: http://www.youtube.com/watch?v=h5bm9-B6Ec4

O documentário da Dr. Melania Amorim Obstetra, que pode ser assistido no Youtube http://www.youtube.com/watch?v=T_c9FwVlVw4

Cris De Melo
Téc. Enfermagem, Mãe
& Doula!


Entrevista com Roberta mamãe da Lara!


Mandei para as minhas pacientes um questionário com 10 perguntas, para que elas contem como foi a experiência, o que é mais difícil e tudo mais que acham que pode ajudar outras gestantes. A Mariana, Vanessa ,Cristina e Roberta responderam e me enviaram, e aqui vai! Espero que gostem, e que isso possa ajudar vocês!

1- Por quê vocês decidiram ter uma Doula?

Decidimos ter uma Doula apenas na 38ª semana de gestação depois que descobrimos a dificuldade de se conseguir o que se deseja no momento do parto em clínicas particulares de Florianópolis. Nossa opção, desde o início da gestação, era o parto natural de cócoras ou na água (sem intervenções). Além disto, estávamos muito desapontados e com medo em relação à conduta da obstetra que estava acompanhando a gestação desde o início. Tínhamos muito medo de uma cesárea desnecessária. Naquele momento, precisávamos muito de conselhos e apoio.

2- Como descobriram o que era uma doula e como escolheram a de vocês?

Até aproximadamente a 28ª semana do período gestacional nós nunca ficamos sabendo da existência de Doulas (nem sabíamos o significado da palavra). Foi nessa época que começamos a participar do Curso de Gestantes oferecidos pelo Hospital Universitário da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Por acaso, uma das instrutoras distribuiu um vídeo de parto natural na banheira. Neste vídeo, a gestante estava acompanhada de uma Doula (O vídeo era do Parto da Cris que autorizou que eles divulguem em cada curso, e eu era a doula). Por curiosidade, fomos pesquisar sobre o assunto. Achamos interessante a ideia, entretanto naquele momento decidimos não "contratar" a Doula, pois julgávamos estar bem preparados para um parto natural. Estávamos plenamente convictos que seria natural entrar em uma maternidade e pedir por um parto natural.

Escolhemos a Cris porque ela fez uma visita na clínica na qual a Roberta fazia hidroginástica para gestantes e, nesta visita, ela alertou sobre a dificuldade de se conseguir o que se deseja no momento do parto em clínicas particulares de Florianópolis. Roberta sentiu muita confiança nela. Neste mesmo dia, após uma rápida conversa entre o casal, optamos por pedir a Cris para que acompanhasse nosso parto. Isto aconteceu na 38ª semana de gestação.

3- Como foi ter uma doula no parto? ( Opinião da mãe)

Como eu tive um TP longo a presença da Cris foi importantíssima! Ela veio de madrugada pra minha casa e ficou conosco até algumas horas depois do parto (mais ou menos 19 horas ao nosso lado). Ela sempre me passou confiança e profissionalismo desde o dia que a conheci. As massagens e as palavras de incentivo fizeram toda a diferença!

Como foi ter uma doula no parto? ( Opinião do Pai)

Ter uma doula no parto e ser assistida por uma obstetra que tem como filosofia o parto humanizado foram as melhores coisas que poderiam ter acontecido conosco. Minha esposa tinha plena convicção que ela poderia ter o parto do jeito que planejamos (dentro dos limites de segurança, pois, caso REALMENTE ocorresse alguma coisa errada nós estávamos preparados para uma cesárea). Felizmente, foi provado mais uma vez que a mulher moderna continua plenamente apta a dar a luz pelas vias naturais e do jeito que ela sentir mais confortável. Além disto, o trabalho de parto foi muito longo (bem acima da média, segundo informações da doula e da obstetra). Por isso, minha esposa precisava de todo apoio e segurança durante todo este período.

4- Como foi o trabalho de parto e parto? Se pudessem voltar atrás, fariam algo diferente?

Tive um TP longo. Comecei a sentir contrações umas 7 horas antes da Cris chegar em nossa casa. Durante esse período sempre fomos nos falando. Entre a Cris chegar em nossa casa e a Lara nascer se passaram aproximadamente 17 horas. E ela acompanhou tudo durante todo este tempo: através de dicas, apoio, massagens, etc... Ela nos passou segurança e o mais importante pra nós naquele momento era saber que tudo estava ocorrendo bem e nos restava apenas aproveitar o momento da chegada da nossa filha, sem preocupações. Foi muito importante tê-la do nosso lado durante este momento mágico. Tudo aconteceu do jeitinho que planejamos.

5- Vocês acreditam que o parto tem alguma relação com a personalidade do bebê?

Lara é uma criança muito tranquila e ao mesmo tempo muito esperta! Nossa gravidez foi bem planejada e ela foi muito amada até mesmo antes de ser concebida. Sempre sonhamos em ter uma menininha! Lara nasceu com 41 semanas, na hora que ELA escolheu. Achamos que tudo isso tem relação com a personalidade dela.

6- No próximo filho, pretendem ter outro parto normal?
Com certeza! Não tem momento mais maravilhoso e divino do que parir um filho.

7- O que vocês gostariam de dizer aos casais a espera de um bebê?Dicas, conselhos entre outros.

Primeiramente, escolham um obstetra que seja adepto do parto normal. Parir um filho naturalmente é algo maravilhoso, uma experiência que vai marcar pra sempre a vida da mãe e do pai. Além de um bom obstetra tenham uma Doula. No momento do TP ela é importantíssima para ajudar a mãe com massagens e incentivo e também deixar o pai mais tranquilo quanto ao processo (chega uma hora que a mamãe acha que não vai aguentar e o papai pode ficar desesperado! rsrs...)

8- Como é a vida após a chegada do bebê?

É bem cansativa e ao mesmo tempo gratificante! Cansativa, pois o bebê exige 100% de atenção dos pais (principalmente da mãe). Esquece-se os horários pré-definidos e passa-se a viver em função do bebê! É gratificante porque podemos olhar para o nosso bebê e ver nele nossos traços, podemos acompanhar a evolução a cada dia, saber que aquele pequeno ser que ficou 41 semanas dentro do útero da mãe é saudável e está se adaptando tão bem ao mundo...

9- Vocês ficaram satisfeitos com o trabalho da doula e com o parto?

Com certeza absoluta. O acompanhamento pré-parto da Cris teve tanta importância quanto o durante e o pós-parto. As conversas pré-parto foram decisivas, pois:

- Nos levaram a trocar de obstetra na 38ª semana de gestação, pois estávamos muito desconfiados da conduta da obstetra que estava acompanhando a gravidez desde o início. Se tivéssemos mantido a mesma até o final, com certeza a Lara nasceria através de uma cesárea desnecessária;

- Foi a partir destas conversas que a Cris nos comentou que existe um pequeno grupo de médicos obstetras que são adeptos do parto natural em Florianópolis e que poderíamos continuar o acompanhamento do parto com um destes profissionais para que pudéssemos ter mais segurança e tranquilidade no pré, durante e pós parto. Optamos pela Dra. Roxana Knobel (que foi maravilhosa em tudo);

Quanto ao parto em si, nos realizamos plenamente! Foi um TP longo que exigiu muito da mamãe Roberta, mas o resultado foi extremamente compensador! Foi o melhor presente de Natal que poderia existir. Devido às técnicas da Dra. Roxana e do apoio da Cris, que ficou o tempo todo ao lado da mamãe dando força e incentivo, Lara nasceu de um parto natural de cócoras sem lasceração no períneo, sem ocitocina e sem analgesia.

10- Deixe um recado:

Cris, obrigada(o) mais uma vez por tudo: pelas dicas, pelas massagens, pelas conversas, pelas risadas... Sua presença nos momentos finais da gravidez e durante o trabalho de parto foi imprescindível! Que Deus te abençoe e que te guie nesta profissão tão maravilhosa e que você faz com tanto amor!

Ps: Roberta e Rômulo, agradeço todos os dias por terem encontrado meu blog, terem marcado o encontro do La Vie, e de terem me escolhido. Foi um TP longo e exaustivo para todos nós, mas extremamente lindo. Amei muito fazer parte da vida de vocês, muitíssimo obrigada por tudo!

Cris De Melo
Doula

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Mulher dá a luz em viatura em Porto Alegre!


Uma mulher de 20 anos deu à luz um menino em um carro da Brigada Militar nesta quarta-feira em uma avenida na Zona Norte de Porto Alegre. Segundo o sargento Francisco Carlos Pereira dos Santos, que acompanhou o parto, quando a patrulha chegou na residência da mãe, no Morro Santana, foi constatado que a jovem já estava em trabalho de parto.

"Tentamos levá-la até o hospital, mas não deu tempo. Colocamos ela na viatura, mas não passou 10 minutos e tivemos que parar no acostamento", afirma o sargento.

No banco de trás do veículo, a jovem teve o auxílio do marido e dos policiais. "Foi tudo muito rápido. Não demorou cinco minutos e a criança já estava nascendo. Colocamos o bebê em cima da barriga dela e fomos até o hospital, onde as enfermeiras cortaram o cordão umbilical ainda na viatura", conta o sargento, que está na Brigada Militar há 24 anos e nunca tinha passado por uma experiência parecida.

"A nossa região aqui é uma das áreas mais perigosas da cidade, com muitos conflitos, a gente está acostumado a correr atrás de bandido e verificar crimes", diz. "Tenho quatro filhos e acompanhei o parto deles, mas ver uma criança nascer assim no meio da avenida, com ônibus passando e num espaço apertado foi bem diferente, muito bonito".

A mãe e a criança estão no Hospital Conceição e passam bem. O bebê nasceu com 3,2 kg e ainda não tem nome.
http://g1.globo.com/brasil/noticia/2010/12/mulher-da-luz-em-viatura-em-avenida-de-porto-alegre.html


terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Entrevista com Cristina Villar mamãe da Aline!


Mandei para as minhas pacientes um questionário com 10 perguntas, para que elas contem como foi a experiência, o que é mais difícil e tudo mais que acham que pode ajudar outras gestantes. A Mariana, Vanessa e Cristina responderam e me enviaram, e aqui vai! Espero que gostem, e que isso possa ajudar vocês!

1- Por quê vocês decidiram ter uma Doula?
Primeiramente porque não tinha nenhum familiar perto, e pesquisando na internet fui descobrindo uma série de benefícios além do apoio emocional. Como queria o parto mais natural e sem intervenções, queria sentir meu corpo e as sensações e poder suportá-las de maneira natural, descobri que a doula poderia ajudar em tudo isso.

2- Como descobriram o que era uma doula e como escolheram a de vocês?
Pela internet encontrei algumas doulas, fiz entrevistas mas vi que há várias linhas de acompanhamento. Quando conhecemos Cris foi imediata a simpatia e tive certeza que era ela. Fizemos uma entrevista na casa dela, eu e meu marido. Ela também nos entrevistou. O valor era acessível para nós, então fechamos.

3- Como foi ter uma doula no parto?
( Opnião da mãe) Foi um mix de atenção, segurança, carinho, amizade e conhecimento. A participação da Cris me deixou mais tranqüila para aproveitar todo o parto sem me preocupar com as intercorrências que poderiam acontecer e me ajudou nos exercícios para alívio das dores, posições para a descida do bebê, as palavras de apoio e tranquilidade, a ajuda no banho e até mesmo a filmagem e fotografia, pois como já imaginava o papai iria se atrapalhar todo e esquecemos a câmera, hehehe. Nos acompanhou nos primeiros momentos, conversando, descansando... até voltar da partolândia.

Como foi ter uma doula no parto? ( Opnião do Pai).
Ajudou muito, transmitindo tranqüilidade e segurança. Principalmente com os exercícios que aprendemos. Ela foi muito legal e amiga. Não era uma pessoa estranha. E ela gosta do que faz, isso é muito bom.

4- Como foi o trabalho de parto e parto? Se pudessem voltar atrás, fariam algo diferente?
Meu trabalho de parto começou às 22h00 e sentia algumas dores como cólicas. Conversava com Cris pelo msn. Estava de 38s2d e tive uma consulta naquele dia mesmo, onde o médico disse que estava alta e iria demorar uns dias mais... achávamos que eram os pródromos. Fui dormir e ao deitar as contrações foram aumentando, aos poucos. Contava mentalmente e pareciam bem esparsadas, meu marido dizia que não era a hora ainda, me fazia massagem (dormindo) e dizia pra eu dormir. E por aí fui, madrugada a fora... só pensando no momento que estava chegando, tranqüila e feliz. Não queria incomodar a doula, nem deixá-la preocupada antes (vê se pode?). Quando olhei e ainda era 2h30 da madruga, pensei que a noite seria looonnga, fui pro chuveiro e o TP se intensificou, fomos ao hospital e com o toque foi constatado 3cm de dilatação. Voltamos pra casa, contente e sabendo que Aline chegaria logo, logo. Assim, mais tranqüila, consegui dormir e quando acordamos já era 8h00. Avisamos a doula e o médico e nos encontramos na clínica. Chegou Cris sorridente e caminhamos no pátio até liberarem a sala de parto. Me troquei, examinamos a dilatação, 7 cm, monitoramos o bebê e tudo belezinha, mas estava alta. Então dr. Marcos indicou começarmos a trabalhar de verdade: Rebolando, dançando, bola suíça, se divertindo, tomei suco, água. Já estava lá, na partolândia, quando estourou a bolsa, havia esquecido desse detalhe. Estava na posição de quatro, pois aliviava. Quando vi o líquido esverdeado fiquei preocupada e a Cris me tranqüilizou (isso foi muito importante pois a tensão poderia ter atrapalhado o TP). Pediu pra chamar o dr., entrei na banheira, bem quente e as dores aliviaram, mas logo começou o período expulsivo e creio que em 15 minutos nasceu Aline, num susto lindo e emocionante. Alívio em ver minha filhota lá, saudável, viva, linda!

5- Vocês acreditam que o parto tem alguma relação com a personalidade do bebê? Não acredito que o parto em si, mas em todo o período da preparação da mãe, do apoio dos familiares e amigos, nos primeiros momentos e no cotidiano. Acredito que a mãe acredita em seus instintos e seus conceitos, que saiba o porquê de certas atitudes e que transmita segurança para a criança pode sim relacionar com a personalidade do bebê.

Agora, acredito sim que o parto ajuda em diversos processos fisiológicos que beneficiam o bebê e a mãe, mais que tudo. E na recuperação, e tudo isso poderá interferir nas coisas que disse antes.

6- No próximo filho, pretendem ter outro parto normal? Com certeza.

7- O que vocês gostariam de dizer aos casais a espera de um bebê?
Dicas, conselhos entre outros.
Se alimentem bem, façam exercícios, caminhada. Treine cócoras, massagem perineal. Indico também o curso de gestantes do HU. Conversem com seus bebês, cantem para ele. Leiam bastante mas confiem nos instintos. Só escutem experiências boas, diversas. E tenham uma doula!

8- Como é a vida após a chegada do bebê?
A vida é completamente diferente, mesmo que a gente tente imaginar... pra nós a vida agora é completa e feliz. Olhar minha filha é a última coisa que faço entes de dormir e a primeira coisa ao acordar. É um eterno romance, se apaixonando mais a cada dia.

9- Vocês ficaram satisfeitos com o trabalho da doula e com o parto?
Sim, mais que satisfeitos. Superou nossas expetativas e foi uma experiência incrível.

10- Deixe um recado:

Cris, você realmente foi muito importante para que pudéssemos ter nosso parto completo, tranqüilo e saudável. Você sabe bem como era importante isso pra mim, pois como não poderia amamentar queria pelo menos me apoderar desse dom natural da mulher. E valeu a pena! Superei muito bem esse lance coma ajuda das boas recordações do parto. E agora estamos aqui, completos felizes e saudáveis! Lembramos de ti sempre, nossa fadinha que nos ajudou com muito amor. Se percebe quando a pessoa faz o que gosta, e tudo vira sucesso! Desejamos que você possa ajudar muito mais mamães e papais a realizarem seus sonhos, e quando não for possível, que você possa estar lá para confortá-los e ajuda-los.

Obrigada, abençoada! A gente te ama muito, você sabe!

Ps: Ahhhhhinnn Obrigadaaaaaaaa, fico muito muito muito feliz! Foi um enorme prazer acompanhar vocês, foi o meu primeiro parto na água e será inesquecível por várias e várias razões, e vocês cconfiaram em mim apesar de ter pouca experiência na época e eu agradeço muito por isso tbm! Amo vocês, beijos beijosss!

Cris De Melo
Doula!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Entrevista com Vanessa, mamãe da Isadora Alana!


Mandei para as minhas pacientes um questionário com 10 perguntas, para que elas contem como foi a experiência, o que é mais difícil e tudo mais que acham que pode ajudar outras gestantes. A Vanessa respondeu e me enviou, e aqui vai! Espero que gostem, e que isso possa ajudar vocês!

1-Por quê você decidiu ter uma Doula?

Bom, sou vegetariana há mtos anos e professora de Yoga, gosto de maneiras alternativas mais naturais para resolver as questões da vida. Quando engravidei, decidi que queria um parto o mais natural possível, porém dentro de um bom hospital, pois como era a primeira vez que daria a luz, queria me sentir segura de duas maneiras: a Doula me dando segurança no sentido de evitar analgesias químicas ou intervenções desnecessárias e a equipe do hospital no sentido de uma boa estrutura para o caso de algum problema.

2- Como descobriu que era uma doula e como escolheu a sua?
A internet! Foi através desse instrumento que pesquisei mtas coisas durante a gravidez e após o nascimento da nossa anjinha!

3-Como foi ter uma doula no parto?
Foi fundamental para me sentir mais segura e conseguir dar a luz da maneira que sonhei! Aconselho a todas as futuras mamães!

4- Como foi o trabalho de parto e parto? Se pudessem voltar atrás, fariam algo diferente?
Foi super rápido! Levou apenas 5 horas pra Isadora Alana estar em meus braços! Nos preparamos mto, com Yoga, caminhadas, massagens! O parto foi de cócoras! Meio no susto, pois a médica achou que demoraria mais um pouquinho, Isa veio sem avisar. Ainda bem que a Doula estava super atenta e foi a primeira a pegar nossa bebezinha...se não ela teria caído no chão...hahahah!!

5- Você acredita qute o parto tem alguma relação com a personalidade do bebê?
Sim, queria que minha filha vivenciasse o processo como ele tem que ser, da maneira natural, pois acreditamos que essa experiência é fundamental na evolução e desenvolvimento ideal de uma criança.

6-No próximo filho, pretende ter outro parto normal? ( ou cesárea).
Na realidade queremos um segundo filho por meio da adoção, já pensávamos assim antes de eu engravidar, porém se acontecesse não seria de outra forma que não o mais natural possível, faria td novamente!

7-O que você gostariade dizer aos casais a espera de um bebê?
Em primeiro lugar, PARABÈNS!!!! Muita sorte, força e felicidade!!

8-Como é a vida após a chegada do bebê?
Para mim todo o processo da amamentação foi mais difícil que o parto! Tivemos mta dificuldade no começo! Hoje, com quase três meses, nossa filha está linda! Mama só no peito, tá gordinha e cheia de saúde! Os primeiros dias não são fáceis, mas ao mesmo tempo o orgulho e a felicidade de ter aquele serzinho de luz no colo é indescritível!

9-Você ficou satisfeita com o trabalho da doula e com o parto?
Muito!!! Como já disse, faria td de novo e com a mesma “fadinha dos bons partos”! Nossa Doula querida!

10-Deixe um recado:
Ser mãe é muito mais do que eu imaginava!
Mais difícil, porém mais gratificante.
Mais cansativo, porém mais deslumbrante.
O Parto é só um pedacinho de uma longa história que se inicia no amor entre duas almas.
E esse amor se expande, se transforma em outro serzinho! Trazendo ainda mais amor!!
Acho que ser Doula deve ser mto especial, pois é mágico fazer parte dessa história, de cada uma das mamães e papais que optam por dividir esse momento com essa profissional!


Vane, obrigada pelo carinho, foi um prazer e extramente gratificante te acompanhar, e um grande presente do destino acabar segurando a Isa ao nascer! Beijos, Cris!

Cris De Melo
Doula!

domingo, 26 de dezembro de 2010

Nascimentos de 2010!


Esse é o vídeo que acabei de fazer com todos os partos de 2010, obrigada a todas as mamães que tornaram esse ano tão especial para mim! Obrigada pela confiança, pelo carinho e por me convidarem para fazer parte de suas vidas nesse momento mágico.

Vocês moram no meu coração!
Deus, muito obrigada por essas bençãos na minha vida!
Que venha 2011, e com eles muitos e muitos partos lindos!

Espero que gostem!


Cris De Melo
Téc. Enfermagem, Mãe da Sofia
& uma Doula extremamente feliz e realizada!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Mulher brasileira opina pouco na escolha do parto!!

Quase 90% dos nascimentos do país ocorre por cesariana.
São Paulo – O medo da dor, a preocupação com o bem-estar do bebê e com o próprio corpo são alguns dos fatores que tornam o parto um dos momentos mais delicados da gestação. Mas, com exceção da parcela da população que procura atendimento humanizado e pode pagar por ele, as brasileiras opinam pouco quando se trata de escolher a forma de parir.

A arquiteta Anna Amorim, 27 anos, sempre teve o desejo e a certeza de que teria um parto normal. Durante o pré-natal do filho Pedro, chegou a trocar de obstetra porque sentia que a cesárea era certa. O segundo médico, que atendia pelo mesmo convênio, deu um prazo: 40 semanas.

– Embora seja considerada normal uma gestação de até 42 semanas, ele avisou que não esperaria mais do que 40. Na data marcada, ainda sem sinais do trabalho de parto, Anna foi avaliada.

– Ele disse que não ia dar certo. Eu acreditei.
Depois de passar por experiência parecida em sua primeira gravidez, a psicóloga Pérola Boudakian, 32 anos, decidiu contratar uma equipe especializada em parto humanizado para assistir ao nascimento da caçula Beatriz.

– Fui atrás do prontuário do primeiro parto e descobri que o médico havia forjado um diagnóstico para justificar a cesariana ao plano de saúde. Não quis arriscar passar por isso de novo – conta.
Pérola enfrentou 33 horas de um trabalho de parto difícil, mas fez valer sua vontade de dar à luz a filha sem cirurgia. Humanização do parto é procurar fazer com que o nascimento seja o menos traumático possível para a mãe e o bebê, explica o obstetra Francisco Vilella. Mas isso tem um custo, que varia entre R$ 6 mil e R$ 8 mil. ( Não em Florianópolis, esse valor cai para 2 a 3 mil reais!).

– Às vezes fico mais de 12 horas acompanhando um parto – relata Vilella. A remuneração pelo parto na saúde suplementar varia de R$ 300 a R$ 600.
– Uma coisa é ganhar esse valor com hora marcada para trabalhar, outra é viver de sobreaviso. Há 10 anos se faz campanha para diminuir as taxas de cesariana nos convênios, mas os números só crescem. Estamos em quase 90%, embora pesquisas tenham mostrado que só 30% das brasileiras fazem essa opção no início do pré-natal – afirma Olímpio de Moraes Filho, da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Para ele, é preciso mudar o paradigma do atendimento obstétrico brasileiro. Uma saída para o problema seria os hospitais privados receberem verba dos convênios para manter uma equipe permanente de obstetrícia. A gestante faria o pré-natal com um grupo de médicos e o parto com aquele que estivesse de plantão.

- Pesquisa recente da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que a mortalidade materna, a necessidade de transfusão de sangue e de internação em UTI é quase três vezes mais frequente nas cesarianas sem indicação médica do que no parto normal.

Fonte: http://www.clicrbs.com.br/pioneiro/rs/impressa/11,2854619,157,14385,impressa.html

Mães e Pais, informem-se dos riscos da cesárea antes de optar por ela, vejam os benefícios do parto normal, procurem uma maternidade melhor equipada para atender ao parto humanizado, se puderem contratem um obstetra de confiança que fica entre 2 e 3 mil reais. E tenha sempre uma Doula, o valor é super acessível
( entre R$ 700 e 1.500 reais), e vale cada centavo!

Cris De Melo
Téc Enfermagem
& Doula!

Feliz Natal!!!


Olá queridas pessoas que visitam esse blog diariamente, apesar de anônimos tenho que agradecer cada um de vocês pelo carinho, pela visita, por lerem os artigos que posto, por comentarem e ajudarem a divulgar o meu trabalho.

2010 foi um ano abençoado para mim, em 9 meses como Doula acompanhei 11 partos, todos partos lindos, felizmente apenas duas cesáreas, uma por opção da mãe e outra super necessária. Bebês lindos e saudáveis, mamães felizes e emponderadas e papais ativos no processo de trazer seus filhos ao mundo!

Agradeço a Deus por essas bençãos, pelas pessoas que conheci, em especial algumas das pacientes que marcaram o meu coração de uma forma diferente, especial. Amo todas vocês!

Desejo a todos vocês um Feliz Natal, em família, com saúde, muitas risadas, felicidade, e claro um dinheiro no bolso que é necessário rsrsrsrs.
E vamos continuar a nossa caminhada a favor da humanização no nascimento, e que venham muitos e muitos bebês em 2011 e todos com muita muita saúde.

Mil beijos,
Cristina De Melo
Téc. Enfermagem, Mãe da Sofia
& Doula por instinto e amor!!!

Tabela de sono dos bebês!!



Notas do livro “Healthy Sleep Habits, Happy Child”, de Mark Weissbluth, MD

Recém-nascido: 1 Semana
- Bebê dorme bastante, 15-18 horas/dia
- Geralmente em intervalos de 2-4 horas
- Não há padrão de sono

2 a 4 semanas
- Sem tabela de horários, permita que o bebê durma quando precisa
- Bebê provavelmente não dormirá por periodos longos à noite
- O maior período pode ser de 3-4 horas

5 a 8 semanas
- Bebê está mais interessado em brinquedos e objetos
- O maior período de sono começa a aparecer regularmente nas primeiras horas da noite
- O período mais longo é de 4-6 horas (menos se tem cólicas)
- O bebê "fácil" tem períodos mais regulares
- Ponha-o para dormir aos primeiros sinais de cansaço
- Ponha-o pra dormir: não mais que 2 horas acordado
- Após acordar pela manhã já está pronto para soneca somente 1 hora depois
- O bebê vai se distrair mais facilmente, então precisa de um lugar quieto pra dormir
- Crie uma rotina de atividades que acontecem antes de cada soneca e da hora de dormir à noite
- Sinais de extrema fadiga: irritável, puxa o próprio cabelo, bate na própria orelha

3 a 4 meses
- A necessidade é maior de um lugar calmo e quieto para dormir, pois o bebê se distrai mais facilmente
- Não deixar o bebê acordado por mais de 2 horas (alguns agüentam somente 1 hora)
- 6 semanas de vida é quando o período de sono mais longo deve ser preferencialmente à noite (não de dia)
- O maior período de sono é somente de 4-6 horas
- Comece a colocar o bebê para dormir antes dele começar a ficar irritado ou sonolento

4 a 8 meses
- O sono do bebê se torna mais como o do adulto, com período inicial de não-REM
- A maoria acorda entre 7 da manhã, mas geralmente entre 6-8.
- Se o bebê acordar antes das 6 é bom colocar para dormir após mamar e trocar a fralda
- Não é possível mudar a hora que o bebê acorda de manhã colocando-o para dormir mais tarde
- Comidas sólidas antes de dormir tambem não resultam em acordar mais tarde
- O período acordado de manhã deve ser de cerca de 2 horas para bebê de 4 meses e 3 horas para bebês de 8 meses
- Então a soneca da manhã é por volta das 9 horas para a maioria
- Tenha um período tranqüilo e quieto, parte da rotina de dormir, com duração máxima de 30 minutos. Essa rotina deve começar 30 minutos ANTES do fim do período que o bebê fica acordado
- Um soneca só é restauradora se é de 1 hora ou mais, algumas vezes 40-45 minutos conta, mas 1 hora ou mais é o ideal
- Conte com outra soneca após 2-3 horas acordado
- Evite mini-sonecas no carro ou parque
- Não deixe o bebê tirar uma sonequinha para compensar uma soneca perdida
- Se o bebê tira a soneca quando deveria estar acordado, bagunça a rotina acordado/dormindo
- A Segunda soneca é geralmente entre meio-dia e 2 da tarde (antes das 3)
- Deve durar 1-2 horas
- Uma terceira soneca poderá ou não ocorrer, se ocorrer será entre 3-5 da tarde e geralmente bem rápida
- A terceira soneca desaparece por volta dos 9 meses de idade
- A hora de dormir ideal é entre 6-8 da noite, decida pelo quanto a criança está cansada
- Empregue uma rotina antes da cama com a mesma seqüência de eventos toda noite, assim a criança começará a predizer o que vem a seguir, ou seja, o sono
- A criança poderá acordar de 4-6 horas depois para mamar, algumas estarão com fome mas outras vão dormir direto, depende do indivíduo
- Uma Segunda mamada podera’ ocorrer por volta de 4-5 da madrugada,

9 a 12 meses
- A maioria dos bebês dessa idade realmente precisam de 2 sonecas/dia com duração total de 3 horas de sono
- Por o bebê pra dormir à noite mais cedo permitirá que ele durma até mais tarde de manhã (em alguns casos não )
- Rotina usual: acorda às 6-7 da manha, soneca da manhã 9:00, soneca da tarde 1:00 (antes das 3 pra não atrapalhar com o sono da noite), dormir à noite entre 6-8 pm
- Se o bebê que dormia à noite toda começar a acordar, tente antecipar a hora de dormir gradualmente de 20-20 minutos.

12 a 21 meses (1 ano a 1 ano e 9 meses)
- Muda de 2 sonecas para 1 soneca/dia, total duração de sono 2 horas e meia
- Se a mudança para 1 soneca é difícil, tente por na cama mais cedo, a criança poderá tirar 2 sonecas num dia e 1 no outro até estabilizar

21 a 36 meses (1 e 9 meses a 3 anos)
- Maioria das crianças ainda precisam de uma soneca
- Em média a soneca é de 2 horas mas pode ser entre 1-3 horas
- Maioria das crianças dormem entre 7-9 da noite, acordam entre 6:30-8 da manhã
- Se a soneca não aconteceu, é preciso por na cama mais cedo ainda
- Se a criança não dorme bem durante a noite, não permitir que a criança tire a soneca pode ser problemático, causar extrema fadiga
- Se a criança acorda entre 5-6 da manhã, e está bem descansada, pode-se tentar encorajar mais sono com cortinas escuras
- Ir pra cama mais cedo pode resultar em acordar mais tarde de manhã (sono traz mais sono, na maioria dos casos)

3 a 6 anos
- A maioria ainda vai dormir entre 7-9 da noite, acorda entre 6:30 e 8 da manhã
- Aos 3 anos a maioria das crianças precisam de 1 soneca todos os dias
- Aos 4 anos, cerca de 50% das crianças tiram soneca 5 dias/semana
- Aos 5 anos de idade, cerca de 25% das crianças tiram soneca 4 dias/semana
- Aos 6 anos de idade as sonecas geralmente desaparecem
- Aos 3 e 4 anos a soneca dura 1-3 horas
- Aos 5 e 6 anos a soneca dura entre 1-2 horas

7 a 12 anos
- A maioria das crianças de 12 anos vão dormir entre 7:30 e 10 da noite, na média 9 da noite. A maioria dorme 9-12 horas/noite.
- Muitas crianças de 14-16 anos agora precisam de mais sono que quando eram pré-adolescentes para manter a atividade ótima e serem alertas durante o dia

Tradução: Andreia Mortensen
Grupo Soluções para uma noite sem choro no Multiply: http://solucoes.multiply.com/

Peguei do blog da minha colega doula:

Quem faz o parto é a mulher!


Eu e todas as pessoas a favor do parto humanizado concordam que quem faz o parto é a mulher e não o médico, e que tudo que a mulher precisa para ter um parto tranquilo é ser respeitada, se sentir segura, confiante, ela precisa ser deixada para parir, fazer o que o corpo dela sabe fazer!

Esse vídeo mostra exatamente isso, e eu achei magnífico!

Cris De Melo
Doula!

Cai gravidez na adolescência e sobe número de cesáreas!


As brasileiras estão tendo menos filhos, principalmente as adolescentes, mas ainda é alto o número de mães jovens.

De acordo com estudo do Ministério da Saúde divulgado nesta terça-feira, o número de partos no país caiu 9% de 2000 a 2008. A faixa etária que concentrou maior parte da queda (93%) foi a de 15 a 24 anos. Mais da metade dos partos de meninas nessa faixa etária ocorreram nas regiões Norte e Nordeste.

Entre as mulheres de 25 a 44 anos, o Sudeste tem maior concentração de partos.A Região Norte foi a única a registrar aumento no número de nascimentos, equivalente a 8,2%. Para o ministério, o crescimento é resultado da ampliação do sistema que verifica a taxa de natalidade no país. A maior queda foi constatada no Sul, 17,7%.

Ainda assim, o órgão considera que a fecundidade no país ainda é precoce: 20% dos partos ocorrem entre mães entre 15 a 19 anos e 29% entre 20 e 24.

CESÁREAS

Apesar das diversas campanhas do governo, o número de cesarianas cresceu, passando de 38% dos partos, em 2000, para 47% em 2007. O estudo mostra que os bebês nascidos dessa forma têm mais baixo peso do que os nascidos por parto natural -- o percentual é de 8,6% contra 7,8%.

Mulheres com mais de 12 anos de estudo são as que mais fazem a cirurgia, sobretudo nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste.

O ministro José Gomes Temporão (Saúde) afirma que esse dados ainda têm que ser estudados, mas são um indício de que as cesarianas estão sendo feitas antes do momento certo.

PRÉ-NATAL

O número de mulheres que faz pelo menos sete consultas de pré-natal aumentou, mas está longe do ideal: foi de 43,7% para 55,8%.

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/845445-cai-gravidez-na-adolescencia-e-sobe-numero-de-cesareas.shtml

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Banho de balde ou banheira??

Especialistas indicam que o primeiro acessório é mais anatômico, simula o útero materno e diminui o desconforto do bebê.

Banho de bebê costuma vir acompanhado de trilha sonora – ou seja, muito chororô. Uma das explicações, segundo especialistas, é que, quando os pequeninos entram em contato com a água, logo se lembram do meio aquático do útero, um lugar fechado, escuro, quente e seguro. Quando percebem que estão em um ambiente claro, menos aquecido e aberto, ficam tensos.

A partir dessa constatação, obstetras e parteiros de maternidades na Holanda criaram em 1997 um baldinho pensando em transmitir ao bebê recém-nascido (até os 6 meses de idade) uma transição tranquila do útero para o mundão. “É como um miniofurô: os bebês ficam em posição fetal, submersos do pescoço para baixo, e relaxam automaticamente”, diz Ana Cristina, parteira do Gama – Grupo de Apoio à Maternidade Ativa.

Um balde comum (dos mais resistentes) custa cerca de 15 reais. Já o Tummytub (foto), que chegou ao Brasil há um ano, sai em média por 120 reais, mas é específico para os nenês: o plástico é atóxico, sua base é antiderrapante e há um centro de gravidade que permite estabilidade e segurança no banho. Dá para ver a lista de lugares onde é vendido no site da empresa: www.tummytub.com.br.


Ps: Eu sempre compro para cada paciente um balde para o banho do bebê. o de 16,5 litros, e é super resistente.
Na foto: Ian ( filho da Simone) tomando banho de balde, que pezinhos lindoooooooooooooos, eu amo essa foto!

Parto normal depois de cesárea é opção sim!


Novas diretrizes internacionais apontam que procedimento é seguro, mas ainda não vale para todos os casos.

De acordo com novas diretrizes anunciadas pelo Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras – a sociedade americana de obstetrícia e ginecologia – mulheres que passaram por uma cesareana podem ser candidatas a partos normais em gestações futuras.

“Isso enfatiza mais uma vez que um trabalho de parto após uma cesareana é uma opção importante para a maioria das mulheres”, disse um dos autores das novas diretrizes, o Dr. Jeffrey Ecker, especialista em medicina materno-fetal do Massachusetts General Hospital de Boston.

Alguns anos atrás, acreditava-se que uma vez que a mulher tivesse passado por uma cesareana, qualquer parto subseqüente deveria seguir o mesmo procedimento. Mas, com as mudanças em procedimentos cirúrgicos e crescentes evidências que sustentam a possibilidade de parto normal após cesárea, as atitudes começaram a mudar.

Nos anos 80 e 90, porém, com o aumento desse tipo de parto, também aumentaram as complicações relacionadas ao procedimento. Devido a preocupações em relação às complicações e possíveis conseqüências legais delas, o índice de partos vaginais após cesareanas caiu drasticamente de 28,3% em 1996 para 8,8% dos partos em 2006. Mas, os autores das diretrizes apontam que cesareanas sucessivas também têm um risco de complicações tanto para a mãe quanto para o bebê.

“Estudos mais recentes sustentam a idéia de que muitas mulheres podem ter partos normais bem-sucedidos depois de passarem por uma cesárea”, explicou o Dr. William Grobman, outro autor das novas diretrizes e professor associado de obstetrícia e ginecologia Escola de Medicine da Universidade Northwestern, em Chicago.

Em março, um comitê do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos chegou à mesma conclusão, afirmando que ter passado por uma cesareana no passado não obriga a mulher a seguir o mesmo procedimento em partos futuros.

As novas diretrizes recomendam que mulheres que passaram por uma cesárea com incisão uterina horizontal baixa (incisão transversal baixa) sejam orientadas a passar por parto vaginal se assim desejarem.

Segundo as novas diretrizes, entre 60% e 80% das mulheres que tentam parto normal após ter feito uma cesareana têm o parto bem-sucedido. Grobman afirmou que tais percentuais são baseados em números populacionais e que para algumas mulheres, estes índices podem ser ainda mais altos.

Publicadas na edição de agosto da revista especializada Obstetrics and Gynecology, as diretrizes apontam que também podem ser candidatas a parto normal após cesareana mulheres que já passaram por duas cesáreas usando a incisão transversal baixa e mulheres que passaram por uma cesárea com incisão transversal baixa e estão grávidas de gêmeos.

Algumas gestantes, no entanto, não são candidatas ao parto vagina após cesareana. Dentre elas estão aquelas que tiveram uma incisão uterina vertical ou complicações sérias na gestação, como placenta prévia, disse Grobman.

“Em vez de dar uma instrução do tipo ‘isso pode’ ou ‘isso não pode’, os médicos precisam oferecer informações sobre os possíveis benefícios e riscos, dando às mulheres a autonomia de tomar suas próprias decisões”.